FECHAR
FECHAR
26 de agosto de 2013
Voltar
Artigo

A importância do protagonismo do cliente na gestão dos empreendimentos

Por Maurício Martins Lopes, PMP

São muitos os fatores que influenciam positiva ou negativamente o desempenho e até o atingimento dos objetivos de um empreendimento. Podem ser enumerados fatores tais como os ambientais internos ou externos ao empreendimento, as constantes mudanças no curso do empreendimento, o planejamento eficiente ou deficiente e tantos outros aspectos. No entanto, um dos fatores mais significativos e impactantes nos objetivos do empreendimento é a influência dos stakeholders.

Os stakeholders são pessoas, grupos ou organizações que influenciam ou são influenciados de forma positiva ou negativa dentro de um empreendimento. Em um empreendimento na área de engenharia&construção muitos são os stakeholders. São muitos exemplos, mas podem ser destacados a construtora, as empresas projetistas, a gerenciadora, os diversos fornecedores, os diversos órgãos públicos, as agências reguladoras, as concessionárias, sindicatos e o cliente. E é exatamente este último, o cliente, o empreendedor da obra, que vai merecer aqui o foco e atenção especial.

Ninguém melhor que o cliente está alinhado aos objetivos estratégicos, as quais o empreendimento se propõe. Por isso, ele é o stakeholder mais importante e é quem deve ter as rédeas na gestão do empreendimento. Delegar ou transferir este conhecimento em relação aos objetivos estratégicos a outros stakeholders, também importantes, como os projetistas, a gerenciadora ou a construtora, é uma armadilha, que por vezes torna-se irremediável.

A importância do cliente passa a ser mais significativa à medida que existem muitos outros stakeholders internos nele e que estão envolvidos no empreendimento, tais como as áreas de operações, de marketing, de finanças e muitas outras dependendo do ramo de atuação e do tipo de empreendimento.

Cada um desses personagens internos tem diferentes interesses e expectativas dentro do empreendimento (em muitos casos até conflitantes). Isto vai requerer do gerente do empreendimento pelo cliente uma efetiva gestão, garantindo a harmonia nas diversas interfaces desses personagens internos. Caso contrário, os objetivos do empreendimento, e em outra dimensão, os objetivos estratégicos da organização podem não ser plenamente alcançados.

As várias fases de um empreendimento

Um empreendimento deve ser visto como um conjunto de fases progressivas e que se inicia no seu nascedouro, seja a partir de uma ideia, de uma oportunidade ou como uma ação estabelecida no plano estratégico da organização e que se encerra com a sua entrega completa. Um empreendimento de construção tem suas fases definidas basicamente como  de viabilidade, de engenharia (anteprojetos, projetos básicos e projetos executivos), de contratações, de construção (e montagem quando for o caso), de testes e comissionamento e de startup.