ABRIR
FECHAR
12 de agosto de 2021
Voltar

Custo para construção de dutos terrestres pode crescer em 6% até o final de 2022

Segundo relatório, o fim de descontos em impostos para dutos em grandes centros de exportação, como a China, é um fator que poderia resultar em custos de material mais altos, tornando as exportações chinesas mais caras
Fonte: Petronotícias

Os investimentos em mão de obra, matérias-primas e transporte podem elevar entre 4% e 6% o custo total de projetos de dutos terrestres em todo o mundo até o final de 2022 em relação aos níveis atuais.

Falando especificamente sobre materiais, categoria que responde por até 40% do Capex total de um oleoduto, os custos devem subir entre 2% e 3% até o próximo ano. Em países como os Estados Unidos, o aumento pode representar até US$ 1 milhão adicional por quilômetro. Os dados fazem parte de uma nova análise da empresa de pesquisa energética norueguesa Rystad Energy.

O relatório lembra ainda que o fim de descontos em impostos para dutos em grandes centros de exportação, como a China, é um fator que poderia resultar em custos de material mais altos, tornando as exportações chinesas mais caras.

A Rystad cita ainda que os preços de outros componentes – como válvulas e flanges – também dispararam. O índice de preços para flanges e válvulas para dutos nos EUA, por exemplo, subiu mais de 30% desde o início de 2020.

Segundo a empresa de pesquisa, o aumento previsto nos custos de material não será impulsionado por um crescimento nos preços gerais do aço – já que eles deverão cair no próximo...


Os investimentos em mão de obra, matérias-primas e transporte podem elevar entre 4% e 6% o custo total de projetos de dutos terrestres em todo o mundo até o final de 2022 em relação aos níveis atuais.

Falando especificamente sobre materiais, categoria que responde por até 40% do Capex total de um oleoduto, os custos devem subir entre 2% e 3% até o próximo ano. Em países como os Estados Unidos, o aumento pode representar até US$ 1 milhão adicional por quilômetro. Os dados fazem parte de uma nova análise da empresa de pesquisa energética norueguesa Rystad Energy.

O relatório lembra ainda que o fim de descontos em impostos para dutos em grandes centros de exportação, como a China, é um fator que poderia resultar em custos de material mais altos, tornando as exportações chinesas mais caras.

A Rystad cita ainda que os preços de outros componentes – como válvulas e flanges – também dispararam. O índice de preços para flanges e válvulas para dutos nos EUA, por exemplo, subiu mais de 30% desde o início de 2020.

Segundo a empresa de pesquisa, o aumento previsto nos custos de material não será impulsionado por um crescimento nos preços gerais do aço – já que eles deverão cair no próximo ano – mas sim pelos atuais obstáculos regulatórios e uma lentidão na atividade de desenvolvimento de dutos.

Além disso, a demanda mais forte do que o esperado de outras indústrias, combinada com o ritmo lento da atividade de aprovação de projetos de dutos, poderia empurrar os operadores de dutos para o fim da fila para garantir grandes pedidos, obrigando-os a pagar um prêmio para adquirir as quantidades necessárias de materiais.

“Os altos preços do aço e os salários em rápido crescimento para as principais transações de dutos podem surgir como desafios significativos para as operadoras que buscam reduzir os custos. Ao incluir também custos de transporte mais altos – liderados por uma forte recuperação nos preços do petróleo – o preço total dos projetos de dutos é definido para testar os operadores”, disse Sumit Yadav, analista da equipe de serviços de energia da Rystad Energy.

Os custos de construção e instalação são os maiores componentes dentro de um projeto de duto, representando quase metade do investimento total. Em comparação com outros elementos de custo, que podem passar por períodos de declínio, os custos de construção e instalação têm sido altamente resilientes, impulsionados em grande parte pelo aumento dos salários.

Nos Estados Unidos, os salários se mantiveram para os principais negócios de construção de oleodutos – como soldadores, operadores de equipamentos de construção, eletricistas, encanadores, gerentes de construção e motoristas –, apesar de uma desaceleração induzida pela Covid-19. O relatório da Rystad prevê, inclusive, que os salários devem aumentar em mais de 5% até o final de 2023 em comparação com os níveis atuais.

“Com base em nosso Painel de Tendências do Mercado de Trabalho, esperamos que os salários para os principais negócios de pipeline cresçam em média cerca de 8% nas principais regiões de pipeline até o final de 2022 em relação aos níveis atuais. Isso significa um aumento esperado de 2% a 3% nos custos de construção e instalação durante este período”, apontou a análise da Rystad.

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade