FECHAR
FECHAR
20 de dezembro de 2011
Voltar
Especial Portos

Obras de ampliação apresentam resultados

No período de janeiro a agosto deste ano, o Porto do Pecém movimentou 2.095 milhões de toneladas, 20% acima do período correspondente de 2010 (1,75 milhão de t). O crescimento se deu pelo aumento nas movimentações de cargas conteinerizadas (1,105 milhão de t), e de granéis sólidos (497 mil t), representando um incremento de 36% e 244%, respectivamente, se comparado com o mesmo período de 2010.

As exportações cresceram em 29%, de 455 mil t de janeiro a agosto de 2010 para 589 mil t em 2011, e as importações cresceram em 16%, de 1,294 milhão de t em 2010 para 1,506 milhão de t em 2011. Nas exportações, as cargas mais movimentadas foram o minério de ferro (161,3 mil t), frutas (94,9 mil t), sal (32,8 mil t), farinha de trigo (22,3 mil t), preparações de produtos hortícolas (21,1 t), bebidas, líquidos alcoólicos (19,1 t) e carnes (18,7 mil t).

Na importação os destaques foram os combustíveis minerais (355,7 mil t), ferro e aço (347 mil t), cimentos não pulverizados denominados “clinkers” (100 mil t), arroz (91,1 mil t), escória (85,8 mil t) e algodão (56 mil t).

A movimentação acumulada de contêineres foi de 121 mil TEU’s (unidade equivalente a contêiner de 20 pés), 27% acima no igual período de 2010, quando o porto chegou a 95,8 mil TEU’s. Registrou 59 mil contêineres exportados e 62 mil na importação, com variação positiva respectivamente de 26 e 27% em relação ao ano de 2010.

No período de janeiro a agosto do corrente ano, operaram no porto do Pecém 355 navios, com aumento de 5% em relação a janeiro/agosto do ano passado.

Ranking

No ranking das exportações de frutas fornecido pela Secex, órgão do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o porto do Pecém mantém a liderança, com participação de 31% entre todos os portos brasileiros, seguido dos portos de Santos (22%), Rio Grande (11%), Salvador (11%) e Mucuripe (10%).

Na exportação de calçados o Pecém perdeu a liderança para o porto de Rio Grande, ambos com participação de 31% do total. Pelo Pecém foram exportadas 8.513 t, enquanto o porto gaúcho registrou a movimentação de 8.546 t.

Na classificação das importações o porto cearense ficou em terceiro lugar no item produtos siderúrgicos e em segundo lugar na movimentação de algodão. O porto de São Francisco contribuiu com 24% na importação de prod


No período de janeiro a agosto deste ano, o Porto do Pecém movimentou 2.095 milhões de toneladas, 20% acima do período correspondente de 2010 (1,75 milhão de t). O crescimento se deu pelo aumento nas movimentações de cargas conteinerizadas (1,105 milhão de t), e de granéis sólidos (497 mil t), representando um incremento de 36% e 244%, respectivamente, se comparado com o mesmo período de 2010.

As exportações cresceram em 29%, de 455 mil t de janeiro a agosto de 2010 para 589 mil t em 2011, e as importações cresceram em 16%, de 1,294 milhão de t em 2010 para 1,506 milhão de t em 2011. Nas exportações, as cargas mais movimentadas foram o minério de ferro (161,3 mil t), frutas (94,9 mil t), sal (32,8 mil t), farinha de trigo (22,3 mil t), preparações de produtos hortícolas (21,1 t), bebidas, líquidos alcoólicos (19,1 t) e carnes (18,7 mil t).

Na importação os destaques foram os combustíveis minerais (355,7 mil t), ferro e aço (347 mil t), cimentos não pulverizados denominados “clinkers” (100 mil t), arroz (91,1 mil t), escória (85,8 mil t) e algodão (56 mil t).

A movimentação acumulada de contêineres foi de 121 mil TEU’s (unidade equivalente a contêiner de 20 pés), 27% acima no igual período de 2010, quando o porto chegou a 95,8 mil TEU’s. Registrou 59 mil contêineres exportados e 62 mil na importação, com variação positiva respectivamente de 26 e 27% em relação ao ano de 2010.

No período de janeiro a agosto do corrente ano, operaram no porto do Pecém 355 navios, com aumento de 5% em relação a janeiro/agosto do ano passado.

Ranking

No ranking das exportações de frutas fornecido pela Secex, órgão do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o porto do Pecém mantém a liderança, com participação de 31% entre todos os portos brasileiros, seguido dos portos de Santos (22%), Rio Grande (11%), Salvador (11%) e Mucuripe (10%).

Na exportação de calçados o Pecém perdeu a liderança para o porto de Rio Grande, ambos com participação de 31% do total. Pelo Pecém foram exportadas 8.513 t, enquanto o porto gaúcho registrou a movimentação de 8.546 t.

Na classificação das importações o porto cearense ficou em terceiro lugar no item produtos siderúrgicos e em segundo lugar na movimentação de algodão. O porto de São Francisco contribuiu com 24% na importação de produtos siderúrgicos, seguido pelos portos de Santos (20%) e Pecém, com 14%. Suape manteve a liderança na importação de algodão, com participação de 37%, seguido pelos portos do Pecém (27), Itajaí (15) e Santos (8%).

Investimentos apresentam resultados

O crescimento da movimentação de cargas em Pecém é resultado de um programa de investimento na infraestrutura portuária, com intervenções como a do Bloco de Utilidade e Serviços – BUS (ver boxe), do Pátio de Cabotagem e do Pátio de Cargas Perigosas. Além dessas intervenções, está sendo realizada a engorda do quebra-mar existente no tramo norte-sul para ampliação do terminal. Ao mesmo tempo, a Procuradoria-Geral do Estado está acelerando o processo de licitação das obras da nova expansão do porto, que incluem a construção de uma nova ponte de acesso. Ela abrirá caminho para os novos píeres que serão construídos posteriormente. Terá 1600 metros de comprimento e 32 metros de largura, e a previsão é de que esteja pronta em 2013. O custo estimado para a obra é de R$ 177 milhões.

Em agosto desse ano, foram concluídas e inauguradas as obras de ampliação do Terminal de Múltimo Uso (TMUT) com a construção de mais dois berços de atracação. O TMUT conta com profundidade de 18 metros e mais uma área de 800 mil m² para a estocagem transitória de contêineres e exigiu investimentos da ordem de R$ 140 milhões.

Além do TMUT, foram inaugurados o prolongamento da ponte de acesso ao novo píer e o espigão de pedra que protege o porto e sua bacia de evolução.

O novo descarregador contínuo de carvão mineral do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), após todos os testes realizados, está em funcionamento sem problemas. O equipamento já retirou de um navio atracado no porto, 70 mil toneladas de carga, colocando na esteira transportadora de minérios do Cipp. O processo de descarregamento foi concluído com êxito total e um novo descarregamento de 70 mil toneladas está em andamento.

O equipamento, que está instalado no píer 1 do Porto do Pecém, é resultado de investimentos da ordem de R$ 23 milhões. Combinado com a correia transportadora, a capacidade nominal do descarregador é de 2.400 toneladas por hora.