FECHAR
FECHAR
14 de janeiro de 2013
Voltar
Concreto Hoje

Holandeses desenvolvem concreto que se renova sozinho

Em fase de testes, pesquisadores mostram como uma bactéria presente em águas de alta alcalinidade e rochas minerais podem evitar fissuras no concreto, automaticamente, sem intervenção de manutenção
Por Thomas Tjabbes

A demanda por soluções eficientes na construção civil aumenta, proporcionalmente, ao crescimento de uma população mundial que deve chegar a 9 bilhões de pessoas até 2025 e que vai precisar de domicílios. É nisso que pensam pesquisadores da Universidade Técnica de Delft, na Holanda. Eles estão desenvolvendo um concreto que promete dirimir significativamente os custos de reparo e manutenção nas estruturas, permitindo longa durabilidade às edificações e, naturalmente, garantindo a sua faixa de ocupação populacional. A novidade está em fase de testes e deve ser apresentada comercialmente em 2016, como um concreto que se autorrenova.

A solução é indicada, principalmente, nas construções em ambientes úmidos, onde o aço que compõe a estrutura pode sofrer com a impregnação de água por microrrachaduras no concreto, deteriorando-o. Algumas situações que demonstram a necessidade por esse tipo de material podem ser encontradas em túneis e instalações subterrâneas, sistemas de armazenamento de líquidos e resíduos perigosos, bem como estruturas dentro e perto de ambientes offshore, onde os sais da água são altamente agressivos ao aço. Em países muito frios, a tecnologia ainda pode ser aplicável a rodovias, considerando que os sais de degelo nas vias podem penetrar e contaminar a estrutura.

Por isso, o concreto autorrenovável é demonstrado com entusiasmo pelos pesquisadores de Delft. Henk Jonkers, PhD em microbiologia marinha e responsável pelo projeto, conta que a peça-chave para atingir as metas propostas foi a descoberta de uma bactéria presente em lagos de alta alcalinidade e rochas minerais, onde vivem naturalmente e conseguem resistir ao elevadíssimo nível de pH do ambiente, mesma condição encontrada no cimento. Isolando esses micro-organismos de seu habitat, a equipe estudou suas propriedades e descobriu o seguinte: concentrando a bactéria na mistura do concreto, em uma proporção de 100 milhões por m³, e adicionando um reagente, ela é capaz de regenerar automaticamente fissuras de até 0,5 mm.

De acordo com Jonkers, esse resultado ocorre devido a uma reação da bactéria ao entrar em contato com lactato de cálcio, componente encontrado no leite. Ela o converte para calcário e, assim, preenche as partes rompidas “O agente de cura do concreto é composto do reagente com esporos inativos da bactéria, que permanecem dormentes em uma cápsula protetora. Quando ocorre uma fissura, a proteção é rompida e a entrada de água ativa a bactéria, que, por sua vez, se alimenta e converte o reagente em calcário”, explica o cientista, ressaltando que o processo proporciona um reparo 100% automático das rachaduras, já que as cápsulas são colocadas ainda na mistura do concreto.