ABRIR
FECHAR
23 de setembro de 2021
Voltar
Especial Mercado Imobiliário

De polo aeroespacial a cidade inteligente

Prestes a integrar um projeto piloto de certificação, São José dos Campos pode se tornar a primeira smart city brasileira e servir de referência para outros municípios
Por Redação

Polo aeroespacial brasileiro, a cidade de São José dos Campos (SP) caminha para atingir um estágio inédito em planejamento urbano no país, ainda não percorrido por outras localidades brasileiras.

Por meio de uma parceria entre o Parque Tecnológico de São José dos Campos e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o município paulista passa a integrar um projeto piloto de certificação para se tornar uma “smart city”, com metodologia a ser testada e ajustada nos próximos meses.

A ação dá início à certificação nacional de cidades inteligentes, consolidando ainda a aplicação de normas ISO ao urbanismo. Como organismo acreditado pelo sistema brasileiro de avaliação da conformidade, a ABNT possui credibilidade para realizar certificações em todo o território nacional, atendendo a diversos segmentos da indústria, comércio e serviços. O processo é conduzido por uma entidade de terceira parte, totalmente independente do setor público ou privado.

Para embasar a metodologia da certificação, a Smart Frees – consultoria especializada em cidades inteligentes – realizou um diagnóstico prévio de São José dos Campos (SJC), considerando os projetos e soluções aplicadas no município. Na avaliação, a cidade obteve conformidade preliminar elevada em relação aos requisitos constantes nas normas ISO relacionadas. “Para classificar um município como Smart City, a maior parte dos órgãos se baseia em teses e parâmetros estabelecidos na literatura e por especialistas”, explica Marcelo Nunes, diretor de desenvolvimento de negócios do Parque Tecnológico de São José dos Campos.

O problema é que essas referências deixam de absorver peculiaridades individuais dos municípios, o que se reflete em inconsistências nos indicadores. “Por isso, o Parque Tecnológico pesquisou referências internacionais – NBR ISO 37.120, NBR ISO 37.122 e NBR ISO 37.123 – para obter certificaç&ati


Polo aeroespacial brasileiro, a cidade de São José dos Campos (SP) caminha para atingir um estágio inédito em planejamento urbano no país, ainda não percorrido por outras localidades brasileiras.

Por meio de uma parceria entre o Parque Tecnológico de São José dos Campos e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o município paulista passa a integrar um projeto piloto de certificação para se tornar uma “smart city”, com metodologia a ser testada e ajustada nos próximos meses.

A ação dá início à certificação nacional de cidades inteligentes, consolidando ainda a aplicação de normas ISO ao urbanismo. Como organismo acreditado pelo sistema brasileiro de avaliação da conformidade, a ABNT possui credibilidade para realizar certificações em todo o território nacional, atendendo a diversos segmentos da indústria, comércio e serviços. O processo é conduzido por uma entidade de terceira parte, totalmente independente do setor público ou privado.

Para embasar a metodologia da certificação, a Smart Frees – consultoria especializada em cidades inteligentes – realizou um diagnóstico prévio de São José dos Campos (SJC), considerando os projetos e soluções aplicadas no município. Na avaliação, a cidade obteve conformidade preliminar elevada em relação aos requisitos constantes nas normas ISO relacionadas. “Para classificar um município como Smart City, a maior parte dos órgãos se baseia em teses e parâmetros estabelecidos na literatura e por especialistas”, explica Marcelo Nunes, diretor de desenvolvimento de negócios do Parque Tecnológico de São José dos Campos.

O problema é que essas referências deixam de absorver peculiaridades individuais dos municípios, o que se reflete em inconsistências nos indicadores. “Por isso, o Parque Tecnológico pesquisou referências internacionais – NBR ISO 37.120, NBR ISO 37.122 e NBR ISO 37.123 – para obter certificação Smart City para a cidade”, detalha.

Por meio de parceria com a ABNT, o município paulista passa a integrar um projeto de certificação de cidades inteligentes

Essas normas, acrescenta Nunes, permitem entender a ‘fotografia’ de SJC frente aos indicadores internacionais, a partir de parâmetros reconhecidos. Para tanto, foi feito um levantamento preliminar que, além dos dados referenciais públicos, considerou os projetos relativos a mobilidade, educação e saúde, além de indicadores de desenvolvimento sustentável.

CERTIFICAÇÃO

Partindo do conceito de cidades e comunidades sustentáveis, com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas), as três normas ISO tratam de temas bastante específicos. Com efeito, são avaliados indicadores para serviços urbanos, qualidade de vida, sustentabilidade e resiliência, todos com ações e desenvolvimento perenes.

Como se sabe, uma cidade inteligente bem-cotada em qualidade de vida atrai mentes brilhantes e capital humano, tornando-se ainda interessante para o estabelecimento de empresas. Com o processo de certificação, gestores públicos passam a ter acesso a dados padronizados e auditados por organismo independente, que podem ser usados para orientar decisões de gestão e planejamento. “O processo de certificação também pode ajudar as cidades a atrair investimentos e impulsionar o desenvolvimento econômico com dados comparativos globais, medir o desenvolvimento urbano sustentável, informar os investimentos em infraestrutura com resultados mensuráveis, medir a gestão de desempenho de serviços urbanos e qualidade de vida ao longo do tempo, facilitando a troca de informações e desenvolvimento de projetos”, destaca o prefeito de SJC, Felício Ramuth.

Normas avaliam indicadores perenes para serviços urbanos, qualidade de vida, sustentabilidade e resiliência das cidades

Ele observa ainda que a cidade investe em tecnologia para melhorar a vida das pessoas, garantindo seu desenvolvimento econômico e social, promovendo a inclusão, aproximação e conectividade dos moradores. “O conceito de Cidade Inteligente está presente em todas as áreas da gestão pública, como saúde, educação, mobilidade urbana e segurança pública”, enumera.

Entre as iniciativas citadas por Ramuth estão o Centro de Segurança e Inteligência, (com a instalação de mil novas câmeras com reconhecimento facial), Linha Verde (corredor sustentável de transporte público), monitoramento por satélite (abrangendo todo o território municipal) e Guarda Municipal equipada com carros elétricos (com 100% da frota), além de instalação de lâmpadas de LED em toda a cidade, incluindo a zona rural. “No Projeto Observa, a cada 72 horas é possível detectar imagens por fotografia via satélite, para acompanhamento de possíveis depredações ambientais e supressão vegetal, por exemplo”, ele prossegue. “Em um total de 16.880 alertas, 38% estão inseridos em loteamentos aprovados, 25% em núcleos informais e 37% correspondem à área que classificamos como descoberta, indicativo de formação de novos núcleos informais”, detalha o prefeito.

Educação ambiental também integra os critérios de urbanismo e sustentabilidade, com atenção especial às áreas verdes

NOVO CONCEITO

Com a futura certificação de Cidade Inteligente, projetos de grandes obras de saneamento, pavimentação e construção civil, por exemplo, passam a trabalhar com um novo conceito de sustentabilidade.

Entre as ações estão o incentivo ao uso de energia renovável e reúso da água, garantindo que sejam feitas ações antes, durante e após as obras, no sentido de reduzir os impactos ambientais, potencializar a viabilidade econômica e proporcionar boa qualidade de vida para as gerações atuais e futuras.

Ademais, a sustentabilidade é uma demanda recorrente e crescente também por parte dos clientes finais, encaixando-se no perfil de Cidades Inteligentes. Um dos destaques nesse quesito é que, pelo segundo ano consecutivo, SJC foi anunciada como uma das três cidades brasileiras mais arborizadas do país, segundo o programa Cidades Árvores do Mundo. O município brasileiro foi cotejado com outras 119 localidades de 69 países.

