FECHAR
FECHAR
26 de fevereiro de 2014
Voltar
Mercado Imobiliário

Superando as expectativas mais otimistas

Financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança alcançaram um novo recorde histórico em 2013, com um montante de R$ 109,2 bilhões em desembolsos

O ano de 2013 deixou excelentes resultados, nas áreas de poupança, crédito e mercado imobiliário, que só agora começam a ser conhecidos. De acordo com a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), no ano passado os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança alcançaram um novo recorde histórico em recursos desembolsados, com um montante de R$ 109,2 bilhões. Isso representou um crescimento da ordem de 32% sobre 2012, quando os desembolsos somaram R$ 82,8 bilhões. Os dados da Abecip não incluem empréstimos com recursos do FGTS, como os empréstimos no programa “Minha Casa Minha Vida”. Somente em dezembro de 2013, foram desembolsados R$ 10,4 bilhões, aumento de 17% em relação a igual mês de 2012.

Só no mês de dezembro de 2013, o volume de empréstimos para compra e construção de imóveis foi de R$ 10,4 bilhões, sinalizando para um aumento de 2,3% sobre os resultados de novembro. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o crescimento foi de 17%.

Os números surpreenderam até mesmo a Abecip, que tinha uma expectativa de crescimento de 15% nos desembolsos em 2013. Para Octavio de Lazari Junior, presidente da Abecip, esse resultado se deve em parte (40%) ao aumento dos preços dos imóveis. O aumento real do número de financiamentos respondeu pelos restantes 60% do incremento no volume desembolsado.

Ao todo, ao longo de 2013, foram financiadas 529,8 mil imóveis com recursos da poupança, avanço de 17% ante o ano anterior, já que em 2012 o número de unidades financiadas foi de 492,9 mil. E, mais uma vez, tomando apenas o mês de dezembro como referência, tem-se 50,9 mil imóveis adquiridos e construídos – uma alta de 7% sobre novembro do mesmo ano, e de 19% sobre o mesmo mês de 2012.

Segundo o presidente da Abecip, vários fatores, ligados ao cenário macroeconômico contribuíram para este excelente desempenho, como baixo nível de desemprego, elevação da renda dos brasileiros, e, sobretudo, o aumento significativo da oferta de recursos disponíveis na caderneta de poupança. De janeiro a dezembro de 2013, o saldo dos depósitos de poupança no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo alcançou R$ 466 bilhões, valor 20% superior ao acumulado de janeiro a dezembro de 2012. A captação líquida das contas de poupança superou R$ 54 bilhões, um aumento de 46% em relação ao acumulado em 2012.

Somente em dezembro de 20


O ano de 2013 deixou excelentes resultados, nas áreas de poupança, crédito e mercado imobiliário, que só agora começam a ser conhecidos. De acordo com a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), no ano passado os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança alcançaram um novo recorde histórico em recursos desembolsados, com um montante de R$ 109,2 bilhões. Isso representou um crescimento da ordem de 32% sobre 2012, quando os desembolsos somaram R$ 82,8 bilhões. Os dados da Abecip não incluem empréstimos com recursos do FGTS, como os empréstimos no programa “Minha Casa Minha Vida”. Somente em dezembro de 2013, foram desembolsados R$ 10,4 bilhões, aumento de 17% em relação a igual mês de 2012.

Só no mês de dezembro de 2013, o volume de empréstimos para compra e construção de imóveis foi de R$ 10,4 bilhões, sinalizando para um aumento de 2,3% sobre os resultados de novembro. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o crescimento foi de 17%.

Os números surpreenderam até mesmo a Abecip, que tinha uma expectativa de crescimento de 15% nos desembolsos em 2013. Para Octavio de Lazari Junior, presidente da Abecip, esse resultado se deve em parte (40%) ao aumento dos preços dos imóveis. O aumento real do número de financiamentos respondeu pelos restantes 60% do incremento no volume desembolsado.

Ao todo, ao longo de 2013, foram financiadas 529,8 mil imóveis com recursos da poupança, avanço de 17% ante o ano anterior, já que em 2012 o número de unidades financiadas foi de 492,9 mil. E, mais uma vez, tomando apenas o mês de dezembro como referência, tem-se 50,9 mil imóveis adquiridos e construídos – uma alta de 7% sobre novembro do mesmo ano, e de 19% sobre o mesmo mês de 2012.

Segundo o presidente da Abecip, vários fatores, ligados ao cenário macroeconômico contribuíram para este excelente desempenho, como baixo nível de desemprego, elevação da renda dos brasileiros, e, sobretudo, o aumento significativo da oferta de recursos disponíveis na caderneta de poupança. De janeiro a dezembro de 2013, o saldo dos depósitos de poupança no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo alcançou R$ 466 bilhões, valor 20% superior ao acumulado de janeiro a dezembro de 2012. A captação líquida das contas de poupança superou R$ 54 bilhões, um aumento de 46% em relação ao acumulado em 2012.

Somente em dezembro de 2013, os depósitos em cadernetas de poupança superaram os saques em R$ 8,3 bilhões, o melhor resultado em um único mês, desde julho de 1994.  Em dezembro de 2012, a captação líquida da poupança foi de R$ 6.9 bilhões.

Outro fator que influenciou nos resultados foi a baixa inadimplência, da ordem de 1,8% em 2013 “Temos o menor índice de inadimplência de todo o sistema bancário brasileiro. Ela está absolutamente controlada e em trajetória decrescente”, comemorou Lazari Junior.

Compras em alta

Pesquisa realizada pela Abecip revelou que a alta do crédito em 2013 foi puxada pelas operações de financiamentos para a compra de imóveis. Ou seja, o brasileiro demandou uma alta de 41% na quantidade de financiamentos para aquisição de imóveis, totalizando R$ 76,9 bilhões dos R$ 109,2 bilhões desembolsados.

Os desembolsos para construção totalizaram R$ 32,3 bilhões, o que equivale a um crescimento de 15% sobre 2012.

A Abecip continua esperando alta do crédito neste ano. De acordo com o presidente da entidade, a expectativa é de crescimento de aproximadamente 15%, com o montante de R$ 126 bilhões, o que deverá representar um novo recorde histórico.

Sem medo da bolha

Lazari Junior descartou a possibilidade de acontecer no Brasil uma bolha imobiliária, como a que abalou as economias da Europa e dos Estados Unidos. “A bolha se forma no momento em que os agentes compram os imóveis na expectativa de que eles ainda vão se valorizar, e não com base nos preços reais praticados no mercado”, analisa.

Além dos baixos índices de inadimplência do setor, ele chama a atenção para o fato de que o mutuário brasileiro, tradicionalmente, entra com cerca de 30% a 35% do valor do imóvel, ao contratar o financiamento, o que já ajudaria na composição do funding para o crédito imobiliário. Esse funding, segundo ele, é composto 60% pelos recursos da poupança e 40% do Fundo de garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Outro fator, ser considerado, de acordo como presidente da entidade, é 95% dos financiamentos no Brasil são para comprar o imóvel para moradia, e não para investimento. “A tipologia do consumidor brasileiro é bem diferente”, assegura.

Por fim, ele observa que há no Brasil critérios rígidos para os financiamentos imobiliários, como a limite máximo de 80% do valor do bem, contra acima de 100%, como ocorria em países da Europa, onde, além do valor integral dos imóveis, ainda eram concedidos financiamentos para a aquisição de móveis e eletrodomésticos.

Quanto aos preços dos imóveis, Lazari Junior afirmou que, após fortes altas nos últimos anos, não deve ocorrer uma estabilização daqui para a frente. “Os preços ficarão estáveis, a não ser em uma ou outra zona de instabilidade”, disse. “O que a gente percebe é que o valor financiado está coerente com a valorização que acontece na região."

A possibilidade de formação de uma bolha imobiliária no Brasil também foi descartada pela  Bain & Company, consultoria global de negócios, que acaba de publicar o estudo “Risco de bolha ou motor de crescimento?” que compara o Brasil com sete países selecionados pelo alto impacto ou alta resiliência que demonstraram à crise econômica recente e permitiram a comparação de dados entre si. Os países em questão são a Alemanha, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Irlanda, Portugal e Reino Unido.

Em seu estudo a Bain acredita que, além da percepção de aumento de preços, diversos outros indicadores devem ser acompanhados para melhor definir a existência ou ausência de uma bolha imobiliária, bem como as potenciais dimensões de seu desenvolvimento e o que serve de gatilho para que ela estoure. Além da análise deste processo, a consultora avaliou, ainda, como se comporta um cliente, tomador de financiamento imobiliário, em momentos de crise.

Para o Brasil a principal conclusão é que não estamos em uma bolha imobiliária. Por outro lado, existem alguns indicadores críticos que merecem ser avaliados e acompanhados para identificar de forma prematura uma formação de bolha já que, quando a inadimplência começa a subir, a bolha terá estourado e será tarde demais.

De acordo com o material, cinco fatores são os mais relevantes para melhor entender os princípios da formação de uma bolha imobiliária:

Condições oferecidas para crédito imobiliário, medidas pelo percentual do valor do imóvel que é financiado (conhecido como Loan-to-value ratio ou LTV);

Prazos de financiamento e processos de aprovação do financiamento imobiliário;

Acessibilidade à aquisição de imóveis (affordability ratio);

Penetração de crédito imobiliário como porcentagem do PIB;

Nível de comprometimento de renda familiar.

“A bolha se forma no momento em que os agentes compram os imóveis na expectativa de que eles ainda vão se valorizar, e não com base nos preços reais praticados no mercado. Além disso, os índices de inadimplência do setor, no Brasil, são muito baixos e o mutuário brasileiro, tradicionalmente, entra com cerca de 30% a 35% do valor do imóvel. Isso já ajuda na composição do funding para o crédito imobiliário”, afirma Octavio de Lazari Junior, presidente da Abecip