17 de maio de 2017
Voltar
Aço na Construção

Aço: Projeto e Durabilidade

Manual sobre a durabilidade de componentes metálicos frente à corrosão ajuda a disseminar informações técnicas e as melhores práticas na utilização do material

O Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) lançou, no início de abril, a segunda edição do manual “Projeto e Durabilidade”, direcionado aos profissionais envolvidos com o uso do aço na construção civil. A publicação tem o objetivo de auxiliar arquitetos e engenheiros no entendimento de um anexo normativo que trata da durabilidade de componentes metálicos frente à corrosão, encontrado na norma brasileira sobre projetos de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios.

A utilização dessa norma, que data de 2008, como referência para outras mais recentes, como a “Edificações habitacionais – Desempenho”, comprova que a busca por soluções que prolonguem a durabilidade dos componentes metálicos é cada vez mais comum em nossa sociedade, ainda muito marcada pela hegemonia do concreto como principal elemento construtivo. Motivado por esse interesse crescente, o manual também tem a finalidade de colaborar com a redução dos custos oriundos da corrosão.

Expondo de forma relativamente simples e racional como o conhecimento disponível atualmente pode ser explorado de modo eficaz no controle da corrosão, a publicação pode ser acessada através do link www.cbca-acobrasil.org.br/site/publicacoes-manuais, após o compartilhamento no Linkedin ou no Facebook do interessado.

Obras limpas, com redução de resíduos, leveza, versatilidade e garantia de maior produtividade são algumas das características das construções metálicas. A tendência em industrializar a construção, buscando o ganho de produtividade e sustentabilidade, está se tornando cada vez mais presente entre os empreendedores e construtores. De acordo com o Relatório de Atividades 2016 do CBCA, a participação da construção em aço continuou sendo responsável por 36% do consumo de todo o aço destinado à construção civil em 2015. Em 2016, a produção de aço bruto do Brasil e foi de 30,2 milhões de toneladas e os setores automobilístico, de máquinas e equipamentos e de construção civil, chegaram a representar 80% do consumo de aço no país.

O Brasil é o oitavo produtor mundial de aço com 29 usinas siderúrgicas com capacidade de produção de aproximadamente 48 milhões de toneladas ao ano. É exportado para mais de 100 países e seu consumo per capita é de 104 quilos de produto siderúrgico.

Em parceria com a Associação Brasileira da Construção Metálica (ABCEM) e o Institut


O Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) lançou, no início de abril, a segunda edição do manual “Projeto e Durabilidade”, direcionado aos profissionais envolvidos com o uso do aço na construção civil. A publicação tem o objetivo de auxiliar arquitetos e engenheiros no entendimento de um anexo normativo que trata da durabilidade de componentes metálicos frente à corrosão, encontrado na norma brasileira sobre projetos de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios.

A utilização dessa norma, que data de 2008, como referência para outras mais recentes, como a “Edificações habitacionais – Desempenho”, comprova que a busca por soluções que prolonguem a durabilidade dos componentes metálicos é cada vez mais comum em nossa sociedade, ainda muito marcada pela hegemonia do concreto como principal elemento construtivo. Motivado por esse interesse crescente, o manual também tem a finalidade de colaborar com a redução dos custos oriundos da corrosão.

Expondo de forma relativamente simples e racional como o conhecimento disponível atualmente pode ser explorado de modo eficaz no controle da corrosão, a publicação pode ser acessada através do link www.cbca-acobrasil.org.br/site/publicacoes-manuais, após o compartilhamento no Linkedin ou no Facebook do interessado.

Obras limpas, com redução de resíduos, leveza, versatilidade e garantia de maior produtividade são algumas das características das construções metálicas. A tendência em industrializar a construção, buscando o ganho de produtividade e sustentabilidade, está se tornando cada vez mais presente entre os empreendedores e construtores. De acordo com o Relatório de Atividades 2016 do CBCA, a participação da construção em aço continuou sendo responsável por 36% do consumo de todo o aço destinado à construção civil em 2015. Em 2016, a produção de aço bruto do Brasil e foi de 30,2 milhões de toneladas e os setores automobilístico, de máquinas e equipamentos e de construção civil, chegaram a representar 80% do consumo de aço no país.

O Brasil é o oitavo produtor mundial de aço com 29 usinas siderúrgicas com capacidade de produção de aproximadamente 48 milhões de toneladas ao ano. É exportado para mais de 100 países e seu consumo per capita é de 104 quilos de produto siderúrgico.

Em parceria com a Associação Brasileira da Construção Metálica (ABCEM) e o Instituto de Metais não Ferrosos (ICZ), o CBCA realizou nova pesquisas para definir o perfil do setor e dos fabricantes de estruturas de aço, de telhas de aço e steel deck e perfis galvanizados para light steel frame e drywall. A pesquisa teve acréscimo de 27% no número de empresas pesquisadas em relação ao ano anterior, com um total de 324 empresas, o que significa maior aproximação com os fabricantes do país.

Entre outros dados interessantes, o trabalho revelou que essas empresas empregaram aproximadamente 20,9 mil trabalhadores, faturaram cerca de R$ 6,9 bilhões e produziram 1,234 milhão de toneladas de estruturas em aço no ano de 2015. Apesar do cenário macroeconômico desfavorável, a pesquisa aponta que 93% dessas empresas projetam crescimento no ano 2016.

A pesquisa Perfil dos Fabricantes de Telhas de Aço e Steel Deck em sua 4ª edição, contou com a participação de 121 empresas pesquisadas que, ao longo de 2015, produziram 395.342 toneladas de telhas de aço e steel deck. Aproximadamente 4,3 mil funcionários trabalham nessas empresas que faturaram no ano 2015 cerca de R$ 1,6 bilhão. Quando questionadas sobre a expectativa da produção no ano 2016, 93% previam crescimento em comparação ao ano anterior.

Já a pesquisa Cenário dos Fabricantes de Perfis Galvanizados para Light Steel Frame e Drywall, em sua 3ª edição, apontou índices positivos na contramão das pesquisas realizadas no país sobre a construção civil. Essa análise reforça a premissa de que em tempos de crise, novos sistemas surgem como solucionadores de problemas. A produção de perfis galvanizados para light steel frame, por exemplo, aumentou 2% em relação ao ano anterior (2014), chegando a 46.190 toneladas no ano 2015. Esses perfis foram em sua grande maioria empregados em edificações industriais. A capacidade produtiva passou de 48% para 50% no seu nível de utilização.

Já a produção de perfis para drywall apresentou acréscimo de 0,4%, chegando a 98.290 toneladas. Esses perfis foram em sua grande maioria empregados em edificações comerciais. A capacidade produtiva passou de 66% para 67% no seu nível de utilização. Os fabricantes de perfis para light steel frame e para drywall empregaram 1.300 pessoas e faturaram cerca de 496 milhões de reais, um acréscimo expressivo de 24% em relação ao ano anterior.

Mais materias sobre esse tema