FECHAR
06 de março de 2019
Voltar

EMPRESAS / Lafaete investe em inovação e parcerias com startups

“Já estávamos em busca de melhorias para processos específicos da companhia, em conjunto com o setor de TI, e o networking proporcionado em eventos como esse nos ajudaram a suprir essa demanda”, explica Laura.

“Marcamos várias reuniões no mesmo dia, conhecemos aproximadamente 60 startups e suas soluções e, dos desafios que propusemos, tivemos cerca de 20 soluções bem ranqueadas e que estão em análise. Três delas já estão em projeto piloto atualmente”, acrescenta.

Devido ao engajamento e colaboração com o ambiente de inovação que estava se desenvolvendo nesses eventos, a Lafaete conquistou o quarto lugar entre as empresas participantes da Finit 2018. Enquanto estreante, a colocação superou os objetivos.

“Iniciamos esse processo pouco tempo atrás. Acredito que as demais instituições e a organização do evento viram a nossa força de vontade em querer startar novas oportunidades de negócio. Para nossos clientes, esse movimento também é muito positivo, pois soluções inovadoras e tecnológicas proporcionam melhores processos, o que estimula uma empresa a se tornar mais ágil e eficiente, refletindo em uma melhor prestação de serviço e qualidade do nosso produto. Além de almejarmos melhores resultados, também queremos contribuir para o desenvolvimento do mercado e da sociedade como um todo”, declara Laura.

Depois da atuação bem-sucedida no Hub Minas Digital e na Finit 2018, a Lafaete foi convidada pela 100 Open Startups para participar do Case 2018, maior evento de startups da América Latina, realizada em São Paulo.

Para 2019, a Lafaete já prevê a participação em mostras semelhantes como a Oiweek SciBiz.

No intuito de estruturar essas demandas, a empresa instaurou um comitê de inovação, que determinará os próximos passos. “O comitê estruturou, por meio dos gestores de pacotes – grupo composto por pessoas estratégicas da empresa, que visa conter custos e analisar investimentos –, um sistema em busca de melhorias a um bom custo-benefício. Os gestores identificam as necessidades e, com isso em mãos, procuramos novas soluções por meio da conexão com as startups”, relata Laura.