ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
28 de outubro de 2013
Voltar
Petróleo e Gás

Uma história de sucesso

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É praticamente impossível dissociar a industrialização brasileira do cenário que marcou o surgimento da Petrobras. Até a Segunda Guerra Mundial, o Brasil era um país majoritariamente agrícola. As primeiras indústrias surgiram de maneira tímida, a partir do final do século XIX e início do XX, mas não tinham representatividade na economia nacional. O País sentiu forte a crise de 1929, pois dependia das exportações cafeeiras e da importação de outros produtos para movimentar sua economia. Os negócios encolheram, muitas empresas quebraram e o desemprego multiplicou-se, abrindo as portas para a Revolução de 1930. Estava criado o ambiente político e empresarial para que o Brasil diversificasse sua economia. Getúlio Vargas encampou esses anseios e deu os primeiros passos em direção à industrialização.

Nos governos de Vargas (1930-45 / 1950-54) houve avanço na montagem de infraestrutura para o desenvolvimento econômico, com investimentos em empreendimentos estratégicos, como siderurgia, energia elétrica e petróleo, e preponderância do estado. Dessa visão, nasceram empresas como a Companhia Vale do Rio Doce, Eletrobras e Petrobras. A primeira sondagem de petróleo realizada no Brasil ocorreu no município de Bofete, interior paulista, entre 1892 e 1896, por iniciativa do fazendeiro Eugênio Ferreira de Camargo. A perfuração atingiu 488 m, mas só foi encontrada água sulfurosa. Em 1932, foi instalada a primeira refinaria de petróleo do País, em Uruguaiana, a Refinaria Rio-grandense de Petróleo, que utilizava o produto importado do Chile. A descoberta oficial de petróleo no Brasil só ocorreria mesmo em 1939, quando jorrou óleo de um poço perfurado na localidade de Lobato, na periferia de Salvador, na Bahia, ainda sob a administração do Conselho Nacional do Petróleo (CNP).

Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o petróleo ganha importância em todo o mundo. No Brasil, apesar do CNP existir desde 1938, a produção e a distribuição eram atividades realizadas por empresas norte-americanas. Com o nacionalismo em alta na época, logo surgiu a campanha “O petróleo é nosso”, contrária à exploração do recurso por companhias estrangeiras. A sociedade brasileira exigia a criação de uma empresa nacional para o setor. Vargas logo adotou a ideia e, por decreto-lei, criou a Petrobras, em 3 de outubro de 195


 

 

 

 

 

 

 

 

 

É praticamente impossível dissociar a industrialização brasileira do cenário que marcou o surgimento da Petrobras. Até a Segunda Guerra Mundial, o Brasil era um país majoritariamente agrícola. As primeiras indústrias surgiram de maneira tímida, a partir do final do século XIX e início do XX, mas não tinham representatividade na economia nacional. O País sentiu forte a crise de 1929, pois dependia das exportações cafeeiras e da importação de outros produtos para movimentar sua economia. Os negócios encolheram, muitas empresas quebraram e o desemprego multiplicou-se, abrindo as portas para a Revolução de 1930. Estava criado o ambiente político e empresarial para que o Brasil diversificasse sua economia. Getúlio Vargas encampou esses anseios e deu os primeiros passos em direção à industrialização.

Nos governos de Vargas (1930-45 / 1950-54) houve avanço na montagem de infraestrutura para o desenvolvimento econômico, com investimentos em empreendimentos estratégicos, como siderurgia, energia elétrica e petróleo, e preponderância do estado. Dessa visão, nasceram empresas como a Companhia Vale do Rio Doce, Eletrobras e Petrobras. A primeira sondagem de petróleo realizada no Brasil ocorreu no município de Bofete, interior paulista, entre 1892 e 1896, por iniciativa do fazendeiro Eugênio Ferreira de Camargo. A perfuração atingiu 488 m, mas só foi encontrada água sulfurosa. Em 1932, foi instalada a primeira refinaria de petróleo do País, em Uruguaiana, a Refinaria Rio-grandense de Petróleo, que utilizava o produto importado do Chile. A descoberta oficial de petróleo no Brasil só ocorreria mesmo em 1939, quando jorrou óleo de um poço perfurado na localidade de Lobato, na periferia de Salvador, na Bahia, ainda sob a administração do Conselho Nacional do Petróleo (CNP).

Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o petróleo ganha importância em todo o mundo. No Brasil, apesar do CNP existir desde 1938, a produção e a distribuição eram atividades realizadas por empresas norte-americanas. Com o nacionalismo em alta na época, logo surgiu a campanha “O petróleo é nosso”, contrária à exploração do recurso por companhias estrangeiras. A sociedade brasileira exigia a criação de uma empresa nacional para o setor. Vargas logo adotou a ideia e, por decreto-lei, criou a Petrobras, em 3 de outubro de 1953. Sua implantação exigiu cerca de um ano. Em 1954, a nova empresa herdou do CNP duas refinarias – a de Mataripe (BA), em funcionamento desde 1950, e a de Cubatão (SP), ainda em construção. Elas foram o primeiro patrimônio da empresa, que começou a operar efetivamente no dia 10 de maio de 1954, com uma produção de 2.663 barris, equivalente a 1,7% do consumo nacional da época. Em 16 de abril de 1955, foi inaugurada a refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão, a primeira a nascer já com o ‘DNA da Petrobras’. Com a missão de suprir 50% da demanda de abastecimento de derivados de petróleo do Brasil, a refinaria tinha capacidade para processar 45 mil barris/dia. Ao longo das décadas de 1960 e 1970, mais nove refinarias foram construídas pela Petrobras.

Entre o final da década de 1950 e os anos 1960, novas descobertas aconteceram. Em 1961, a Petrobras dá início à procura de petróleo no mar, que viria a ser seu maior trunfo empresarial. As primeiras prospecções ocorreram em uma faixa que ia do Maranhão ao Espírito Santo. Em 1968, ocorre a primeira descoberta de petróleo no mar, no campo de Guaricema, em Sergipe. Atualmente, o Brasil responde por mais da metade das descobertas em águas profundas e a Petrobras se tornou líder mundial na extração de petróleo nessa área. O número de plataformas em alto-mar operadas pela companhia é maior do que a soma das segunda e terceira colocadas nesse ranking. A produção atual supera 2 milhões barris de óleo equivalente por dia (petróleo e gás natural). De 2005 a 2012, a Petrobras notificou à Agência Nacional de Petróleo 63 declarações de descobertas na área do pré-sal e 189 nas demais áreas. De 2000 a 2011, as reservas da companhia cresceram 63%, bem acima do crescimento mundial, de 38%. Com a descoberta dos reservatórios do pré-sal, cuja produção chegou, em junho, à média diária de 310 mil barris de petróleo por dia, a empresa ganha fôlego para dobrar de tamanho até 2020, quando pretende produzir 5,7 milhões de barris diários de óleo equivalente. Hoje, a Petrobras é terceira do mundo em ativos, quarta em lucro líquido e em valor de mercado, nona em capacidade de refino e décima em produção de petróleo.

 

 

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade