FECHAR
23 de maio de 2019
Voltar

SEGURANÇA / Mortes em incêndios por sobrecarga aumentam mais de 100% no Brasil

Aumentaram os casos de acidentes e mortes relacionados à energia elétrica no Brasil, segundo a edição 2019 do Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel).

A entidade divulga anualmente, desde 2013, dados referentes aos acidentes de origem elétrica no país.

De acordo com o levantamento, ocorreram 1.424 acidentes elétricos em 2018, sendo que 836 foram ocasionados por choque, o equivalente a 59% do total. Deles, 622 foram fatais, resultando em morte. Já os incêndios derivados de curto-circuito ficaram em 537, o que corresponde a 38%, e ocasionaram 61 mortes.

Os dados revelam um aumento de 18,84% no número de acidentes ocasionados por incêndios de origem elétrica e de mais de 100% no número de mortes ocasionadas por esses acidentes em comparação com o ano anterior: em 2017, houve 1.387 acidentes elétricos, sendo que 481 deles incêndios decorrentes de curto-circuito, gerando 30 mortes.

O número de choques elétricos diminuiu um pouco em relação a 2017, mas ainda se manteve alto: foram 851, sendo que 627 deles resultaram em mortes.


Aumentaram os casos de acidentes e mortes relacionados à energia elétrica no Brasil, segundo a edição 2019 do Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel).

A entidade divulga anualmente, desde 2013, dados referentes aos acidentes de origem elétrica no país.

De acordo com o levantamento, ocorreram 1.424 acidentes elétricos em 2018, sendo que 836 foram ocasionados por choque, o equivalente a 59% do total. Deles, 622 foram fatais, resultando em morte. Já os incêndios derivados de curto-circuito ficaram em 537, o que corresponde a 38%, e ocasionaram 61 mortes.

Os dados revelam um aumento de 18,84% no número de acidentes ocasionados por incêndios de origem elétrica e de mais de 100% no número de mortes ocasionadas por esses acidentes em comparação com o ano anterior: em 2017, houve 1.387 acidentes elétricos, sendo que 481 deles incêndios decorrentes de curto-circuito, gerando 30 mortes.

O número de choques elétricos diminuiu um pouco em relação a 2017, mas ainda se manteve alto: foram 851, sendo que 627 deles resultaram em mortes.

Os acidentes originados por raios equivalem a 3% do total, sendo responsáveis por 51 dos incidentes elétricos ocorridos no país e por 38 mortes em 2018.

A faixa etária mais atingida pelos acidentes elétricos é a que compreende adultos de 31 a 40 anos: foram 160 vítimas fatais, o equivalente a 26%. Depois, vem a faixa de 21 a 30 anos, com 144 vítimas e 23% do total.

Em relação aos locais onde mais ocorreram os incêndios por sobrecarga, as residências registraram o maior número: foram 207, que geraram 44 mortes. Os comércios foram os locais que apresentaram o segundo maior número de incêndios elétricos fatais: foram 130, resultando em uma morte.

Os choques elétricos também ocorreram, em sua maioria, em ambientes residenciais: foram registrados 209 choques fatais. Em segundo lugar, estão as redes aéreas de distribuição, com 172 choques que resultaram em mortes.

Fábio Amaral, Engenheiro Eletricista e diretor da Engerey Painéis Elétricos, comenta que a relação dos acidentes elétricos com as residências se deve ao fato de que, no Brasil, há muitas instalações ruins e gambiarras, que podem levar a um grande número de acidentes fatais, como revela o levantamento feito pela Abracopel.

“Desde 2012 é obrigatório o uso do Dispositivo Residual (DR) no Brasil, pois ele pode impedir a maior parte dos acidentes ocasionados por choques elétricos. Mas 27% das residências não dispunham do equipamento em seus quadros elétricos no ano passado. Isso explica o grande número de acidentes elétricos que continuam acontecendo no país”, afirma Amaral.

Já o aumento de incêndios decorrentes de sobrecarga no Brasil, para o especialista, demonstra o descuido com a manutenção das redes elétricas. De acordo com ele, elas devem acontecer de 10 em 10 anos e ser realizadas por profissionais devidamente capacitados.

Regiões

A região que obteve mais casos de incêndios decorrentes de sobrecarga em 2018 foi o Sudeste: foram 155, gerando 26 mortes. Em segundo lugar, ficou a Região Sul, com 142 casos e 9 mortes. Depois vem o Nordeste, com 124 e 18 mortes e Centro-Oeste, com 60 choques e 5 mortes. A Região Norte, mais uma vez, foi a que apresentou o menor número de acidentes elétricos ocasionados por choque: foram 56 e apenas 3 mortes.  

Entre os incêndios ocorridos em 2018 e que tiveram grande repercussão nacional foram o do Museu Nacional e mais recentement do Centro de Treinamentos do Flamengo, ambos no Rio de Janeiro.

Segundo Amaral, estes acidentes provavelmente teriam sido evitados com a utilização de um dispositivo nos quadros elétricos que custa menos de R$100,00, que é o DPS (Dispositivo de Proteção Contra Surtos) nos quadros elétricos.

"O DPS faz toda a diferença na instalação elétrica para a segurança pessoal e patrimonial. Este dispositivo detecta a presença de sobretensões em uma rede, como quando cai a luz e volta repentinamente. Esta volta pode elevar a tensão elétrica a níveis extremamente altos. O DPS detecta isso e drena a tensão excedente para o sistema de aterramento antes que atinjam os equipamentos e possam ocasionar um curto e com isso um incêndio. Apesar de serem importantes, infelizmente são poucos os que conhecem esta tecnologia”, explica.