FECHAR
FECHAR
05 de abril de 2012
Voltar
Especial Construção Imobiliária

Qualidade do canteiro de obras é diferencial para comprador

Com base na crescente profissionalização dos operários do setor da construção civil, as construtoras também estão se conscientizando da importância de atender aos requisitos da NR18, mesmo nas obras distantes dos grandes centros

A construtora Alavanca, de Sorocaba, interior de São Paulo, investiu na compra de equipamentos modernos com foco na agilidade dos processos com segurança, além de ampliar os procedimentos e itens de limpeza do canteiro, também como diferencial no mercado.

Na construção do Residencial Reserva do Bosque Ecoclub, em Sorocaba, cinco torres com previsão de entrega para o mês de julho de 2013, a construtora optou pelo uso de elevadores tipo cremalheira, que ampliam a segurança das atividades em altura. Os equipamentos são todos cercados com gradil, criando vãos muito pequenos, que não permitem que martelos ou outros objetos caiam. Eles são equipados com três freios de segurança e sua manutenção é semanal, realizada por equipe treinada do fabricante, que permanece disponível para verificações ou revisões.

Segundo o engenheiro Alisson Gouveia, responsável pela obra do Residencial Reserva do Bosque Ecoclub, a atenção com a segurança dos funcionários é tanta que a Alavanca desenvolveu ganchos especiais para os trabalhadores que fazem serviços em altura. Além dos cintos tradicionais exigidos pela NR18, Alisson revela que a Alavanca desenvolveu um sistema diferenciado de ganchos, que proporciona maior segurança e tranquilidade ao colaborador. “O sistema de ganchos e os andaimes maiores dos que os que existem no mercado foram desenvolvidos pela construtora. Isso aumenta a segurança e a produtividade, uma vez que os funcionários estão tranquilos em trabalhar no canteiro de obras”, explica Alisson.

Essa preocupação com a segurança também se converte numa boa ferramenta para as vendas.  O consultor de vendas Dirceu Gimenez, 25 anos, por exemplo, estava à procura de um imóvel quando soube do lançamento do Reserva do Bosque. Durante todo o processo de análise e escolha do apartamento, ele foi até o local e se surpreendeu. “Percebi que se a empresa de construção está preocupada com a limpeza, organização e segurança em seu canteiro de obras, ela também tem cuidado com o material utilizado na edificação do meu apartamento”, afirma Dirceu.

As inovações da Construtora Alavanca não estão restritas apenas a produtos de pequeno porte, como os ganchos exclusivos. De maneira inédita, os operários do empreendimento contam com o uso de uma perna mecânica, a peça é acoplada à própria perna dos operários e permite que estes façam pinturas e reparos no teto dos apartamentos, sem que seja necess


A construtora Alavanca, de Sorocaba, interior de São Paulo, investiu na compra de equipamentos modernos com foco na agilidade dos processos com segurança, além de ampliar os procedimentos e itens de limpeza do canteiro, também como diferencial no mercado.

Na construção do Residencial Reserva do Bosque Ecoclub, em Sorocaba, cinco torres com previsão de entrega para o mês de julho de 2013, a construtora optou pelo uso de elevadores tipo cremalheira, que ampliam a segurança das atividades em altura. Os equipamentos são todos cercados com gradil, criando vãos muito pequenos, que não permitem que martelos ou outros objetos caiam. Eles são equipados com três freios de segurança e sua manutenção é semanal, realizada por equipe treinada do fabricante, que permanece disponível para verificações ou revisões.

Segundo o engenheiro Alisson Gouveia, responsável pela obra do Residencial Reserva do Bosque Ecoclub, a atenção com a segurança dos funcionários é tanta que a Alavanca desenvolveu ganchos especiais para os trabalhadores que fazem serviços em altura. Além dos cintos tradicionais exigidos pela NR18, Alisson revela que a Alavanca desenvolveu um sistema diferenciado de ganchos, que proporciona maior segurança e tranquilidade ao colaborador. “O sistema de ganchos e os andaimes maiores dos que os que existem no mercado foram desenvolvidos pela construtora. Isso aumenta a segurança e a produtividade, uma vez que os funcionários estão tranquilos em trabalhar no canteiro de obras”, explica Alisson.

Essa preocupação com a segurança também se converte numa boa ferramenta para as vendas.  O consultor de vendas Dirceu Gimenez, 25 anos, por exemplo, estava à procura de um imóvel quando soube do lançamento do Reserva do Bosque. Durante todo o processo de análise e escolha do apartamento, ele foi até o local e se surpreendeu. “Percebi que se a empresa de construção está preocupada com a limpeza, organização e segurança em seu canteiro de obras, ela também tem cuidado com o material utilizado na edificação do meu apartamento”, afirma Dirceu.

As inovações da Construtora Alavanca não estão restritas apenas a produtos de pequeno porte, como os ganchos exclusivos. De maneira inédita, os operários do empreendimento contam com o uso de uma perna mecânica, a peça é acoplada à própria perna dos operários e permite que estes façam pinturas e reparos no teto dos apartamentos, sem que seja necessário o uso de uma escada ou andaimes. “Todos passaram por um treinamento para utilizar a perna mecânica. Grandes construtoras brasileiras já vieram até nós para conhecer como funciona este sistema”, diz o engenheiro.

