FECHAR
FECHAR
28 de maio de 2020
Voltar

TRANSPORTE

Scania entrega primeiros caminhões a gás no Brasil

Quatro unidades do modelo R 410 6x2 movido a gás natural veicular (GNV) e/ou biometano foram entregues às transportadoras RN Express e Jomed
Fonte: Redação

Com a proposta de liderar a transição do transporte pesado em direção aos combustíveis alternativos, a Scania entregou hoje (dia 28 de maio) os primeiros caminhões movidos a gás da marca no Brasil.

Realizada na concessionária Codema, em Guarulhos (SP), a entrega incluiu quatro unidades a gás do modelo R 410 6x2, sendo duas para a RN Express e duas para a Jomed Logística. Movidos a gás natural veicular (GNV) e/ou biometano, os veículos serão utilizados pelas empresas no transporte de produtos da L’Oréal, na rota São Paulo-Rio de Janeiro.

“Nossa missão é buscar entender a necessidade de nossos clientes e dos clientes dos nossos clientes, que atualmente é tornar a operação logística mais sustentável”, ressalta Eronildo Santos, diretor das ‘casas cativas’ da Scania, que incluem as concessionárias Codema (SP e MG), Cavese (SC) e Suvesa (RS).

Na Fenatran do ano passado, a RN Express tornou-se a primeira transportadora do país a adquirir o caminhão movido a gás da Scania. De acordo com o diretor comercial Rodrigo Navarro, a transportadora deve adquirir de 5 a 10 unidades suplementares ainda neste ano. “Estávamos buscando opções no mercado e o projeto da Scania veio na hora certa para que pudéssemos avan&ccedi...


Com a proposta de liderar a transição do transporte pesado em direção aos combustíveis alternativos, a Scania entregou hoje (dia 28 de maio) os primeiros caminhões movidos a gás da marca no Brasil.

Realizada na concessionária Codema, em Guarulhos (SP), a entrega incluiu quatro unidades a gás do modelo R 410 6x2, sendo duas para a RN Express e duas para a Jomed Logística. Movidos a gás natural veicular (GNV) e/ou biometano, os veículos serão utilizados pelas empresas no transporte de produtos da L’Oréal, na rota São Paulo-Rio de Janeiro.

“Nossa missão é buscar entender a necessidade de nossos clientes e dos clientes dos nossos clientes, que atualmente é tornar a operação logística mais sustentável”, ressalta Eronildo Santos, diretor das ‘casas cativas’ da Scania, que incluem as concessionárias Codema (SP e MG), Cavese (SC) e Suvesa (RS).

Na Fenatran do ano passado, a RN Express tornou-se a primeira transportadora do país a adquirir o caminhão movido a gás da Scania. De acordo com o diretor comercial Rodrigo Navarro, a transportadora deve adquirir de 5 a 10 unidades suplementares ainda neste ano. “Estávamos buscando opções no mercado e o projeto da Scania veio na hora certa para que pudéssemos avançar em nosso planejamento”, diz ele.

Por sua vez, o gerente de transportes da Jomed, Renan Loureiro, destaca que a descarbonização do transporte é um compromisso da empresa. “Já utilizamos veículos elétricos em algumas operações, mas ainda faltava uma opção viável para o transporte pesado de carga no mercado brasileiro”, afirma.

Tecnologia – Vocacionados para médias e longas distâncias, os caminhões a gás são equipados com motores de Ciclo Otto e podem utilizar gás natural (gasoso ou liquefeito), biometano ou uma mistura de ambos.

Segundo a Scania, o desempenho e a força são similares aos veículos a diesel. “Hoje, o gás é o combustível que reúne as melhores condições econômicas e técnicas para ser uma alternativa viável ao diesel no mercado brasileiro”, diz o diretor comercial da Scania no Brasil, Silvio Munhoz.

“No mundo, já são mais de 4 mil unidades em circulação e o mercado brasileiro também já está maduro para essa solução, tanto que já temos 23 unidades vendidas no país.”

No que tange ao atendimento, a montadora garante que a chegada dos veículos pesados a gás não impacta a estrutura das concessionárias, até pela acentuada intercambialidade existente com os veículos a diesel. Os principais diferenciais incluem boxes e ferramentas especiais, além de estoque de peças e entrega técnica customizada, medidas que serão implementados ao longo dos próximos meses.

“O maior desafio neste projeto foi reunir os integrantes da cadeia para que o sistema possa funcionar, o que inclui a mobilização de nossos fornecedores, mas também de produtores e distribuidores de gás, que são fundamentais para garantir a rede de apoio aos veículos”, comenta Munhoz, explicando que o abastecimento dos oitos tanques do caminhão a gás requer o uso de um compressor específico, de maior porte.