FECHAR
FECHAR
16 de abril de 2020
Voltar

ARTIGO

Proteção de canteiros durante a interrupção de obras

Especialistas em consultoria de risco da AGCS fornecem uma visão geral de algumas medidas relevantes para prevenção de perdas em canteiros de obras durante o surto do novo Coronavírus
Fonte: Assessoria de Imprensa

Interrupções podem ocorrer em projetos de construção por várias razões, incluindo falência, insolvência do responsável (contratado não pago), decisão de autoridades públicas, doenças infecciosas – como o atual surto de Coronavírus – e desastres naturais.

“No entanto, o potencial de perdas por eventos como incêndios, vandalismo, roubo e inundação permanece mesmo quando os locais estão ociosos ou desocupados, e podem até ser maiores do que num canteiro em funcionamento. Para minimizar as perdas do projeto, é essencial que sejam tomadas ações protetivas”, diz Jay Siegel, Líder Sênior de Equipe, Consultoria em Riscos de Energia e Construção da AGCS.

Os consultores de risco da AGCS destacam uma série de medidas de prevenção de perdas no Boletim AGCS de Prevenção de Risco para Canteiros de Obras que sejam obrigados a fechar, incluindo:

Manter a segurança do local: Antes de deixar o local da construção, verifique se o projeto está o mais seguro possível. Se não for possível deixar segurança permanente, considere instalar um sistema de monitoramento de vídeo para detectar e alertar em caso de invasão, vandalismo, roubo e incênd...


Interrupções podem ocorrer em projetos de construção por várias razões, incluindo falência, insolvência do responsável (contratado não pago), decisão de autoridades públicas, doenças infecciosas – como o atual surto de Coronavírus – e desastres naturais.

“No entanto, o potencial de perdas por eventos como incêndios, vandalismo, roubo e inundação permanece mesmo quando os locais estão ociosos ou desocupados, e podem até ser maiores do que num canteiro em funcionamento. Para minimizar as perdas do projeto, é essencial que sejam tomadas ações protetivas”, diz Jay Siegel, Líder Sênior de Equipe, Consultoria em Riscos de Energia e Construção da AGCS.

Os consultores de risco da AGCS destacam uma série de medidas de prevenção de perdas no Boletim AGCS de Prevenção de Risco para Canteiros de Obras que sejam obrigados a fechar, incluindo:

Manter a segurança do local: Antes de deixar o local da construção, verifique se o projeto está o mais seguro possível. Se não for possível deixar segurança permanente, considere instalar um sistema de monitoramento de vídeo para detectar e alertar em caso de invasão, vandalismo, roubo e incêndio.

Armazenamento seguro de materiais: Considere remover temporariamente os materiais de construção valiosos para uma área segura, se possível. Guarde todas as embalagens e materiais que possam ser afetados pelo clima (ex: ventos fortes). Remova, fixe, isole ou neutralize produtos químicos para impedir sua liberação ou reação.

Certifique-se de que todos os líquidos e gases inflamáveis sejam removidos do local, onde necessário. Para mitigar o risco de perdas com incêndios, considere remover todo papel e outros materiais combustíveis (madeira, serragem, lixo, etc.).

Atenuar as perdas de equipamentos e máquinas: É fundamental que equipamentos e máquinas sejam protegidos em caso de paralisação do trabalho. Considere adiar a entrega do equipamento ao canteiro de obras até que o projeto seja retomado, afirma Siegel.

Para equipamentos já existentes no local, quando apropriado, cubra-os com tampas resistentes ao fogo ou mantas adequadas para proteção adicional.

“Pense nos equipamentos mais críticos primeiro ao definir prioridades para medidas de prevenção de perdas. As medidas de criticidade incluem dano potencial e atraso potencial (lead time de reposição)’, diz.

Faça estruturas completas ou temporárias seguras: Se possível, complete partes do trabalho de forma a reduzir o retrabalho e as perdas quando o projeto for retomado.

Por exemplo, comenta Siegel, complete posicionamentos de concreto para evitar juntas frias; termine lajes de lama como um meio de eliminar a água abaixo das fundações; complete estruturas temporárias de telhado para evitar danos causados pela água; e complete ou fixe estruturas metálicas para evitar instabilidade.

“Antes de deixar o local, considere que um engenheiro estrutural realize uma inspeção visual das obras, avaliando o período potencial de parada.”

Atenuação dos riscos naturais: Uma parada poderia expor o projeto a eventos sazonais que não eram esperados, como neve, ventos fortes, congelamento etc.

Considere as consequências desses eventos nas obras incompletas e uma inspeção completa do local de trabalho para evitar o risco de infiltração de água. Escavações e valas também representam riscos.

Considere o ajuste da inclinação da escavação para evitar queda / colapso devido a fortes chuvas, comenta o especialista, enquanto escavações profundas devem ser protegidas para evitar a infiltração de água, resultando em instabilidade geotécnica.

“Se necessário, considere completar novamente as valas para evitar o risco de colapso com danos a cabos e tubulações existentes’, afirma.

Mitigando o potencial de perda ao reiniciar o projeto: Considere quais testes e inspeções podem ser necessários antes de reiniciar o projeto. Ao retomá-lo, inspecione a condição dos sistemas elétricos, de água e gás antes de ligá-los novamente.

“Faça com que todas as disciplinas de engenharia (estrutural, mecânica, elétrica, geotécnica, etc.) inspecionem seus respectivos trabalhos antes de retomar a construção para confirmar a integridade do projeto”, finaliza.