ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
31 de março de 2011
Voltar
Jogo Rápido

Bioenergy compra R$ 1,4 bilhão em turbinas eólicas da GE

A Bioenergy, uma das pioneiras no Brasil em geração de energia elétrica à partir da força dos ventos, fechou contrato com a GE para adquirir 18 turbinas eólicas ainda em 2011, 36 em 2012 e uma opção de compra de até 250 para 2013. Os equipamentos atenderão projetos comercializados nos leilões de 2009 e 2010, assim como projetos da primeira venda de energia eólica no mercado livre brasileiro, cerca de 100 megawatts (MW) médios arrematados pela Cemig em dezembro de 2009.

Os lotes de equipamentos de 2011 e 2012 somam R$ 250 milhões. Já o lote de 2013 pode chegar a R$ 1,2 bilhão. Neste ano, serão utilizadas as turbinas GE 1.6 Xle com 82,5 m de rotor, uma tecnologia consagrada, com mais de 14 mil unidades instaladas no mundo.

No ano que vem, serão utilizadas as novas turbinas GE 1.6 -100, com 100 m de diâmetro de rotor, as primeiras no mundo que utilizam as novas pás de 50 m de comprimento e as maiores turbinas a serem instaladas no Brasil.

Sérgio Marques, presidente da Bioenergy, explica que a escolha da GE se baseou em critérios técnico-financeiros. “Levamos em consideração o custo de manutenção ao longo de 30 anos, assim como a durabilidade e disponibilidade do equipamento, além do suporte e presença da GE no Brasil”.

Uma característica interessante do acordo entre a Bioenergy e a GE foi a proteção offshore escolhida para os equipamentos. “Devido à proximidade do mar, e à salinidade na costa brasileira, que são melhores para a média de velocidade de vento, optamos por turbinas feitas para ficar dentro do mar e não simplesmente próximas ao oceano”, comenta Marques.

A Bionergy conta com empreendimentos de R$ 1,7 bilhão em energia eólica somente no Rio Grande do Norte. No total, a empresa soma projetos de mais de 1.400 MW. No último leilão de energia de reserva, a Bioenergy cadastrou 16 projetos de usinas eólicas, que perfazem aproximadamente 514,8 MW.

 


A Bioenergy, uma das pioneiras no Brasil em geração de energia elétrica à partir da força dos ventos, fechou contrato com a GE para adquirir 18 turbinas eólicas ainda em 2011, 36 em 2012 e uma opção de compra de até 250 para 2013. Os equipamentos atenderão projetos comercializados nos leilões de 2009 e 2010, assim como projetos da primeira venda de energia eólica no mercado livre brasileiro, cerca de 100 megawatts (MW) médios arrematados pela Cemig em dezembro de 2009.

Os lotes de equipamentos de 2011 e 2012 somam R$ 250 milhões. Já o lote de 2013 pode chegar a R$ 1,2 bilhão. Neste ano, serão utilizadas as turbinas GE 1.6 Xle com 82,5 m de rotor, uma tecnologia consagrada, com mais de 14 mil unidades instaladas no mundo.

No ano que vem, serão utilizadas as novas turbinas GE 1.6 -100, com 100 m de diâmetro de rotor, as primeiras no mundo que utilizam as novas pás de 50 m de comprimento e as maiores turbinas a serem instaladas no Brasil.

Sérgio Marques, presidente da Bioenergy, explica que a escolha da GE se baseou em critérios técnico-financeiros. “Levamos em consideração o custo de manutenção ao longo de 30 anos, assim como a durabilidade e disponibilidade do equipamento, além do suporte e presença da GE no Brasil”.

Uma característica interessante do acordo entre a Bioenergy e a GE foi a proteção offshore escolhida para os equipamentos. “Devido à proximidade do mar, e à salinidade na costa brasileira, que são melhores para a média de velocidade de vento, optamos por turbinas feitas para ficar dentro do mar e não simplesmente próximas ao oceano”, comenta Marques.

A Bionergy conta com empreendimentos de R$ 1,7 bilhão em energia eólica somente no Rio Grande do Norte. No total, a empresa soma projetos de mais de 1.400 MW. No último leilão de energia de reserva, a Bioenergy cadastrou 16 projetos de usinas eólicas, que perfazem aproximadamente 514,8 MW.

 

Mais matérias sobre esse tema

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade