FECHAR
FECHAR
29 de julho de 2013
Voltar
Momento Construction

Schwing leva rapidez e economia para obras da vila dos atletas das olimpíadas de 2016

Soluções apresentadas durante a Construction Expo incluem a instalação no local de centrais misturadoras, autobetoneiras, bombas e autobombas com mastro de distribuição e reciclador para concreto residual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Construction Expo, grande evento que reuniu todas as pontas da cadeia da construção, organizada pela Sobratema, de 5 a 8 de junho, no Centro de Convenções Imigrantes, em São Paulo, foi o espaço escolhido pela Schwing-Stetter Brasil para apresentar ao mercado um case exemplar de solução completa, desenvolvido sob medida para um grande projeto. Trata-se do Projeto Ilha Pura, fruto da parceria entre a construtora Carvalho Hosken e a Odebrecht Realizações Imobiliárias, que prevê a construção de 31 torres residenciais divididas em sete condomínios, somando 3.604 apartamentos, que abrigarão os atletas dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de janeiro em 2016. A construção da Vila dos Atletas promete se tornar referência para o País nesse tipo de construção. Ao final dos jogos, os apartamentos serão entregues aos moradores em 2017 com altíssimo padrão de construção e acabamento.

Para cumprir os prazos rigorosos na entrega da obra e atender a alta demanda de produção de concreto de qualidade em curto prazo, o consórcio deu preferência pelos equipamentos Schwing-Stetter: Central Misturadora para Concreto M2, Autobetoneiras e Bombas para Concreto, as quais já fazem parte de 80% dos canteiros de obra espalhados pelo Brasil. Além desses, o consórcio prepara a instalação de um sistema de reciclagem de concreto, também da marca alemã, que vai reciclar todo o concreto que sobra nas Autobetoneiras. Atualmente, 1.800 funcionários trabalham na obra, que tem previsão de término para o final de 2015. Ano que vem, no pico da construção do bairro, 7.000 funcionários estarão trabalhando no canteiro.

Os responsáveis pela obra são unânimes em afirmar o quanto os equipamentos Schwing-Stetter transformaram o canteiro de obras. De acordo com Ricardo Lessa, presidente da Schwing-Stetter Brasil, só no mês de abril, o volume de concreto chegou aos 18,5 mil m³, o que significa até 80 m³/hora, número considerado excelente para os padrões de bombeamento. A previsão é de que 430 mil m³ de concreto serão produzidos e consumidos, obedecendo a uma rigorosa política de segurança e qualidade. Até o final do mês de maio foram consumidos mais de 100 mil m³ de concreto.

Centrais Misturadoras M2


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Construction Expo, grande evento que reuniu todas as pontas da cadeia da construção, organizada pela Sobratema, de 5 a 8 de junho, no Centro de Convenções Imigrantes, em São Paulo, foi o espaço escolhido pela Schwing-Stetter Brasil para apresentar ao mercado um case exemplar de solução completa, desenvolvido sob medida para um grande projeto. Trata-se do Projeto Ilha Pura, fruto da parceria entre a construtora Carvalho Hosken e a Odebrecht Realizações Imobiliárias, que prevê a construção de 31 torres residenciais divididas em sete condomínios, somando 3.604 apartamentos, que abrigarão os atletas dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de janeiro em 2016. A construção da Vila dos Atletas promete se tornar referência para o País nesse tipo de construção. Ao final dos jogos, os apartamentos serão entregues aos moradores em 2017 com altíssimo padrão de construção e acabamento.

Para cumprir os prazos rigorosos na entrega da obra e atender a alta demanda de produção de concreto de qualidade em curto prazo, o consórcio deu preferência pelos equipamentos Schwing-Stetter: Central Misturadora para Concreto M2, Autobetoneiras e Bombas para Concreto, as quais já fazem parte de 80% dos canteiros de obra espalhados pelo Brasil. Além desses, o consórcio prepara a instalação de um sistema de reciclagem de concreto, também da marca alemã, que vai reciclar todo o concreto que sobra nas Autobetoneiras. Atualmente, 1.800 funcionários trabalham na obra, que tem previsão de término para o final de 2015. Ano que vem, no pico da construção do bairro, 7.000 funcionários estarão trabalhando no canteiro.

Os responsáveis pela obra são unânimes em afirmar o quanto os equipamentos Schwing-Stetter transformaram o canteiro de obras. De acordo com Ricardo Lessa, presidente da Schwing-Stetter Brasil, só no mês de abril, o volume de concreto chegou aos 18,5 mil m³, o que significa até 80 m³/hora, número considerado excelente para os padrões de bombeamento. A previsão é de que 430 mil m³ de concreto serão produzidos e consumidos, obedecendo a uma rigorosa política de segurança e qualidade. Até o final do mês de maio foram consumidos mais de 100 mil m³ de concreto.

Centrais Misturadoras M2

No estande montado pela Schwing-Stetter na Construction Expo ocupava lugar de destaque as centrais misturadoras para concreto M2, solução testada e aprovada com mais de mil unidades trabalhando em todo mundo. Cada unidade é instalada se adaptando à realidade dos canteiros com a missão de produzir o concreto no local da obra.