Os 280 apartamentos do Reserva do Bosque Ecoclub contam com 52 m², sendo os maiores apartamentos dentro do programa “Minha Casa, Minha Vida”. Cercado por escolas, padarias, supermercados e hospitais, o empreendimento já está com mais de 60% comercializado. O condomínio de cinco prédios conta com 13 mil m² de área verde, com bosque exclusivo. Os moradores poderão desfrutar de uma área de lazer completa e uma novidade: vestiários para portadores de necessidades especiais, uma preocupação com a acessibilidade pensada para todas as áreas do empreendimento. Os edifícios contam, ainda, com dois elevadores, segurança com portaria 24 horas, portões automáticos, monitoramento por câmera, cerca elétrica e estacionamento especial para motos.

O financiamento, pelo programa “Minha Casa, Minha Vida”, é de até 100% do valor do imóvel, que chega a R$ 130 mil. As parcelas podem ser divididas em até 360 meses, sendo decrescentes. O uso do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Ser viço) também pode ser uma opção no ato da compra. Os subsídios oferecidos podem chegar até R$ 17 mil.

Minha Casa Minha Vida

Edifícios bem localizados, com toda a infraestrutura de lazer, segurança efetiva 24 horas, com apartamentos de dois dormitórios e vaga na garagem já são uma realidade para aqueles enquadrados no programa "Minha Casa, Minha Vida". Até 2013, a cidade  de Sorocaba deverá receber mais 500 unidades pelo programa federal, sendo 280 no Central Parque e mais 310, no Wanel Ville IV, ambos empreendimentos da Construtora Alavanca, em parceria de vendas com a AE Patrimônio Consultores Imobiliários.

Além do Reserva do Bosque Ecoclub, a construtora já iniciou a construção do Varanda Ville Residencial Clube, no bairro Wanel Ville IV, também com excelente localização e apartamentos de 52 m², com dois dormitórios e vaga na garagem. A área comum será igualmente completa, com playgrounds, espaço gourmet, sauna, espaço fitness, vestiários comuns e para portadores de necessidades especiais, quiosque, salão de jogos, brinquedoteca, piscinas, elevadores, salão de festas, churrasqueira e estacionamento para visitantes, além de portaria 24 horas. As condições facilitadas de financiamento são as mesmas, com todos os benefícios e subsídios do “Minha Casa, Minha Vida”.

No entanto, a empresa não atua somente no mercado popular. Ela está desenvolvendo o empreendimento Residencial Giardino Di Ravello, que faz mix de estilos arquitetônico. O projeto urbanístico e arquitetônico ficou a cargo de Geraldo Caiuby, que inseriu detalhes inovadores na fachada, nos telhados, na distribuição das janelas e vitrôs, além do uso de tecnologias que ampliam o benefícios aos moradores.

Caiuby destaca que a estrutura das residências foi idealizada para que os moradores desfrutem total privacidade, ao mesmo tempo com todos os privilégios de se viver em um espaço comum. “A fácil circulação dentro do imóvel e a melhor ocupação do terreno tiveram atenção especial na concepção do projeto. Outro fator que se levou muito em consideração foi que as casas não poderiam perder seu estilo atual, nem ficar paradas no tempo”, revela o arquiteto.

O condomínio abrange 100 casas térreas de 96 m², com três quartos, sendo uma suíte, duas vagas na garagem, sala de jantar, sala de estar e varanda com espaço gourmet. O clube privativo possuiu 3.480 m², reunindo quadras poliesportiva e de areia, piscina infantil e adulto com raia de 25 m, playground, brinquedoteca, saunas seca e à vapor, espaço gourmet, salão de festas, fitness equipado, espaço de leitura, cine clube e pista de caminhada.

A arquiteta Danae Rodrigues da Silva conta que o paisagismo foi pensado para conferir beleza, assim como comodidade aos moradores. A área de lazer é cercada por palmeiras e gramado com capim serpente nas áreas onde não há incidência solar. Já o espaço de leitura recebeu árvores frondosas, que garantem sombra aos bancos, disponibilizados para que seja possível observar os ipês brancos e amarelos e a quaresmeira roxa, que ficam no alinhamento das ruas, próximo ao local. “O trabalho foi desenvolvido em conjunto com o nosso fornecedor, que indicou quais as espécies ideais para cada ambiente. Sendo assim, pudemos escolher e montar um paisagismo que contempla os olhos e também é funcional para atender nossas espectativas”, diz.

Segundo o engenheiro Marcos Alberto Bezerra Fialho, da Construtora Alavanca, o projeto prezou pela sustentabilidade, evitando o desperdício de materiais. A construtora já conta com 40 anos de atividades, atuando nas diversas áreas do setor, incluindo o segmento habitacional. Segundo diretores da Construtora Alavanca, Elias Stefan Júnior, a empresa cria produtos adequados à demanda do mercado desde que conte com estoque de terrenos disponível. A seu ver, o Programa “Minha Casa Minha Vida” alterou o desenvolvimento das vendas, principalmente aumentando a velocidade da comercialização dos produtos para 12 meses. Mas ressalva a necessidade  de se adotar critérios adequados ao produto, como projeto, preço, qualidade acima da média para todos os tipos de empreendimentos. “Além da segurança, o uso te tecnologias avançadas se converte em redução de custos e melhoria da qualidade”, finaliza.