FECHAR
11 de fevereiro de 2016
Voltar
Entrevista

Poucos recursos, muitas demandas

Além da falta de dinheiro, a carência de bons projetos elaborados pelas prefeituras é o maior desafio do Ministério das Cidades
Por Mariuza Rodrigues

O Ministério das Cidades foi o maior prejudicado pelos cortes anunciados pelo Governo Federal, para o orçamento de 2016, visando promover o ajuste fiscal. Segundo o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, ao propor o bloqueio de R$ 11,2 bilhões de despesas discricionárias do Orçamento da União, o governo penalizou a pasta das Cidades com o maior corte em valor absoluto, de R$ 1,651 bilhão. Em seguida, vem o ministério dos Transportes, com corte de R$ 1,446 bilhão, e de Integração Nacional, com o bloqueio de R$ 1,099 bilhão.

Para minimizar o impacto do contingenciamento sobre a sociedade, o Ministério do Planejamento convocou uma reunião com os secretários-executivos de todos os ministérios. O objetivo era orientar os órgãos sobre as medidas operacionais e estabelecer o monitoramento das principais consequências do corte adicional de despesas sobre a prestação de serviços públicos. Mas, será possível reduzir tais impactos sobre a vida nas cidades, onde se acumulam tantas demandas verdadeiramente inadiáveis? Para saber isso, a Revista Grandes Construções entrevistou o ministro Gilberto Kassab. Ele abriu o jogo sobre as reais perspectivas de investimentos, apesar do contingenciamento de recursos, e sobre os avanços de projetos e parcerias a cargo do ministério, entre os quais os de saneamento e mobilidade urbana.

Kassab falou, ainda, de outras dificuldades, além da redução dos recursos, tais como a falta de projetos das prefeituras parceiras do Ministério, para o desenvolvimento e implementação de projetos nessas áreas.

Sob o cobertor do Ministério das Cidades estão alguns dos projetos governamentais considerados de maior sucesso, como o Porto Maravilha, os Veículos Leves sobre Trilhos do Rio de Janeiro e de Santos. Mas um dos seus favoritos é o Programa Minha Casa Minha Vida. Tanto que confidencia a grande emoção que sente ao entregar cada nova unidade habitacional às famílias contempladas no programa.

Kassab ressalta, nessa entrevista, as ações ministeriais no campo do meio ambiente e da modernização da gestão municipal (Cidades Inteligentes). E finaliza destacando as ações para promover maior participação da sociedade nas decisões governamentais. Em suma, mostra que o governo federal não está parado.

A trajetória do ministro das Cidades Gilberto Kassab está diretamente vinculada ao setor da construção e engenharia. Ele é formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e em Economia pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP). Participou também da Federação das Associações Comerciais de São Paulo, do Sindicato da Habitação (Secovi) e do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci). Como secretário de Planejamento do governo do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (1997-2000), foi responsável pela elaboração do Plano Diretor da cidade. Foi vice-prefeito e prefeito de São Paulo, antes de assumir o Ministério das Cidades, do governo Dilma Roussef.