ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
ARTIGO
Voltar

A Guerra na Ucrânia e a ordem do caos

A tristeza da guerra e seus impactos elevam preços e afetam o mercado imobiliário ao redor do mundo

Assessoria de Imprensa

13/05/2022 09h04 | Atualizada em 13/05/2022 12h10


Por Rogério Santos*

Guerras são tristes, principalmente, pela morte de pessoas inocentes, mesmo a gente sabendo que construção, manutenção e destruição são forças que fazem parte da caminhada individual, dos povos e das nações.

Mas, trazendo para o dia a dia imediato, um conflito mundial como a invasão da Rússia à Ucrânia também tem impactos na economia e no abastecimento de algumas commodities em todo o mundo, incluindo, é claro, o Brasil.

A Ucrânia é uma grande exportadora de trigo e de matérias-primas minerais. O país produz petróleo e gás natural e tem relevância também na produção de lítio e cobalto, importantes para a produção de componentes e baterias.

Desde o início da invasão ao território ucraniano, a Rússia tem sofrido sanções econômicas de países ocidentais. Isso afeta as cadeias de distribuição e resulta em encarecimento das commodities.

O setor imobiliário é um dos que mais sofre as consequências dessa press...


Por Rogério Santos*

Guerras são tristes, principalmente, pela morte de pessoas inocentes, mesmo a gente sabendo que construção, manutenção e destruição são forças que fazem parte da caminhada individual, dos povos e das nações.

Mas, trazendo para o dia a dia imediato, um conflito mundial como a invasão da Rússia à Ucrânia também tem impactos na economia e no abastecimento de algumas commodities em todo o mundo, incluindo, é claro, o Brasil.

A Ucrânia é uma grande exportadora de trigo e de matérias-primas minerais. O país produz petróleo e gás natural e tem relevância também na produção de lítio e cobalto, importantes para a produção de componentes e baterias.

Desde o início da invasão ao território ucraniano, a Rússia tem sofrido sanções econômicas de países ocidentais. Isso afeta as cadeias de distribuição e resulta em encarecimento das commodities.

O setor imobiliário é um dos que mais sofre as consequências dessa pressão de preços. Havia expectativa que os preços dos materiais de construção se estabilizariam neste semestre, após um ano e meio de fortes altas.

Mas o que temos visto é que, com a guerra no leste europeu e com as novas medidas de "lockdown" na China, os custos continuam pressionados, forçando as incorporadoras e construtoras a aumentar os valores das unidades para repassar parte das elevações.

Só que, com o poder de compra do brasileiro menor, a velocidade de venda de imóveis é afetada diante de preços mais altos e das incertezas econômicas e políticas.

A combinação de valores maiores e juros em alta abre espaço para o mercado de locação, em que o cliente não precisa assumir uma dívida de longo prazo num momento em que está mais difícil enquadrar sua renda ao financiamento imobiliário.

Alugar um imóvel agora e financiar a compra da casa própria quando o cenário estiver melhor, pode ser um caminho mais indicado para muita gente.

Nesse contexto, a UBlink avalia que, em 2022, a tendência é que a procura pelo aluguel seja maior do que a demanda por aquisição de propriedades.

*Rogério Santos é um dos fundadores da startup UBlink.

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade