FECHAR
FECHAR
01 de julho de 2014
Voltar
Concreto Hoje

Programa aumenta em 60% a produtividade da indústria de blocos

O Programa de Desenvolvimento Empresarial (PDE) da área de artefatos de concreto completa oito anos e auxilia micro e pequenas empresas do segmento a melhorar sua gestão

Fabricantes de artefatos de concreto que participam do programa de qualificação desenvolvido pela ABCP e Sebrae registraram aumentos de produtividade de até 60%

A parceria entre a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) para incentivar, qualificar e prestar consultoria às pequenas fábricas de artefatos de concreto começou em 2006 e contabiliza ganhos importantes como o aumento de 60% na produtividade da indústria de blocos. O Programa tem uma dinâmica simples: reúne empresários do setor para participar de cursos gerenciais e técnicos, com o objetivo de inovar e aumentar a produtividade dos fabricantes. O objetivo principal do projeto é a melhoria da qualidade dos produtos, além do aumento da competitividade dos artefatos e da geração e ampliação do relacionamento com toda a cadeia da construção civil. Outra vertente do PDE é o desenvolvimento de estratégias inovadoras e práticas em ambientes colaborativos.

De acordo com Eduardo Henrique D’Avila, gerente regional da ABCP no Rio de Janeiro, Estado onde o projeto foi iniciado, cada ação planejada considera o perfil da indústria de artefatos de concreto. Para ele, as empresas do segmento geralmente nascem pequenas e possuem poucos funcionários para cuidar de todas as etapas. No levantamento feito pela ABCP, 95% delas são micro e pequenas indústrias. “Por conta disso, a figura do empresário se assemelha ao chefe ‘faz tudo’, diferente da concepção de líder. Esse é um dos pontos que precisamos mudar”, diz ele.  A mesma concepção se espelha no processo produtivo, geralmente com predominância da prática manual sobre a automatizada, resultando em baixa produtividade e perdas elevadas. A falta de um sistema de qualidade implantado e poucas estratégias de crescimento dificulta o controle, deixando a empresa com pouca percepção da competitividade dos produtos, que acabam com seus preços definidos pela concorrência.

Como funciona o PDE para a área de artefatos de concreto

Atualmente, o PDE está presente em quinze diferentes Estados brasileiros, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. “A partir de encontros promovidos entre as fabricantes há um intercâmbio de diferentes experiências e conhecimentos”, explica D’Avila. De acordo com ele, o processo é incentivado por meio de oficinas gerenciais, cursos técnicos de produção de blocos e consultorias especializadas. Para avaliar o desempenho das empresas são realizados diagnósticos da gestão e dos avanços da qualidade, neste caso, preparando a empresa para os selos de qualidade. Para adquirir conhecimentos de mercado, os integrantes do Programa também participam de eventos sobre alvenaria estrutural, intercâmbio em diferentes obras, cursos de racionalização construtiva e treinamentos “in company” para gestores, engenheiros, arquitetos e subempreiteiros.