FECHAR
FECHAR
26 de fevereiro de 2014
Voltar
Prêmio ABCIC

Luxo, inovação tecnológica e compromisso ambiental

Resultado de investimentos de aproximadamente R$ 600 milhões, o RioMar Shopping foi construído em uma área total de 202.710 m², abrigando 476 lojas, das quais 18 âncoras e sete megalojas; 11 restaurantes; praças de alimentação; 14 salas de cinema; teatro com cerca de 500 lugares e estacionamento com 6.050 vagas. O empreendimento inclui a construção de três torres empresariais, em área adjunta de 42.147 m², com 1.900 vagas de estacionamento. "O RioMar Shopping é a realização de um grande sonho de dotar o Recife de um dos maiores e mais modernos centros de compra do País", orgulha-se o empresário João Carlos Paes Mendonça, presidente do Grupo JCPM.

Situado em local privilegiado, às margens do encontro entre o rio e o mar, na Bacia do Pina, o shopping tem projeto arquitetônico inovador e sofisticado, com corredores amplos, de fácil circulação e iluminação natural. É o primeiro shopping da América Latina a receber a Certificação de Construção Sustentável – Aqua (Alta Qualidade Ambiental), no processo de Construção Nova, graças à adoção de uma série de recursos que permitiram que o empreendimento atingisse o nível de excelência em oito categorias.

A certificação concedida pela Fundação Vanzolini, é reconhecida internacionalmente, provada por meio de auditorias independentes, atestando o compromisso do empreendimento com o meio ambiente, o conforto e a saúde dos que trabalham e visitam o shopping.

De acordo com o Grupo JCPM, o empreendimento foi pensado, desde o projeto, passando pela obra, até a sua operacionalização, dentro dos conceitos de redução dos impactos ambientais e racionalização dos recursos naturais, combatendo as perdas em seus processos. Um dos destaques é o sistema de refrigeração que, além de propiciar economia de água, tem um consumo energético 34,5% menor em relação a um projeto convencional.

Domos de vidro permitem o aproveitamento de 100% da iluminação natural. Nos vidros foi aplicada uma película que filtra a entrada dos raios infravermelhos e ultravioleta, e reduz a irradiação de calor no ambiente, o que  contabiliza uma redução de custos de energia em comparação ao sistema convencional em até 70%, entre as 10h e 17h.

Ainda durante as obras, na fase da demolição das instalações existentes, foi utilizado um britador para que todos os resíduos fossem britados e reutilizados na obra, no aterro e na pavimentação. Além da mitigação dos danos ambientais, houve economia de cerca de R$ 3 milhões ao se evitar que os resíduos sólidos fossem transformados em caminhões, para fora da obra, para locais de descarte. Perto de 25.000 m³ de materiais foram aproveitados, o que exigiria o emprego de mais de 2.000 caminhões para sua retirada.