FECHAR
FECHAR
27 de julho de 2014
Voltar
Edição Especial Número 50

Aeroporto Internacional de Guarulhos, uma corrida contra o tempo

Inauguração do Terminal 3 prenuncia era de modernização do aeroportos brasileiros

Após um ano e nove meses depois de iniciadas, em 11 de maio, praticamente às vésperas do Mundial da Copa do Mundo , foi concluído o Terminal de Passageiros, o TPS3, do GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo. A obra ampliou a capacidade do aeroporto para 12 milhões nesta primeira fase. Voltado para voos internacionais, o Terminal 3 tem uma área de 192 mil m²e conta com tecnologias e equipamentos comparáveis aos dos melhores aeroportos do mundo. Guarulhos é uma das principais portas de entrada para o Brasil e a ampliação do aeroporto é estratégica para a melhoria do intercâmbio comercial e turístico do país.

“O Terminal3 representa uma mudança de paradigma na infraestrutura aeroportuária do País. A partir de agora, a experiência do passageiro com o aeroporto será outra, principalmente em relação à eficiência operacional, qualidade dos serviços, conforto e segurança”, destaca o presidente do GRU Airport, Antonio Miguel Marques. O consórcio formado pelas empresas Invepar (Investimentos e Participações em Infraestrutura S.A.) e ACSA (Airports Company South Africa) venceu, em 2012, a licitação para operar e administrar o Aeroporto Internacional de Guarulhos, o maior do país, com movimento de cerca de 32,8 milhões de passageiros em 2012. A concessionária é formada por 51% das ações pertencentes à Grupar (Grupo Invepar e ACSA) e 49%, à Infraero. Dos 51% da iniciativa privada, a Invepar tem participação de 90% e a ACSA, de 10%.

Com a entrega do TPS3, a Concessionária finaliza a primeira fase de grandes obras e inicia o processo de modernização dos aeroportos brasileiros, que deverá deslanchar mesmo após a realização da Copa do Mundo.   “Desde que assumimos a gestão, em fevereiro de 2013, praticamente duplicamos a oferta em áreas antes críticas”, explica o presidente. O número de vagas de estacionamento passou de 3,9 mil do período pré-concessão para 8 mil atuais; os pátios, que antes tinham capacidade para 61 aeronaves, agora contam com 108 posições; e, com a abertura do novo terminal e as obras de expansão no TPS2, a área de terminais mais que dobrou desde o início da concessão, de 191 mil m² para 387 milm².

Inspirado na estrutura dos aeroportos mais modernos da Ásia e da Europa, o TPS 3 é dividido em dois blocos de edifícios, com cinco níveis. O primeiro é reservado à recepção e processamento de passageiros, onde estão as áreas de check-in, raios-X, controle de passaporte, alfândega e restituição de bagagem, enquanto o segundo é um píer de acesso às aeronaves, com 20 pontes de embarque. Já a ligação com o Terminal 2 e o edifício-garagem é feita por passarelas elevadas envidraçadas, equipadas com esteiras rolantes que permitirão a conexão direta de passageiros em trânsito. Os dois pátios que atendem ao Terminal 3 têm capacidade para 34 aeronaves.