FECHAR
FECHAR
18 de janeiro de 2013
Voltar
Máquinas e Equipamentos

JLG investe US$ 2,9 milhões e reinaugura CD em Indaiatuba

Diretoria da empresa reuniu clientes, fornecedores e membros da comunidade local para apresentar as inovações desenvolvidas para atender o mercado brasileiro

A JLG, empresa do grupo Oshkosh (Nyse:OSK), uma das maiores na fabricação de plataformas aéreas de trabalho e manipuladores telescópicos, acaba de fazer um investimento de quase US$ 3 milhões em seu centro de distribuição em Indaiatuba (SP). A unidade reaberta no dia 13 de novembro, aos clientes, imprensa e comunidade local, passou por ampla reforma para melhor atender o crescimento do mercado no Brasil e, no futuro, também servir de plataforma para exportação de parte da produção para a América Latina.

A nova instalação de 11.200 m2 inclui uma área de estoque renovada, que armazena uma quantidade significativamente maior de produtos. O acesso às peças, cerca de três mil itens diferentes, é feito, em poucos segundos, através de uma solução de separação de pedidos por Shuttle. “Nossa empresa é a primeira a implantar esta solução dentro de um centro de distribuição no Brasil. A nova tecnologia dá suporte às operações comerciais eficientes, por acelerar o processo de separação e permitir que nossos funcionários atendam pedidos em uma velocidade significativamente maior”, explica Donnel Mata, diretor de suporte de produtos para América Latina.

Segundo ele, o inventário maior de peças contribui para melhorar a taxa de atendimento aos clientes da marca e, como consequência, reduz a inatividade dos equipamentos no canteiro de obras. “Máquina parada gera um custo muito elevado aos clientes”, acentua.

Mata diz que o CD da JLG está preparado para atender toda e qualquer encomenda. “Nossos clientes não precisarão importar equipamentos ou suas peças por conta própria, porque nosso serviço Kardex fará toda a operação. Se não tivermos em estoque, traremos em poucos dias. Vamos reduzir o tempo de espera. Algumas peças costumam demorar cerca de 30 dias nos processos de importação. Vamos utilizar nosso centro mundial de peças da Alemanha para reduzir esse prazo para uma semana (sete dias) no máximo”, garante.

O Aeroporto de Viracopos, localizado próximo à empresa, facilita em muito essa operação. “Aliás, este foi um dos motivos que levou a JLG à cidade de Indaiatuba há quatro anos”, lembra Mata.

Com o novo CD, os clientes terão tudo que precisarem a partir de uma única fonte dentro do País. Com isso, eles economizam tempo e custos extras associados ao processo de importação. “Nosso foco é prover aos nosso


A JLG, empresa do grupo Oshkosh (Nyse:OSK), uma das maiores na fabricação de plataformas aéreas de trabalho e manipuladores telescópicos, acaba de fazer um investimento de quase US$ 3 milhões em seu centro de distribuição em Indaiatuba (SP). A unidade reaberta no dia 13 de novembro, aos clientes, imprensa e comunidade local, passou por ampla reforma para melhor atender o crescimento do mercado no Brasil e, no futuro, também servir de plataforma para exportação de parte da produção para a América Latina.

A nova instalação de 11.200 m2 inclui uma área de estoque renovada, que armazena uma quantidade significativamente maior de produtos. O acesso às peças, cerca de três mil itens diferentes, é feito, em poucos segundos, através de uma solução de separação de pedidos por Shuttle. “Nossa empresa é a primeira a implantar esta solução dentro de um centro de distribuição no Brasil. A nova tecnologia dá suporte às operações comerciais eficientes, por acelerar o processo de separação e permitir que nossos funcionários atendam pedidos em uma velocidade significativamente maior”, explica Donnel Mata, diretor de suporte de produtos para América Latina.

Segundo ele, o inventário maior de peças contribui para melhorar a taxa de atendimento aos clientes da marca e, como consequência, reduz a inatividade dos equipamentos no canteiro de obras. “Máquina parada gera um custo muito elevado aos clientes”, acentua.

Mata diz que o CD da JLG está preparado para atender toda e qualquer encomenda. “Nossos clientes não precisarão importar equipamentos ou suas peças por conta própria, porque nosso serviço Kardex fará toda a operação. Se não tivermos em estoque, traremos em poucos dias. Vamos reduzir o tempo de espera. Algumas peças costumam demorar cerca de 30 dias nos processos de importação. Vamos utilizar nosso centro mundial de peças da Alemanha para reduzir esse prazo para uma semana (sete dias) no máximo”, garante.

O Aeroporto de Viracopos, localizado próximo à empresa, facilita em muito essa operação. “Aliás, este foi um dos motivos que levou a JLG à cidade de Indaiatuba há quatro anos”, lembra Mata.

Com o novo CD, os clientes terão tudo que precisarem a partir de uma única fonte dentro do País. Com isso, eles economizam tempo e custos extras associados ao processo de importação. “Nosso foco é prover aos nossos clientes uma solução de ciclo de vida que lhes dê não apenas os produtos que precisam, mas também os serviços de apoio aos equipamentos em campo”, reforça Mata.

Aumento de pessoal

O suporte e serviço de pós-vendas foi possível, porque a empresa aumentou em 40% seu quadro de funcionários, que também responderão pelo atendimento Online Express, permitindo acesso direto a cotações, serviços de garantia e manuais, tudo em português.

A empresa implantou também um departamento de localização de peças para minimizar tempo na busca de itens e oferecer peças de reposição dos equipamentos JLG e de outras marcas. O Online Express virá como um pós-vendas e suporte aos usuários da marca, mas as vendas e visitas tradicionais aos clientes continuarão.

“É apenas mais uma forma da JLG atender seus clientes em suas regiões e fornecer todo o suporte, com recursos e equipamentos necessários para suas operações”, disse Marcio Cardoso, diretor de Vendas para a América Latina.

Richard del Campo, diretor de Desenvolvimento de Mercado da América Latina, acredita que o novo centro aprimorado vem a atender o crescimento do mercado brasileiro e América Latina. “Prevemos inúmeras obras de infraestrutura no Brasil, por conta de ser sede da Copa das Confederações em 2013, Copa do Mundo em 2014 e dos jogos Olímpicos em 2016. Esta unidade posiciona melhor a JLG e nossos clientes, de maneira a aproveitar essa e outras oportunidades de crescimento do que está por vir”, adianta o executivo.

A renovação da unidade em Indaiatuba também incluiu dois novos centros de atendimento de peças e serviços, que irão melhorar o suporte ao cliente, fornecendo acesso direto à JLG para fazer pedido e solucionar questões de serviços. Um novo showroom apresentará às empresas de construção e locação de equipamentos os produtos da marca e uma equipe de profissionais altamente treinados dará toda a instrução sobre operação e manutenção de equipamentos.

As novas áreas de estocagem da empresa abrigam vários produtos da marca, entre os quais o manipulador telescópico SkyTrak®8042, o JLG G12-55a e a plataforma aérea tipo tesoura elétrica JLG 324RS.

Com 43% do market share do mercado brasileiro de plataformas aéreas, a JLG comercializa 95% dos seus produtos para clientes voltados para o segmento de locação. “Nosso foco agora é desenvolver o mercado de equipamentos usados, porque ele vai ajudar nas vendas de mais soluções e financiamentos”, finaliza Campo.

A empresa tem fábrica na China, Estados Unidos, Bélgica, Romênia e França, e suporte de vendas e serviços em vários continentes.