As duas centrais instaladas no empreendimento Ilha Pura serão responsáveis por aproximadamente 90% do concreto utilizado na obra. A central modelo M2 tem a vantagem de ser transportada de forma rápida e instalada facilmente em qualquer local. Com misturador de duplo eixo horizontal e capacidade para a produção de até 94 m³/hora, a M2 foi um dos grandes diferenciais no canteiro da Ilha Pura.

“Nossas centrais instaladas no canteiro da Ilha Pura produzem em 30 segundos o que uma unidade dosadora produziria em sete minutos, permitindo um rompimento de 95% e representando uma economia de 8% a 10% no sistema”, calcula Alan Campezzi, engenheiro da Schwing. O equipamento foi desenvolvido para obter

a maior eficiência e controle de pesagens das balanças, com ciclos contínuos, sem interrupção nas trocas de betoneiras. Além disso, o software que controla a central foi desenvolvido no Brasil, de acordo com as necessidades do nosso mercado.

Redução de emissão de C02

Sustentabilidade é uma das preocupações no canteiro de obras da Ilha Pura. O reaproveitamento de resíduos e a diminuição da emissão de gases de efeito estufa são algumas das soluções encontradas para não agredir o meio ambiente.

As duas centrais misturadoras da Schwing foram instaladas no local para evitar o deslocamento de caminhões e, com isso, controlar as emissões. Estima-se que seriam necessárias 12.500 viagens de caminhões para transportar todo o concreto produzido até agora na obra. Os 60 mil m³ de concretos produzidos nas centrais evitaram a emissão de 170 tC02e (toneladas de carbono equivalente), o que equivale a queima de 67 mil litros de óleo diesel.

A distância dos fornecedores de insumos é de aproximadamente 7,8 km, sendo que, com as usinas dentro da obra, a distância é reduzida para 500 metros. A estimativa de redução esperada para toda a obra será de aproximadamente 2,83 tCO2e/1.000 m³ de concreto produzido na Ilha Pura.

O reciclador ainda não está em operação, mas o consórcio já prepara os tanques e a infraestrutura onde o sistema será montado. De baixo custo operacional e de manutenção, o reciclador tem sistema de controle com alta tecnologia e pode ser operado de forma manual ou automática.

Com operação silenciosa, o sistema pode medir as partículas sólidas de todo o material reciclado, o que inclui o reaproveitamento da água utilizada e a reciclagem do concreto residual das betoneiras, com recuperação significativa de agregados. Esse concreto vai ser utilizado pra fazer bancos de jardins, que serão doados à sociedade do Rio de Janeiro, além de servirem para a fabricação de um novo concreto. A água reutilizada é melhor que a água potável para fazer concreto, porque ela já tem areia.

Autobetoneiras

No canteiro de obras encontram-se em operação 14 Autobetoneiras da marca Schwing-Stetter. Elas possuem controle de rotação e vários estágios de velocidade. O comando é feito de dentro e fora da cabine, sendo possível reduzir a velocidade para evitar a desagregação do concreto. O sistema hidráulico não interfere na estabilidade do equipamento devido à independência do balão em relação ao motor do caminhão.

A tecnologia desenvolvida pela empresa permite que o operador acompanhe, em tempo real, a consistência do concreto dentro do misturador, antes de descarregá-lo na betoneira. Com o sistema é possível demonstrar as diversas fases da produção e sensoriamento, além da emissão de relatórios de diversos modelos.

Outro destaque de eficiência na obra é o mastro S 43 SX que é formado por cinco seções e 914 graus de articulação total. A bomba do mastro tem circuito hidráulico aberto onde é necessário menos potência, o que representa economia de combustível e menos emissão de gases poluentes.

Hugo Cássio Rocha

Presidente do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT)

“Num momento importante da economia brasileira, em que precisamos retomar as obras de infraestrutura, uma feira como a Construction Expo traz ao setor a oportunidade de interação entre as partes envolvidas nas obras de infraestrutura. Para o CBT, a feira é uma oportunidade de se aproximar ainda mais da indústria e divulgar as soluções subterrâneas, hoje, tão frequentemente utilizadas em todo o mundo. Além disso, a Construction Expo é um ótimo fórum de discussões e troca de experiências sobre diversos assuntos que envolvem a infraestrutura.”

Reinaldo Fraiha Nunes

Presidente do Sindicato das Empresas Locadoras de Equipamentos, Máquinas e Ferramentas de Pernambuco (Sindileq-PE)

“A Construction, com a realização do Salão do Rental, valorizou o crescimento e a importância do segmento no mercado, abrindo um espaço para que possamos mostrar o que as locadoras e os sindicatos têm feito em relação ao cenário nacional.”

Paulo Dequech

Presidente da Associação Brasileira de Tecnologia Não Destrutiva (Abratt)

“Na Construction Expo tivemos acesso aos mais modernos equipamentos e acessórios para construção de infraestrutura, onde a utilização do MND (Método Não Destrutivo) obtém grande destaque como melhor solução técnico-econômica para redes subterrâneas de energia, telecomunicações, gás&óleo, além de serviços de drenagens entre outros.”

