FECHAR
FECHAR
26 de julho de 2018
Voltar

Máquinas e Equipamentos

Robbins Double Shield está conquistando o Himalaia

O primeiro TBM do Nepal perfura 1.000 metros em um mês
Fonte: Assessoria de Imprensa

A primeira perfuradora de túneis do Nepal, a Robbins Double Shield tem 5,06 m (16,6 pés) de diâmetro. O TBM, fornecido no verão de 2017 para o Projeto Polivalente Bheri Babai Diversion (BBDMP), recentemente perfurou mais de 1.000 m (3.280 pés) em um mês e tem uma média de impressionantes 800 m (2.630 pés) por mês. O projeto é do Departamento de Irrigação do Governo do Nepal (DOI) e é operado pelo empreiteiro China Overseas Engineering Group Co. Ltd. no Nepal (COVEC Nepal).

A decisão de usar um TBM para o projeto BBDMP - designado pelo governo como um dos 11 National Pride Projects do Nepal - foi um ponto de partida para um país que tem optado pelo método convencional de escavação de túneis.

Estudos iniciais feitos no caminho do túnel previam que a escavação de perfuração e explosão do túnel de 12,2 km (7,5 mi) levaria cerca de 12 anos para ser concluída. O túnel está localizado na cordilheira de Siwalik, parte das montanhas do sul do Himalaia, onde a geologia consiste principalmente de arenito, lamito e conglomerado.

O Sr. Wang Wu Shui, Gerente Geral da COVEC Nepal, citou vários fatores que contribuíram para as boas taxas de avanço até agora: “Na China, há um provérbio sobre a construção da TBM: 'a geologia é a premissa, o equipamento é a base e talentos são a chave '.

As grandes taxas de avanço alcançadas atualmente residem principalmente em planejamento preliminar, controle de processos e pessoal de construção profissional. ”Shui acrescentou que treinamento técnico e orientação são fornecidos para cada cargo para que todo o pessoal possa entender completamente suas responsabilidades de trabalho e equipe. Se surgirem circunstâncias imprevistas e não houver operador para uma determinada posição, outras pessoas terão treinamento suficiente para preencher o papel.

Para garantir o melhor desempenho do TBM e evitar o tempo de inatividade, a manutenção da máquina ocorre diariamente em um horário fixo. Engenheiros geológicos são enviados para analisar as condições do solo duas vezes ao dia, para que o pessoal de construção possa ajustar os parâmetros de tunelamento e se preparar para medidas auxiliares se as mudanças geológicas forem previstas.

As condições do solo durante o mês recorde consistiram principalmente em arenito e lamito, mas isso está prestes a mudar. Por volta da marca de 5,8 km, a máquina encontrará uma zona de falha importante conhecida como Bheri Thrust. A entrada de argila e água é esperada em toda a falha, que tem cerca de 400 a 600 m de largura.

Produção editorial: Revista Grandes Construções – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral