ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
14 de outubro de 2010
Voltar
Concrete Show 2010

Concrete Show pega boa onda do setor de construção

A edição 2010 da Concrete Show South America, realizada de 25 a 27 de agosto, no Transamérica Expo Center, em São Paulo (SP), consolida um ciclo de crescimento da ordem de 203% entre a primeiro e a quarta edição do evento, registrando 21 mil visitantes. O encontro ocupou 36.500 m² de exposição indor e outdoor e reuniu cerca de 400 expositores, dos quais 300 nacionais e 100 internacionais. Para o próximo ano, a ConcreteShow muda de endereço, passando a ser realizada no Centro de Exposição Imigrantes, com 45 mil m² de exposição indoor e outdoor e a participação estimada de 500 empresas.

Claudia Godoy, diretora da UBM Sienna, promotora do evento, destaca o crescimento de 48% em relação ao ano passado, com a duplicação do número de expositores de 200 para 400 “O número de visitantes superou nossas expectativas” destaca ela, afirmando que o evento está indo no caminho certo. A seu ver, um dos principais motivos do sucesso está na crescente demanda por informações na área do concreto por parte de brasileiros e estrangeiros, principalmente provenientes de países vizinhos.

Além disso, ela destaca que o objetivo da feira é facilitar a realização de negócios, o que tem sido alcançado. “A ConcreteShow é um grande shopping center. O evento é um facilitador para quem busca alternativa de fornecedores. Por isso é importante a transferência para um local mais amplo e maior comodidade para o visitante”, destaca a diretora. Segunda ela, foram gerados durante a feira negócios da ordem de R$ 600 milhões.

Claudia começou a trabalhar na área comercial de feiras em 2005. Posteriormente criou sua própria empresa para atuar e em 2007 lançou a Concrete Show no Brasil. No ano que vem, o evento abrigará o Global Infra Infraestruture Forum, similar ao que já ocorre na edição internacional.

Um dos destaques do evento foram os seminários promovidos pelas entidades do setor da construção, como o Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon/SP) e Associação Brasileira do Cimento Portland (ABCP).

Para o presidente da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Renato José Giusti, o Brasil passou 20 anos sem investir. “Hoje, estamos vendo equipamentos que não imaginávamos ver, isto por conta dos grandes investimentos que vão acontecer visando a Copa do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos de 2016 e o Bicentenário de 2022”, resumiu. Segundo ele o Brasil está numa fase m


A edição 2010 da Concrete Show South America, realizada de 25 a 27 de agosto, no Transamérica Expo Center, em São Paulo (SP), consolida um ciclo de crescimento da ordem de 203% entre a primeiro e a quarta edição do evento, registrando 21 mil visitantes. O encontro ocupou 36.500 m² de exposição indor e outdoor e reuniu cerca de 400 expositores, dos quais 300 nacionais e 100 internacionais. Para o próximo ano, a ConcreteShow muda de endereço, passando a ser realizada no Centro de Exposição Imigrantes, com 45 mil m² de exposição indoor e outdoor e a participação estimada de 500 empresas.

Claudia Godoy, diretora da UBM Sienna, promotora do evento, destaca o crescimento de 48% em relação ao ano passado, com a duplicação do número de expositores de 200 para 400 “O número de visitantes superou nossas expectativas” destaca ela, afirmando que o evento está indo no caminho certo. A seu ver, um dos principais motivos do sucesso está na crescente demanda por informações na área do concreto por parte de brasileiros e estrangeiros, principalmente provenientes de países vizinhos.

Além disso, ela destaca que o objetivo da feira é facilitar a realização de negócios, o que tem sido alcançado. “A ConcreteShow é um grande shopping center. O evento é um facilitador para quem busca alternativa de fornecedores. Por isso é importante a transferência para um local mais amplo e maior comodidade para o visitante”, destaca a diretora. Segunda ela, foram gerados durante a feira negócios da ordem de R$ 600 milhões.

Claudia começou a trabalhar na área comercial de feiras em 2005. Posteriormente criou sua própria empresa para atuar e em 2007 lançou a Concrete Show no Brasil. No ano que vem, o evento abrigará o Global Infra Infraestruture Forum, similar ao que já ocorre na edição internacional.

Um dos destaques do evento foram os seminários promovidos pelas entidades do setor da construção, como o Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon/SP) e Associação Brasileira do Cimento Portland (ABCP).

Para o presidente da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Renato José Giusti, o Brasil passou 20 anos sem investir. “Hoje, estamos vendo equipamentos que não imaginávamos ver, isto por conta dos grandes investimentos que vão acontecer visando a Copa do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos de 2016 e o Bicentenário de 2022”, resumiu. Segundo ele o Brasil está numa fase muito boa para a construção. A ABCP promoveu, em conjunto com o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), seção São Paulo, o Prêmio Soluções para Cidades, concurso que premiou o melhor projeto desenvolvido por estudantes de arquitetura. “A arquitetura é fundamental para o desenvolvimento de bons projetos. Por isso é importante incentivar a formação destes jovens profissionais”, disse Renato Giusti, enfatizando a necessidade de investir na formação de mão de obra qualificada para aproveitar as oportunidades que virão por conta do ciclo de investimentos no pré-sal, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos.

Wagner Lopes, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Concretagem (Abesc), disse que o evento representou o “melhor momento em 25 anos no ramo da concretagem” e destacou que “toda a cadeia em torno da concretagem está muito animada com o momento em que o Brasil se encontra”.

Os seminários organizados pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-SP) destacaram os sistemas de controle tecnológico que asseguram maior produtividade na construção. Paulo Sérgio Ferreira de Oliveira, diretor da unidade de Serviços em Tecnologia da Método Engenharia, falou sobre ferramentas para gestão e padronização de processos, e a industrialização da construção para tornar os empreendimentos mais competitivos. “O mercado só vai evoluir na medida em que essas práticas forem dominadas. Nesse sentido, a Concrete Show representa um importante espaço para disseminar as melhores práticas”, acredita.

Soluções para as cidades
O concurso, destinado a estudantes de Arquitetura e Urbanismo de todo o Brasil, teve como objetivo estimular a elaboração de projetos relacionados à produção de mobiliário urbano para praças públicas. Inscreveram-se na competição 78 equipes, das quais 67 se habilitaram para o concurso, conforme o regulamento. Desse universo, o júri destacou 10 trabalhos. Os estudantes puderam propor a construção de cinco elementos de mobiliário urbano à base de cimento, como bancos, postes de iluminação, lixeiras, bicicletário e um elemento de livre escolha.

Os vencedores foram os estudantes de Arquitetura Karen Kussler e Guilherme Osterkamp, da Universidade Feevale, do Rio Grande do Sul, que utilizaram a “Praça da Pista de Skate”, em Novo Hamburgo (RS), como objeto de intervenção. Como base para a construção dos elementos, eles utilizaram um objeto em concreto armado chamado “drop”, semelhante a uma gota. Segundo Karen Kussler, “o objeto escolhido confere maior versatilidade na construção e pode ser replicado com muita facilidade”.

Germán Madrid, especialista e referência internacional em planejamento de calçadas e vias públicas, e coautor do Manual de Desenho e Construção dos Componentes do Espaço Público (MPE) de Medellin (Colômbia) mostrou o trabalho de padronização realizado na cidade, cujo passeio público é considerado uma referência mundial. O documento também serviu de base para outras cidades – incluindo São Paulo – e aborda questões de acesso físico e guia para os deficientes visuais de forma integral e tecnicamente correta.

O arquiteto, urbanista e paisagista Guilherme Takeda, reconhecido por sua atuação na área de planejamento urbano, e responsável por diversos projetos de revitalização, como o desenvolvido atualmente na região central de Anápolis (GO), falou sobre a questão do conceito de “acupuntura urbana”, que vem disseminando por todo o País, um processo de revitalização que valoriza as características culturais da região.

Mais matérias sobre esse tema

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade