P U B L I C I D A D E

ABRIR
FECHAR

P U B L I C I D A D E

ABRIR
FECHAR
SANEAMENTO
Voltar

Obras em drenagem passam despercebidas, mas são essenciais para prevenção de enchentes

Especialista explica que fenômenos climáticos extremos exigem ajustes nos projetos de drenagem e controle de enchente

Assessoria de Imprensa

17/05/2024 10h16 | Atualizada em 22/05/2024 12h10


Segundo dados do SNIS, Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, coletados em 2023 e referentes a 2022, 83,20% dos municípios no Brasil não possuem um plano diretor de DMA-PU, Drenagem e Manejo de Águas Pluviais. Quanto ao mapeamento de áreas de risco de inundação, apenas 30,2 % dos municípios brasileiros possuem tal levantamento.

Os números refletem a necessidade de se dar mais atenção à drenagem, atividade que compõe as medidas de saneamento básico. Planejamento e obras nessa área são fundamentais para prevenir a ocorrência de enchentes, como as que atingiram o Rio Grande do Sul.

Especialistas alertam para o fato de que, apesar de essenciais, muitas vezes as obras de drenagem urbana, como as canalizações de córregos e rios, construção de galerias de águas pluviais, reservatórios de retenção assim como áreas reservadas para ocupação dos cursos d’água nos momentos de enchente são intervenções que não recebem a devida atenção da gestão pública.

“A frequênc

...

Segundo dados do SNIS, Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, coletados em 2023 e referentes a 2022, 83,20% dos municípios no Brasil não possuem um plano diretor de DMA-PU, Drenagem e Manejo de Águas Pluviais. Quanto ao mapeamento de áreas de risco de inundação, apenas 30,2 % dos municípios brasileiros possuem tal levantamento.

Os números refletem a necessidade de se dar mais atenção à drenagem, atividade que compõe as medidas de saneamento básico. Planejamento e obras nessa área são fundamentais para prevenir a ocorrência de enchentes, como as que atingiram o Rio Grande do Sul.

Especialistas alertam para o fato de que, apesar de essenciais, muitas vezes as obras de drenagem urbana, como as canalizações de córregos e rios, construção de galerias de águas pluviais, reservatórios de retenção assim como áreas reservadas para ocupação dos cursos d’água nos momentos de enchente são intervenções que não recebem a devida atenção da gestão pública.

“A frequência com que nossas cidades têm sido atingidas por fenômenos climáticos extremos exige que a engenharia nacional reveja parâmetros tradicionais dos projetos das estruturas para drenagem e controle de enchentes. Com o aumento expressivo dos volumes pluviométricos, as constantes históricas precisam ser reavaliadas, assim como os períodos de retorno das chuvas para dimensionamento das obras de engenharia também exigem correção urgente!”, afirma Marco Botter, CEO da empresa Telar Engenharia.

Em São Paulo a Telar executou obras importantes, como as canalizações dos córregos Pirajuçara, Antonico, Aricanduva, Jaguaré, Saracura (sob Av. Nove de Julho) e Tiquatira, dentre muitas outras. Todas elas tiveram importância efetiva na redução de ocorrência de enchentes na capital paulista.

P U B L I C I D A D E

ABRIR
FECHAR

P U B L I C I D A D E

P U B L I C I D A D E

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade