FECHAR
FECHAR
11 de setembro de 2014
Voltar
Concreto Hoje

Nove tecnologias inovadoras para concreto

A entidade norte-americana Building Design + Construction (BDCnetwork.com), que organiza eventos e dissemina informações para a comunidade de projetistas, construtores e arquitetos dos Estados Unidos, listou nove inovações na área de tecnologia de concreto que merecem ser acompanhadas de perto. A listagem foi publicada no começo do ano, traz diferentes tipos de aplicação e mostra como as obras americanas têm sido beneficiadas com o pensamento diferenciado da indústria de concreto.

Mix de métodos resulta em ganhos: duas construções em Issaquah, no estado de Washington, são o primeiro exemplo. O Swedish Hospital e o Medical Office Building, formam um projeto com área total de 55,7 mil m2, com design do arquiteto Collins Woerman e execução da construtora Sellen, também responsável pela liderança da construção em si. Finalizado antes do prazo e com uma economia de aproximadamente US$ 35 milhões, o projeto combinou uma série de recursos, entre eles o uso pesado dos princípios de manufatura enxuta (Lean principles), modelagem de informação de construção (BIM) e entrega integrada (integrated delivery). Uma das escolhas dos construtores foi a do sistema Supercap para cobrir as lajes ao invés de usar o sistema tradicional de acabamento. A nova tecnologia combina base cimentícia autonivelante com o bombeamento controlado por computador. Somente a aplicação de concreto por m2 aumentou em 25%.

Escola em tempo recorde com uso de concreto de secagem rápida: o cronograma original de construção da escola Billy Earl Dade Middle School, na região de Dallas, previa um total de 14 meses. Mas foi reduzido para quatro, com o uso de concreto de secagem rápida. O projeto de aplicação, desenvolvido pela empresa Aridus Rapid Drying Concrete, permitiu a formulação de um produto que evitou os problemas potenciais, principalmente nos pavimentos. Com isso, obteve-se um tempo de secagem acelerado, uma forte resistência à compressão e baixa permeabilidade. Em termos de volume, a obra consumiu um total de 15,3 mil m3, incluindo os 3,8 mil m3 produzidos pela Aridus para serem aplicados nos pavimentos. Na verdade, a equipe pôde instalar os pisos finais 21 dias após a aplicação do concreto, ao invés dos quatro meses convencionais.

Sistema de isolação térmica personalizado: a tecnologia da ThermaEZE, especializada em isolamento térmico, usa painéis sob medida, feitos de espuma de poliestireno expandido, instalado entre as paredes. Os painéis são implementados antes da aplicação do concreto e adotam uma estrutura patenteada que permanece “embarcada” no concreto. O resultado final é uma camada de concreto e um painel de isolação adicionado, com tiras de fixação expostas para facilitar a aplicação de drywall ou outros materiais.