Transporte público municipal ganha novo conceito, com a implementação de linhas responsivas à demanda

Nesse sentido, vários programas – desde plantio, podas e supressões criteriosas de árvores e, ainda, um dinâmico movimento de educação ambiental – tornaram a cidade referência nessa área. “A secretaria municipal de urbanismo e sustentabilidade fez o cadastramento do patrimônio arbóreo público existente em calçadas, canteiros, praças e áreas verdes”, conta Ramuth. “Assim foram identificadas cerca de 80 mil árvores urbanas, que receberam placas de identificação com numeração específica e sistema de QRCode, que pode ser lido por dispositivos móveis”, ressalta.

Em sites de busca da internet, essas informações podem ser acessadas inserindo-se o endereço eletrônico grafado em cada placa, com numeração específica para cada árvore. Ao todo, já foram implantadas 11.400 placas de identificação, com 600 laudos/mês, 23 pomares urbanos educativos e 1.811 árvores com laudos de tomógrafo.

MOBILIDADE

Além disso, SJC desenvolve ações em outros setores, que vão ao encontro dos pré-requisitos indispensáveis para uma cidade inteligente. No transporte público, por exemplo, a meta tem sido buscar o maior engajamento possível da população no uso de ferramentas digitais disponíveis, como o aplicativo que permite a consulta por celular de todas as linhas que circulam pela cidade, incluindo trajetos e horários.

Além disso, o novo edital do transporte público municipal traz um novo conceito de operação, com a implementação de linhas responsivas à demanda e flexibilização parcial dos itinerários e das partidas. Inédito no país, esse modelo de transporte sob demanda surge para competir e desestimular o transporte individual.

Na prática, os usuários poderão usar o aplicativo para solicitar uma viagem com tarifa fixa integrada ou variável, assim como acontece atualmente com as empresas de transporte individual. A cidade também incentiva o uso de carro elétrico e, com a inauguração da Linha Verde no final deste ano, terá parte de sua frota para transporte coletivo eletrificada, por meio de modernos VLPs (Veículos Leves sobre Pneus). O transporte coletivo do munícipio também deve ganhar sistema de bilhete único e de gestão financeira.

Na comunicação, a cidade já conta com um programa de Wi-Fi público gratuito em vários pontos, aumentando a conexão entre os serviços oferecidos à população. Ao todo, serão implantados 295 pontos, incluindo todas as 165 escolas municipais.

Projetos incluem a privatização do aeroporto municipal, que recebe 2,7 milhões de passageiros por ano

Em relação à área de urbanismo e verticalização, o Plano Diretor da cidade já estabelece regras para o desenvolvimento sustentável do município. Contudo, com a certificação de Cidade Inteligente, será dada maior importância a construções eficientes, incentivo de energias renováveis, armazenamento e reúso da água, bem como investimento em sensoriamento remoto em áreas como segurança e energia.

PARCERIAS

No início de julho, a prefeitura de SJC lançou um programa de parceria com a iniciativa privada, composto por uma robusta carteira de dez projetos, alguns já em andamento, com lastro financeiro e garantias do município.

A previsão é que as parcerias do PPI (Programa de Parceria de Investimentos) resultem em investimentos de mais de R$ 500 milhões. “A cidade se preparou para um crescimento econômico expressivo no pós-pandemia”, garante o prefeito Ramuth. “O PPI será fundamental para essa retomada de novos negócios e geração de empregos na cidade.”

Um dos principais atrativos do projeto é a concessão do Aeroporto Internacional Urbano Stumpf. O convênio entre a Prefeitura e o Ministério da Infraestrutura, que permitiu a municipalização, foi publicado no dia 2 de dezembro de 2020. Um mês depois, foi lançado o edital de estudos para concessão do aeroporto à iniciativa privada, com previsão de conclusão do processo até o final deste ano.

Com capacidade para receber até 2,7 milhões de passageiros por ano, o aeroporto recebeu investimentos de R$ 16 milhões para modernização em 2014. Com enorme potencial para movimentação de cargas, ao menos 12 empresas do setor de comércio eletrônico manifestaram interesse na utilização do terminal.

Também integra o PPI a implantação do já citado novo sistema de transporte público, com propulsão 100% elétrica e utilização de VLPs. As obras da chamada Linha Verde também já estão em andamento, com previsão de inauguração do primeiro eixo também até o final deste ano.

O corredor sustentável vai ligar as regiões mais populosas de SJC, com calçada e ciclovia por toda a extensão. Para fornecer energia limpa à Linha Verde, foi prevista a implantação de uma usina fotovoltaica, que também irá abastecer os prédios públicos municipais. No projeto, está incluída ainda a construção de estacionamentos subterrâneos e de um novo centro de convenções, também em parceria com a iniciativa privada.

Governo de SP lança Programa Cidades Inteligentes

Coordenado pela Pasta de Desenvolvimento Regional, o programa Cidades Inteligentes prioriza a governança em função de metas e planos, o trabalho em conjunto entre Estado e municípios, a desburocratização de processos e o estímulo à solução de problemas por meio da tecnologia.

Segundo o governo, os investimentos chegam a R$ 15 milhões na primeira etapa, atendendo a 11 municípios na implantação de iluminação pública de ponta e internet gratuita, além de ferramentas para ampliar os serviços de qualidade oferecidos aos cidadãos de mais de 100 cidades do estado

Programa estimula a solução de problemas por meio da tecnologia

Curitiba é a única cidade latino-americana no ranking Intelligent Community Forum

Pela terceira vez consecutiva, a capital paranaense foi eleita uma das 21 cidades mais inteligentes do mundo pelo Intelligent Community Forum (ICF), ranking que leva em consideração fatores como governança para prosperidade econômica, saúde social e riqueza cultural.

A cidade do Sul do país é a única da América Latina na listagem, aparecendo ao lado de Belfast (Irlanda do Norte), Filadélfia (EUA) e Moscou (Rússia), dentre outras. “Nos últimos anos, Curitiba resgatou a disposição para evoluir”, diz Paulo Hansted, CEO da startup MCities.

De acordo com o especialista, as cidades consideradas inteligentes se destacam principalmente na aplicação de novas tecnologias na infraestrutura, com melhoria da qualidade de vida de seus cidadãos. “Uma cidade inteligente reflete soluções que a tornam mais humana, solidária e democrática”, afirma.

Curitiba mais uma vez se destaca em ranking internacional

Ceará ganha a primeira cidade inteligente social do mundo

O empreendimento do grupo italiano Planet em São Gonçalo do Amarante (CE) se afirma como pioneiro ao oferecer lotes para todas as faixas de renda. Para além desse diferencial, o projeto tem projeto embasado em princípios tecnológicos, de sustentabilidade e de mobilidade urbana.

“O projeto tem como objetivo ajudar a suprir o déficit habitacional de uma região com grande potencial de desenvolvimento, onde está inserido o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) e, ao mesmo tempo, apresentar ao mundo um inédito modelo referencial para novas cidades”, diz comunicado.

Soluções inteligentes em planejamento urbano, arquitetura, infraestrutura, serviços, tecnologias de informação e projetos sociais foram integradas no projeto, incluindo desde rede elétrica subterrânea, hub de inovação e de esportes, vias inteligentes, mix funcional, bacia de retenção de água da chuva e pavimentação drenante até ilha de recarga de veículos elétricos, startups comunitárias e infraestrutura digital (como pontos de Wi-Fi, iluminação pública inteligente, sistema de videomonitoramento integrado em tempo real e outras).

Projeto em São Gonçalo do Amarante agrega princípios tecnológicos, de sustentabilidade e mobilidade urbana

Mais matérias sobre esse tema

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade