ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
OBRAS
Voltar

Estação de metrô construída em aço começa a funcionar integralmente em São Paulo

Estação Vila Sônia da Linha 4-Amarela chama a atenção pela beleza arquitetônica; trajeto completo liga região central à zona oeste da capital

Assessoria de Imprensa

11/05/2022 15h38 | Atualizada em 12/05/2022 13h34


Entregue em dezembro de 2021, a Estação Vila Sônia do Metrô de São Paulo tem possibilitado o funcionamento de um novo trecho de 1,5 km da Linha 4-Amarela, o que garante aos 84 mil usuários mais conforto e rapidez no deslocamento diário.

A edificação vai além da estação de metrô subterrânea e possui ainda um terminal de ônibus urbanos intermunicipais e municipais.

O projeto arquitetônico da estação chama a atenção de quem passa pelo local: o aço utilizado na construção garantiu enorme liberdade na arquitetura do projeto, resultando em uma obra arrojada e de expressões arquitetônicas marcantes.

O aço também contribuiu para uma obra com melhor aproveitamento do espaço interno e aumento da área útil devido à capacidade do material construtivo vencer grandes vãos e ter como prioridade a flexibilidade para tornar mais fáceis a passagem de utilidades como água, ar-condicionado, eletricidade, esgoto, telefonia, entre outros.

Ao todo, são 22 mil m² de área construída, com uma cobertura met&aacu...


Entregue em dezembro de 2021, a Estação Vila Sônia do Metrô de São Paulo tem possibilitado o funcionamento de um novo trecho de 1,5 km da Linha 4-Amarela, o que garante aos 84 mil usuários mais conforto e rapidez no deslocamento diário.

A edificação vai além da estação de metrô subterrânea e possui ainda um terminal de ônibus urbanos intermunicipais e municipais.

O projeto arquitetônico da estação chama a atenção de quem passa pelo local: o aço utilizado na construção garantiu enorme liberdade na arquitetura do projeto, resultando em uma obra arrojada e de expressões arquitetônicas marcantes.

O aço também contribuiu para uma obra com melhor aproveitamento do espaço interno e aumento da área útil devido à capacidade do material construtivo vencer grandes vãos e ter como prioridade a flexibilidade para tornar mais fáceis a passagem de utilidades como água, ar-condicionado, eletricidade, esgoto, telefonia, entre outros.

Ao todo, são 22 mil m² de área construída, com uma cobertura metálica de 16 módulos, composta por 980 m² de vidro, 10 mil m² de telhas e extensão total de 212 metros, pesando 482 toneladas. A área destinada exclusivamente à parada dos ônibus e acomodação dos passageiros ocupa 11 mil m² do total de área construída.
.
Para o Centro Brasileiro de Construção em Aço (CBCA), o uso do aço na construção da estação é colocado em destaque especialmente em sua cúpula, uma parte do projeto que só pode ser idealizada graças às estruturas metálicas presentes.

“Nesse caso, as estruturas de aço, juntas do concreto, foram capazes de garantir resistência à compressão da obra, além de fornecer maior durabilidade à sustentação de pedra da construção. O resultado final permitiu não apenas um edifício com visual flexível e arrojado, mas que também apresenta maior proteção contra a corrosão do aço.”

Com funcionamento parcial desde a entrega, a estação recebeu autorização da Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM) do Governo do Estado para funcionar plenamente a partir do dia 10 de maio, fazendo com que a Linha 4-Amarela possa realizar o seu trajeto integral – da Estação da Luz à Vila Sônia – ao longo dos dias úteis, finais de semana e feriados.

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade