FECHAR
FECHAR
20 de fevereiro de 2013
Voltar
Especial Ceará - Energia

Ceará, potência eólica do Brasil

O Ceará é atualmente o maior produtor de energia eólica do Brasil, são 18 parques instalados com capacidade de produção de 519 megawatts, o que corresponde a 56% da produção nacional. Além desses, existem hoje 75 projetos de parques eólicos a serem instalados no estado, nos próximos anos, com previsão de produção de um total de 1.800 MW, conforme dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), suficientes para atender a todas as demandas do estado. Já no início de 2013 devem entrar em operação mais seis parques eólicos no estado. São eles os parques de Buriti (30 MW); Garças (30 MW); Caju-Coco (30 MW); Coqueiros (27 MW); Vento do Oeste (19,5 MW) e Lagoa Seca (20 MW).

A localização geográfica privilegiada, com ampla faixa de litoral e as condições climáticas favoráveis oferecem as circunstâncias necessárias para o sucesso de investimentos nesta nova matriz energética. De acordo com análise realizada pelo Centro Brasileiro de Energia Eólica, em todo o litoral cearense há a incidência de fortes ventos, com uma média anual de velocidade entre 8,0 e 10,0 m/s, com baixa turbulência e alta persistência de direção no quadrante nordeste/sul. Tudo isso corresponde às melhores características do mundo para aproveitamento da energia eólica em larga escala. Além da energia dos ventos, o Ceará também é pioneiro em investimento e pesquisas que extraem energia da luz do sol e da movimentação das marés.

Os parques eólicos cearenses se concentram principalmente nos municípios de Aquiraz, Acaraú, Montada, Aracati, Beberibe, Camocim, Paracuru, São Gonçalo do Amarante e Fortaleza. Todas, cidades do litoral. A produção de energia eólica, juntamente com a solar, traz menos riscos e menores transtornos naturais, uma vez que utiliza fontes renováveis em sua forma natural. A energia eólica não contamina, é inesgotável e freia o esgotamento de combustíveis fósseis, contribuindo para evitar a mudança climática.

Os primeiros estudos para a implantação de parques eólicos no Ceará começaram na década de 1990. Nessa época foram instalados no estado os primeiros anemógrafos computadorizados – sensores especiais que registram continuamente a direção (em graus) e a velocidade instantânea dos ventos (em m/s), bem como a distância total (em km) percorrida pelos ventos com relação ao instrumento e as rajadas (em m/s).

Os resultados dessas medições permitiram determinar o potencial eólico local e a instalação das primeiras turbinas eólicas do Brasil. Localizada no município de São Gonçalo do Amarante, a Central Eólica de Taíba, com 5 MW de potência, foi a primeira a atuar como produtora independente no País. Em operação desde janeiro de 1999, a usina é composta por 10 turbinas de 500 kW, geradores, rotores de 40 m de diâmetro e torres de 45 m de altura.