FECHAR
FECHAR
08 de maio de 2014
Voltar
Logística

Etanolduto começa a sair do papel

Primeiro trecho, no interior de São Paulo, já está em funcionamento

Etanolduto: uma rede para transportar o etanol

Há 10 anos, quando se começou a pensar em um sistema de transporte da produção do etanol, dos grandes centros produtores para os principais pontos de distribuição, a ideia parecia um sonho. Mas o sonho começou a virar realidade no ano passado, quando um primeiro trecho do Etanolduto começou a funcionar. A primeira fase do projeto, entre Ribeirão Preto e Paulínia, no interior de São Paulo, já está em funcionamento.

A Logum Logística, empresa responsável pelo projeto, inaugurou em agosto de 2013 o Terminal Terrestre de Ribeirão Preto (Centro Coletor de Ribeirão Preto). Estão em fase de execução os trechos Uberaba-Ribeirão Preto além do Duto e Terminal de Uberaba. O restante do trajeto passa pela elaboração de Projeto Executivo.

O investimento é de R$ 7 bilhões, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Quando concluído, a capacidade de transporte ultrapassará 20 milhões de m³ de etanol por ano e armazenamento de 1,2 milhão de m³ de etanol. O Sistema Logístico de Etanol prevê cerca de 1.300 km de extensão de dutos e 700 km de hidrovia, 15 terminais de coleta e distribuição. A Logum, empresa líder do projeto, é uma sociedade anônima composta pela Odebrecht TransPort, Petrobras, Copersucar, Raízen (20% cada uma), Camargo Correa e Uniduto Logística (10% cada).

Quando pronto, o etanolduto atravessará 45 municípios, ligando as principais regiões produtoras de cana nos Estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso Sul, Rio de Janeiro e São Paulo ao principal Centro de Armazenagem da Logum, no município de Paulínia (SP).

O plano de negócios da empresa contempla a elaboração do projeto, implantação e operação do sistema, compreendendo o recebimento do etanol em centros coletores e terminais terrestres e hidroviários, e o transporte - via dutos e barcaças - até terminais terrestres e marítimos para entrega.  Dali, o etanol é transportado para as Regiões Metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Além disso, o combustível será entregue em portos para a exportação ou cabotagem.

A obra está a cargo do Consórcio Etanol – formado por Odebrecht Engenharia Industrial e Camargo Corrêa. As obras do Terminal de Ribeirão Preto foram finalizadas em abril deste ano, incluindo a faixa de dutos até a Refinaria da Petrobras em Paulínia (Replan) e as interligações entre as instalações da Logum e da Petrobras na Replan. Nessa fase, o sistema tem 206 km de extensão, com a capacidade de transportar mais de 20 bilhões de litros de etanol por ano, quando concluído. A Logum também iniciou as obras de construção e montagem do Poliduto Uberaba. A estrutura de 145 km vai ligar Ribeirão Preto (SP) a Uberaba (MG), atravessando 11 municípios.