FECHAR
FECHAR
01 de abril de 2020
Voltar

MEIO AMBIENTE

Uma notícia positiva para o meio ambiente

Menos um milhão de toneladas de CO2 na atmosfera
Fonte: Assessoria de Imprensa

Uma notícia positiva para o meio ambiente. A pandemia do coronavírus resultou na obrigatoriedade ou recomendação de quarentena e isolamento em diversos países do planeta. Com isso, estão sendo emitidos menos um milhão de toneladas de CO2 na atmosfera por dia. De acordo com a Agência Lusa, as quedas na procura do petróleo e na utilização de carvão e a suspensão de milhares de voos contribuíram para essa diminuição. A Agência elaborou um estudo a partir de relatórios internacionais.

Além disso, especialistas da área ambiental avaliam que a pandemia, embora trágica para a humanidade, pode levar melhorias ao meio ambiente, com redução da poluição e até do aquecimento global.

Nesse sentido, imagens de sat&...


Uma notícia positiva para o meio ambiente. A pandemia do coronavírus resultou na obrigatoriedade ou recomendação de quarentena e isolamento em diversos países do planeta. Com isso, estão sendo emitidos menos um milhão de toneladas de CO2 na atmosfera por dia. De acordo com a Agência Lusa, as quedas na procura do petróleo e na utilização de carvão e a suspensão de milhares de voos contribuíram para essa diminuição. A Agência elaborou um estudo a partir de relatórios internacionais.

Além disso, especialistas da área ambiental avaliam que a pandemia, embora trágica para a humanidade, pode levar melhorias ao meio ambiente, com redução da poluição e até do aquecimento global.

Nesse sentido, imagens de satélite divulgadas pela NASA mostram uma redução drástica nas emissões de dióxido de nitrogênio (NO2) nas principais cidades chinesas entre os meses de janeiro e fevereiro. A China foi o primeiro país a diagnosticar a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

O NO₂ é liberado, principalmente, por veículos, fábricas e instalações industrias. No primeiro mês do ano ainda era possível ver a nuvem de gás tóxico na China. Contudo, em fevereiro, ela despareceu. Conforme comunicado da NASA, a queda foi inicialmente mais visível na cidade de Wuhan, onde o surto começou. “É a primeira vez que vejo uma queda tão dramática em uma área tão ampla para um evento específico”, disse Fei Liu, pesquisador de qualidade do ar da NASA.

De acordo com o Ministério de Ecologia e Meio Ambiente da China, na província de Hubei, onde está localizada Wuhan, o número médio de dias de boa qualidade no ar aumentou para 21,5% em fevereiro em comparação ao mesmo mês do ano passado. A informação foi divulgada pela NiT, agência portuguesa de notícias.

Itália
No caso da Itália, um vídeo produzido pela Agência Espacial Europeia (ESA) aponta para a mesma direção. O satélite Copernicus Sentinel-5P registou uma queda acentuada nas emissões de NO₂ sobre a Itália durante os primeiros dois meses e meio de 2020. No vídeo, é possível ver a redução do dióxido de nitrogênio sobretudo na região norte, a mais afetada.

“Embora possa haver pequenas variações nos dados devido à cobertura de nuvens e mudanças climáticas, estamos muito confiantes de que a redução de emissões coincida com o isolamento na Itália, que resultou em menor atividade industrial e de tráfego” explicou Claus Zehner, gerente da ESA em comunicado. No mesmo vídeo, é possível ver também uma evolução semelhante em países próximos à Itália, como Espanha e Portugal.

Os especialistas têm ressaltado que ainda não é possível avaliar o verdadeiro impacto na saúde com a redução das emissões. Entretanto, com o conhecimento sobre os perigos da poluição generalizada do ar, é provável que haja um benefício direto à humanidade. Isso significa redução de mortes causadas por doenças decorrentes dessa poluição.

François Gemenne, diretor do The Hugo Observatory, em entrevista à revista Forbes avaliou que quarentena imposta pelo novo coronavírus, pode reduzir a poluição letal. Isso significa diminuir a emissão de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global.