FECHAR
FECHAR
29 de outubro de 2012
Voltar
Máquinas e Equipamentos

JCB made in Sorocaba

A nova fábrica, com 33 mil m2 de área construída, exigiu um investimento de US$ 100 milhões e terá a capacidade de produzir 10 mil máquinas/ano

Não poderia ser mais significativa a presença do primeiro-ministro britânico David Cameron na inauguração da fábrica da JCB, em Sorocaba, em São Paulo, realizada dia 27 de setembro. Cameron participou de uma missão comercial ao Brasil e antes de comparecer à sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), e se encontrar com a Presidente Dilma Roussef, visitou a planta da JCB, um investimento de US$ 100 milhões, localizada ao longo da rodovia Castelo Branco, na cidade de Sorocaba, vizinha a nova fábrica da Toyota e de seus fornecedores.

As novas instalações possuem 33 mil m2 de área construída.  Quando estiver em plena atividade, a fábrica de Sorocaba terá a capacidade de produzir 10 mil máquinas/ano. A produção atual é de 3 mil unidades/ano. A nova fábrica substitui duas plantas menores também localizadas em Sorocaba, a primeira aberta em 2001 para produzir retroescavadeiras e a segunda em 2010 para produzir escavadeiras, mas que já estava com a capacidade esgotada. Agora, a prioridade será a implantação de linhas de produção dos manipuladores telescópicos, as pás carregadeiras e os rolos compactadores, seguida pelas retroescavadeiras, escavadeiras, e pás carregadeiras de rodas, e equipamentos de compactação.

"A expansão da JCB no Brasil mostra como as empresas britânicas podem capitalizar as oportunidades de crescimento no Brasil. Este é um grande exemplo de engenharia do Reino Unido, líder mundial em inovação e tecnologia”, disse Cameron que fez questão de conhecer os colaboradores da empresa. A  nova fábrica brasileira representa um dos maiores investimentos já feitos pela  JCB fora do país sede.

Com a nova fábrica, a JCB dá um grande passo em direção à nacionalização de 65% da linha de equipamentos, critério fundamental para aproveitar as linhas de financiamento do BNDES Finame. Allém disso, insere um layout  automatizado e moderno. Com isso, dá um claro recado de que pretende disputar a linha de frente do mercado brasileiro, hoje principal pólo de convergência dos fabricantes internacionais do setor de equipamentos de construção.

O presidente da JCB Anthony Bamford esteve no Brasil pela quarta vez para a inauguração: "A América do Sul representa uma enorme oportunidade de crescimento para JCB e nosso investimento em uma nova fábrica é crucial para consolidar nosso crescimento nesse importante mercado”.  Para David Bell, Chief Corporate De


Não poderia ser mais significativa a presença do primeiro-ministro britânico David Cameron na inauguração da fábrica da JCB, em Sorocaba, em São Paulo, realizada dia 27 de setembro. Cameron participou de uma missão comercial ao Brasil e antes de comparecer à sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), e se encontrar com a Presidente Dilma Roussef, visitou a planta da JCB, um investimento de US$ 100 milhões, localizada ao longo da rodovia Castelo Branco, na cidade de Sorocaba, vizinha a nova fábrica da Toyota e de seus fornecedores.

As novas instalações possuem 33 mil m2 de área construída.  Quando estiver em plena atividade, a fábrica de Sorocaba terá a capacidade de produzir 10 mil máquinas/ano. A produção atual é de 3 mil unidades/ano. A nova fábrica substitui duas plantas menores também localizadas em Sorocaba, a primeira aberta em 2001 para produzir retroescavadeiras e a segunda em 2010 para produzir escavadeiras, mas que já estava com a capacidade esgotada. Agora, a prioridade será a implantação de linhas de produção dos manipuladores telescópicos, as pás carregadeiras e os rolos compactadores, seguida pelas retroescavadeiras, escavadeiras, e pás carregadeiras de rodas, e equipamentos de compactação.

"A expansão da JCB no Brasil mostra como as empresas britânicas podem capitalizar as oportunidades de crescimento no Brasil. Este é um grande exemplo de engenharia do Reino Unido, líder mundial em inovação e tecnologia”, disse Cameron que fez questão de conhecer os colaboradores da empresa. A  nova fábrica brasileira representa um dos maiores investimentos já feitos pela  JCB fora do país sede.

Com a nova fábrica, a JCB dá um grande passo em direção à nacionalização de 65% da linha de equipamentos, critério fundamental para aproveitar as linhas de financiamento do BNDES Finame. Allém disso, insere um layout  automatizado e moderno. Com isso, dá um claro recado de que pretende disputar a linha de frente do mercado brasileiro, hoje principal pólo de convergência dos fabricantes internacionais do setor de equipamentos de construção.

O presidente da JCB Anthony Bamford esteve no Brasil pela quarta vez para a inauguração: "A América do Sul representa uma enorme oportunidade de crescimento para JCB e nosso investimento em uma nova fábrica é crucial para consolidar nosso crescimento nesse importante mercado”.  Para David Bell, Chief Corporate Development Officer, e Carlos Hernández, diretor geral da JCB para América Latina, que escolheram juntos o terreno de implantação da unidade,  a construção concretiza o sonho de expansão da empresa no Brasil. “O interesse maior é o mercado brasileiro. Acreditamos que o Brasil pode representar em cinco anos 10%  do volume de negócios global da empresa”.

A fábrica já planeja investir R$ 20 milhões para implantar a área de pintura de escavadeiras, que permitirá ampliar a produtividade. A empresa comemora o fornecimento de mil máquinas destinadas à segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento, conhecido como PAC2. As máquinas estão sendo utilizadas para fortalecer a agricultura familiar de cerca de mil municípios de diversos Estados brasileiros. E está de olho na licitação goveramental para o fornecimento de cerca de 3.500 máquinas, em andamento.