Fernando Matos

Gerente executivo do Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA)

“A Constuction Expo 2013 foi uma grande vitrine de inovações e de avançadas tecnologias em materiais, produtos, serviços e sistemas construtivos para a área de edificações e de obras de infraestrutura. O evento  reuniu toda a cadeia produtiva e fomentou o seu desenvolvimento tecnológico. O setor do aço, através do CBCA e do Instituto Aço Brasil, apoiou a feira, participando com um estande no Salão da Construção Seca e com palestras no Construction Congresso. O objetivo era mostrar os benefícios do uso do aço na construção sustentável, destacando o seu potencial de reciclagem e o uso de coprodutos, bem como a rapidez e viabilidade econômica das estruturas de aço, da concepção ao pós-uso.”

Silvio Ciampaglia

Presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo (Sinicesp)

“O Sinicesp e a Sobratema assinaram, em 2012, um termo de parceria e cooperação técnica, que está em plena vigência e, por meio do qual, trocam informações, estudos de mercado e projeções, além do apoio mútuo a editoração de livros técnicos e gerenciais, revistas e informativos, além de oferecerem apoio institucional aos Congressos, Fóruns, Workshops e Feiras, organizados pela Sobratema.”

João Alberto Viol

Presidente do Sindicato da Arquitetura e da Engenharia (Sinaenco)

“A Construction Expo é fundamental para nosso segmento pois, ao apresentar as novidades em soluções e materiais, e ao reunir os diversos agentes envolvidos no processo, entra em convergência com o setor de Arquitetura e Engenharia Consultiva (A&EC), que prioriza a economia de recursos, a melhor utilização de materiais e a qualidade final dos empreendimentos.”

Alcides Braga

Presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir)

“A segunda edição da Construction Expo consolida o evento como o ponto de encontro de todos os setores relacionados a edificações e obras de infraestrutura, como o segmento de implementos rodoviários, representado pela ANFIR. A iniciativa de reunir em quatro dias as maiores e mais destacadas empresas para mostrarem seus produtos e serviços cria a ponte de diálogo entre esses setores industriais, abrindo caminho para o desenvolvimento de negócios.”

Vicente Abate

Presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer)

“A Construction Expo, principalmente com a realização do Construction Congresso, ocorre em um momento positivo pelo qual passa hoje o setor ferroviário no Brasil. São previstos investimentos significativos no setor para os próximos anos. Isso impactará o setor da construção e também a própria indústria ferroviária.”

Cesar Vergílio Oliveira Gonçalves

Presidente da Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer)

“Eventos como a Construction Expo, que reúnem em um mesmo ambiente os vários setores da construção civil, são extremamente importantes e necessários, principalmente neste momento em que assumimos um papel fundamental no crescimento do país. Trata-se de excelente oportunidade para conhecermos as últimas novidades em equipamentos, maquinários, softwares, produtos, serviços e novas tecnologias, além do espaço para debate sobre os principais gargalos da construção civil.”

Antônio de Souza Ramalho

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Estado de São Paulo

“A Construction Expo é um encontro que traz novas tecnologias. Nós estamos vivendo em um mundo globalizado. Cada dia que passa, a inovação de novos insumos traz sempre novidades. E é muito importante que não só as construtoras, mas também os engenheiros e os trabalhadores tenham conhecimento dessa evolução, para saber manusear uma máquina, para saber aplicar um produto. Por isso, um evento nessa área  tem todo o meu apoio. Um encontro como esse, internacional, é de suma importância como troca de experiência.”

Carlos Eduardo Auricchio

Presidente do Sindicato das Indústrias de Extração de Areia do Estado de São Paulo (Sindareia)

"A Construction foi, sem dúvida, mais um importante ponto de encontro da cadeia produtiva da construção civil. Nesse momento em que o mercado começa a perder fôlego, uma feira como a Construction chama atenção do setor para a necessidade de investimentos públicos e privados. O que se viu nos quatro dias do evento foi um mercado conhecedor do seu potencial, mas também das suas necessidades.”

Antônio Carlos Salgueiro de Araújo

Presidente do Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (SECONCI-SP)

“A Construction Expo fornece uma oportunidade única de reunir em um mesmo espaço, representantes de toda a cadeia produtiva da indústria da construção, tanto da área de materiais, quanto de equipamentos e serviços. Além disso, é uma ótima vitrine para o mercado conhecer a fundo as grandes obras que estão sendo executadas no país, permitindo uma rica troca de conhecimento e informações sobre novos processos construtivos e tecnologias. Por essa razão e por ter uma história de quase 50 anos dedicados à promoção da saúde e segurança dos trabalhadores da construção, o SECONCI-SP não titubeou em dar seu apoio institucional à Feira, unindo sua marca a um evento de abrangência internacional e que traz inovações que podem contribuir para um desenvolvimento ainda mais acelerado do setor, com qualidade e redução dos custos operacionais.”