FECHAR
FECHAR
21 de maio de 2020
Voltar

ARTIGO

Como driblar o impacto da pandemia

Apesar do setor ser considerado um serviço essencial e, por isso, não ter suas atividades paralisadas, alguns fatores importantes explicam tamanha insegurança do empresariado
Fonte: Assessoria de Imprensa

Por Wanderson Leite*

O índice de confiança do empresário da construção civil atingiu o menor índice da série história, segundo a pesquisa ICEI de abril, realizada pela Confederação Nacional da Indústria.

O receio em relação ao futuro do mercado é resultado direto da crise provocada pela Covid-19. Apesar do setor ser considerado um serviço essencial e, por isso, não ter suas atividades paralisadas, alguns fatores importantes explicam tamanha insegurança do empresariado.

Antes de mencionar as razões para essa queda de confiança, é preciso entender a complexidade e a magnitude da construção civil. As lojas de materiais de construção, por exemplo, não foram impedidas de funcionar.

Mas outras fatias do mercado, como marmorarias, lojas de móveis planejados ou vidraçarias não entraram no recorte de serviços essenciais e se veem diante de um cenário imprevisível a médio e longo prazo.

Portanto, é equivocado dizer que o setor não parou. Algumas áreas de atuação sentiram e ainda sentem o impacto financeiro da suspensão das atividades. As que não foram impedidas de continuar, entretanto, notam o fluxo de clientes cair drasticamente, com a recomendação d...


Por Wanderson Leite*

O índice de confiança do empresário da construção civil atingiu o menor índice da série história, segundo a pesquisa ICEI de abril, realizada pela Confederação Nacional da Indústria.

O receio em relação ao futuro do mercado é resultado direto da crise provocada pela Covid-19. Apesar do setor ser considerado um serviço essencial e, por isso, não ter suas atividades paralisadas, alguns fatores importantes explicam tamanha insegurança do empresariado.

Antes de mencionar as razões para essa queda de confiança, é preciso entender a complexidade e a magnitude da construção civil. As lojas de materiais de construção, por exemplo, não foram impedidas de funcionar.

Mas outras fatias do mercado, como marmorarias, lojas de móveis planejados ou vidraçarias não entraram no recorte de serviços essenciais e se veem diante de um cenário imprevisível a médio e longo prazo.

Portanto, é equivocado dizer que o setor não parou. Algumas áreas de atuação sentiram e ainda sentem o impacto financeiro da suspensão das atividades. As que não foram impedidas de continuar, entretanto, notam o fluxo de clientes cair drasticamente, com a recomendação de isolamento.

E aí está o primeiro motivo: a construção civil não estava acostumada a ir atrás do cliente. Ela simplesmente esperava que ele batesse à sua porta.

Em geral, o comércio da construção civil não estava muito presente nos meios digitais, como mídias sociais, aplicativos e e-commerce. E, agora que o cliente está em casa, é preciso encontrar maneiras de chegar até ele, não só com promoções e ofertas, mas com uma experiência de compra semelhante aos padrões que ele exige hoje, como entrega a domicílio e possibilidade de fazer orçamentos online.

O segundo motivo se dá pelo desencontro de informações. As orientações a nível federal, estadual e municipal geram incertezas entre os empresários, que, muitas vezes, se sentem à deriva, sem saber como agir.

Nesse sentido, tem sido muito importante a atuação de entidades do setor. Um exemplo é a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), que, por meio de suas regionais, vem realizando lives e webinars com grandes nomes da construção civil para ajudar a disseminar informações, buscando dar uma luz para as empresas de menor porte, principalmente.

A falta de um planejamento para a retomada também preocupa. Tenho conversado com diversos empresários do setor e todos concordam com a necessidade de isolamento, mas gostariam que as ações fossem menos paliativas e mais estruturadas.
O resultado de tudo isso é um ciclo vicioso: a queda na confiança dos empresários contribui para a paralisação dos investimentos, que resulta no agravamento da crise econômica.

Por outro lado, o momento tem sido propício para o setor se repensar. Idealmente, teríamos feito todas essas mudanças, apostando nos meios digitais e na informatização, sem as demais preocupações que uma pandemia gera, como a manutenção de empregos.

Mas, vejo os esforços de muitos empreendedores, de todos os portes, criando redes sociais, fazendo publicidade online, indo atrás dos clientes onde quer que eles estejam.

Se pudesse resumir as necessidades dos empresários da construção civil neste momento, diria que é preciso diálogo e um planejamento assertivo.

Com esse respaldo, que vai além de um auxílio financeiro, por exemplo, esse setor que emprega milhares de pessoas pelo país não correria tanto risco de encolher. É preciso ser criativo e, principalmente, não ficar parado. Assim, será possível navegar nos mares conturbados dos próximos meses.

*Wanderson Leite é formado em administração de empresas pelo Mackenzie e fundador das empresas ProAtiva, app de treinamentos corporativos digitais, ASAS VR, startup que leva realidade virtual para as empresas e escolas; e Prospecta Obras, plataforma de relacionamento do segmento de construção civil.