ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
07 de novembro de 2017
Voltar
Saneamento

Obra quase pronta vai garantir abastecimento da capital paulista

Há dois anos, parte da capital paulista viveu um grande trauma com a crise hídrica que ameaçou as atividades na capital, tendo como símbolo a imagem impactante do Reservatório da Cantareira em nível zero. De lá pra cá, o governo paulista incrementou ações para ampliar a disponibilidade de água na capital, Grande São Paulo e Vale do Paraíba.

Agora o governo estadual comemora a conclusão de 80% das obras de interligação entre as represas Jaguari e Atibainha, com a conclusão de um trecho de três km do túnel que interliga uma represa a outra. Foram escavados os últimos três metros de rocha a 50 metros abaixo do nível do solo. Com 6,4 km de extensão do túnel e outros 13,2 km de adutoras, a obra de interligação Jaguari-Atibainha terá no total 20 km.

O investimento de R$ 555 milhões é financiado pelo BNDES. As obras são executadas pelo consórcio BPC, constituído pelas empresas Serveng/Civilsan, Engeform e PB Construções.

Quando estiver concluída, a interligação permitirá transferências de água a uma vazão máxima de 12.200 litros por segundo, garantindo o abastecimento de toda a população atendida pelos dois sistemas, estimada em mais de 20 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo e no Vale do Paraíba.

A escavação é uma das etapas mais complexas de todo o trabalho envolvido na interligação das bacias hidrográficas do Cantareira e do Paraíba do Sul. O que a torna singular são as dimensões do túnel: são 6,4 km de extensão, cinco metros de altura e quatro metros de largura, totalizando uma seção de 20 m2. Outra parte do túnel segue sendo escavada.

O tipo de rocha predominante é gnaisse. A cada detonação, o avanço do túnel pode variar entre 80 cm e 4 metros, conforme a qualidade do maciço. A escavação é feita com explosivos e o material acumulado após cada explosão pode chegar a 60 m3 - cada caminhão tem capacidade para carregar até 7 m3 de sedimentos. A expectativa é remover cerca de 121 mil m3 de material até o final da obra. Quando a interligação estiver em funcionamento, o túnel será capaz de deslocar o equivalente a uma piscina olímpica a cada cinco minutos.

Foi necessária a construção de um acesso, na metade do percurso a ser venci.do, de modo a construir a tubulação a partir de quatro frentes de trabalho, ao invés de duas. Assim, as obras ocorriam a partir do centro do túnel e das duas extremidades, que garanti


Há dois anos, parte da capital paulista viveu um grande trauma com a crise hídrica que ameaçou as atividades na capital, tendo como símbolo a imagem impactante do Reservatório da Cantareira em nível zero. De lá pra cá, o governo paulista incrementou ações para ampliar a disponibilidade de água na capital, Grande São Paulo e Vale do Paraíba.

Agora o governo estadual comemora a conclusão de 80% das obras de interligação entre as represas Jaguari e Atibainha, com a conclusão de um trecho de três km do túnel que interliga uma represa a outra. Foram escavados os últimos três metros de rocha a 50 metros abaixo do nível do solo. Com 6,4 km de extensão do túnel e outros 13,2 km de adutoras, a obra de interligação Jaguari-Atibainha terá no total 20 km.

O investimento de R$ 555 milhões é financiado pelo BNDES. As obras são executadas pelo consórcio BPC, constituído pelas empresas Serveng/Civilsan, Engeform e PB Construções.

Quando estiver concluída, a interligação permitirá transferências de água a uma vazão máxima de 12.200 litros por segundo, garantindo o abastecimento de toda a população atendida pelos dois sistemas, estimada em mais de 20 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo e no Vale do Paraíba.

A escavação é uma das etapas mais complexas de todo o trabalho envolvido na interligação das bacias hidrográficas do Cantareira e do Paraíba do Sul. O que a torna singular são as dimensões do túnel: são 6,4 km de extensão, cinco metros de altura e quatro metros de largura, totalizando uma seção de 20 m2. Outra parte do túnel segue sendo escavada.

O tipo de rocha predominante é gnaisse. A cada detonação, o avanço do túnel pode variar entre 80 cm e 4 metros, conforme a qualidade do maciço. A escavação é feita com explosivos e o material acumulado após cada explosão pode chegar a 60 m3 - cada caminhão tem capacidade para carregar até 7 m3 de sedimentos. A expectativa é remover cerca de 121 mil m3 de material até o final da obra. Quando a interligação estiver em funcionamento, o túnel será capaz de deslocar o equivalente a uma piscina olímpica a cada cinco minutos.

Foi necessária a construção de um acesso, na metade do percurso a ser venci.do, de modo a construir a tubulação a partir de quatro frentes de trabalho, ao invés de duas. Assim, as obras ocorriam a partir do centro do túnel e das duas extremidades, que garantiu uma maior velocidade aos trabalhos, iniciados em 2016. “Os trechos são muito longos para serem percorridos, especialmente no final da obra, quando a escavação já está mais adiantada”, observa explica um dos engenheiros responsáveis pela obra, Adriano Barbosa. Os trabalhos ocorrem ao longo de 24 horas por dia em três turnos de trabalho.

A escavação encontra-se no trecho noroeste do túnel, onde está a represa Atibainha, parte do Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista. Já o trecho sudeste fica mais próximo da represa Jaguari, parte do Paraíba do Sul, entre os municípios de Igaratá e Santa Isabel. Este outro trecho, com dimensões aproximadamente idênticas ao primeiro, continua sendo escavado e ainda requer a detonação de mais 550 metros de rocha para o encontro das outras duas seções restantes. Todo esse trabalho é necessário para vencer uma barreira geográfica de quase 260 metros de altura, a Serra do Ribeirão Acima.

No canteiro há dez equipes de trabalho com cerca de 30 homens cada, divididas em três turnos de trabalho, que é organizado em etapas. São elas, pela sequência: aplicação dos sistemas de suporte, perfuração, carregamento, detonação, ventilação, limpeza e bate-choco; sendo esta última uma etapa de limpeza mais refinada, onde o profissional certifica-se de que as arestas do túnel foram aparadas e a área segura e pronta para um novo ciclo de detonação.

As escavações nessa interligação usam o novo método austríaco de tunelamento (NATM, na sigla em inglês), que emprega sistemas de suporte com concreto projetado associado a outros tipos de apoio como cambotas metálicas e fibras de polipropileno no concreto, realizando uma escavação sequencial, de acordo com a capacidade de cada tipo de maciço. Dentre os principais equipamentos envolvidos na operação está o Jumbo, responsável pela perfuração em rocha.

O processo de escavação do túnel conta com mais de 160 profissionais, entre engenheiros, geólogos, marteleteiros, encarregados de frente, motoristas, eletricistas, técnicos de meio ambiente, de qualidade e de segurança. Ao todo, a interligação Jaguari-Atibainha emprega 5,3 mil funcionários diretos e indiretos. Além do túnel, há ainda o assentamento de 13,2 km de adutoras, a construção de uma estação elevatória de água bruta (responsável por captar a água na represa e bombeá-la em direção ao tratamento) e uma subestação de energia elétrica.

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade