FECHAR
06 de outubro de 2014
Voltar
Matéria de Capa - Rodovias

Robôs trabalham nas obras do Trecho Norte do Rodoanel

Equipamentos de alta tecnologia são empregados na construção de túneis, sob a responsabilidade da empresa espanhola Ossa

A empresa espanhola Ossa Obras Subterrâneas, especializada na construção de túneis é a responsável pelas obras de dois deles nos lotes 4 e 5 na alça norte do Rodoanel Mário Covas (SP-021), totalizando aproximadamente 1500 metros de obras subterrâneas. Em cada lote, o trabalho avança, em média, um metro por dia debaixo da terra. O objetivo dos túneis é reduzir ao máximo o impacto ambiental na região da Serra da Cantareira, por onde o trecho norte passa e que representa uma das áreas mais preservadas da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O local abriga flora e fauna únicas e é um dos últimos resquícios da Mata Atlântica na RMSP.

Segundo o espanhol Luiz Gonzalo Garcia, engenheiro responsável pelas obras dos túneis no Rodoanel, o trabalho exige aplicação de grande tecnologia, uma vez que a perfuração requer atenção constante e muito planejamento. Ele revela que o tipo de solo encontrado na região da Cantareira, com muita argila e rocha, pede equipamentos de ponta para que essas dificuldades sejam enfrentadas e vencidas. Para enfrentar os desafios que essas obras exigem, equipamentos da Putzmeister vem sendo utilizados com grande sucesso pelos quase 50 operários que trabalham nesses lotes. “Nossa empresa sempre trabalhou com a Putzmeister, que atende nossas necessidades técnicas e nos garante segurança e confiabilidade”, afirma o engenheiro da Ossa.

Com o Robô, a Putzmeister oferece tecnologia de ponta na concretagem de túneis. O equipamento, fabricado na Espanha e desenvolvido por engenheiros alemães, torna mais ágil e seguro o processo de construção, uma vez que é operado à distância e conta com braços mecânicos, que fazem o papel do mangoteiro.

Além disso, o equipamento pode projetar até 20 metros cúbicos de concreto por hora. "Oferecemos as melhores soluções em bombeamento e transporte de concreto também em obras subterrâneas. Assim como no Rodoanel, nossos equipamentos estão nas principais obras deste tipo no país", explica o gerente de vendas no Brasil da Putzmeister Underground, Francisco Antunes Sousa.

No Rodoanel, os robôs lançam uma camada de aproximadamente 5cm de concreto nas paredes do túnel para fazer a contenção da estrutura, que posteriormente receberá as vigas de sustentação.

Contêiner

Uma forma de otimizar o trabalho é reduzir ao máximo o tempo de paradas para manutenção ou mesmo evit


A empresa espanhola Ossa Obras Subterrâneas, especializada na construção de túneis é a responsável pelas obras de dois deles nos lotes 4 e 5 na alça norte do Rodoanel Mário Covas (SP-021), totalizando aproximadamente 1500 metros de obras subterrâneas. Em cada lote, o trabalho avança, em média, um metro por dia debaixo da terra. O objetivo dos túneis é reduzir ao máximo o impacto ambiental na região da Serra da Cantareira, por onde o trecho norte passa e que representa uma das áreas mais preservadas da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O local abriga flora e fauna únicas e é um dos últimos resquícios da Mata Atlântica na RMSP.

Segundo o espanhol Luiz Gonzalo Garcia, engenheiro responsável pelas obras dos túneis no Rodoanel, o trabalho exige aplicação de grande tecnologia, uma vez que a perfuração requer atenção constante e muito planejamento. Ele revela que o tipo de solo encontrado na região da Cantareira, com muita argila e rocha, pede equipamentos de ponta para que essas dificuldades sejam enfrentadas e vencidas. Para enfrentar os desafios que essas obras exigem, equipamentos da Putzmeister vem sendo utilizados com grande sucesso pelos quase 50 operários que trabalham nesses lotes. “Nossa empresa sempre trabalhou com a Putzmeister, que atende nossas necessidades técnicas e nos garante segurança e confiabilidade”, afirma o engenheiro da Ossa.

Com o Robô, a Putzmeister oferece tecnologia de ponta na concretagem de túneis. O equipamento, fabricado na Espanha e desenvolvido por engenheiros alemães, torna mais ágil e seguro o processo de construção, uma vez que é operado à distância e conta com braços mecânicos, que fazem o papel do mangoteiro.

Além disso, o equipamento pode projetar até 20 metros cúbicos de concreto por hora. "Oferecemos as melhores soluções em bombeamento e transporte de concreto também em obras subterrâneas. Assim como no Rodoanel, nossos equipamentos estão nas principais obras deste tipo no país", explica o gerente de vendas no Brasil da Putzmeister Underground, Francisco Antunes Sousa.

No Rodoanel, os robôs lançam uma camada de aproximadamente 5cm de concreto nas paredes do túnel para fazer a contenção da estrutura, que posteriormente receberá as vigas de sustentação.

Contêiner

Uma forma de otimizar o trabalho é reduzir ao máximo o tempo de paradas para manutenção ou mesmo evitar paralisações por conta de troca de peças ou consertos. Pensando nisso, o Departamento de Pós-Venda da Putzmeister vem disponibilizando aos clientes novas opções de atendimento. No canteiro da Ossa, no Rodoanel Norte, foi instalado um contêiner com peças de reposição para os robôs.

A ideia é que a construtora possa ter à disposição uma espécie de mini almoxarifado com os principais itens do equipamento, ganhando assim agilidade durante manutenções preventivas e corretivas, além de um espaço adequado para armazenagem, livre de umidade, sol e poeira. "Com esta solução, queremos aumentar a agilidade no processo de manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos", diz o diretor de pós-vendas, Felipe Rix Hrdlicka.

Trecho Norte, última alça do Rodoanel

O Rodoanel Mário Covas (SP-21), também conhecido como Rodoanel Metropolitano de São Paulo, é uma autoestrada de aproximadamente 180 quilômetros com duas pistas e seis faixas de rodagem que está sendo construída em torno do centro da Região Metropolitana de São Paulo. A finalidade é aliviar o intenso tráfego de caminhões oriundos do interior do Estado e das diversas regiões do país e que hoje cruzam as duas vias urbanas marginais da cidade (Pinheiros e Tietê), provocando uma grave situação de congestionamento e poluição.

A obra teve seu primeiro trecho inaugurado em 2002, já a alça Norte, a última que falta, está prevista para ser entregue em 2016.

Esse trecho norte terá 44 quilômetros de extensão, sendo 12,26 deles em túneis. Ele vai interligar as alças Oeste e Leste, permitindo acesso à rodovia Fernão Dias (BR-381) e ao Aeroporto de Guarulhos.