FECHAR
06 de agosto de 2020
Voltar

Painéis solares ficam 12% mais baratos após governo zerar imposto de importação

Isenção dos impostos sobre importação de equipamentos de energia solar começaram a valer desde o dia 1º de agosto
Fonte: Assessoria de Imprensa

Desde o dia 1º de agosto os equipamentos de energia solar não têm mais incidência do imposto de importação.

A decisão do governo brasileiro em zerar os impostos vale tanto para módulos fotovoltaicos quanto para alguns acessórios. Com isso, as placas solares ficam 12% mais baratas, conforme explica Sandro Marin, diretor da Tek Trade, empresa especializada na importação de painéis solares.

“As placas fotovoltaicas já tinham um benefício fiscal no âmbito do IPI e ICMS. Sem o imposto de importação aumenta ainda mais o incentivo e isso se traduz em uma redução do custo em 12%. Agora, a única incidência de imposto sobre o custo da placa solar importada é PIS e Cofins”, informa.

A medida, publicada no Diário Oficial da União em 22 de julho, tem validade até o final de 2021 e deve impulsionar a implantação de energia limpa no país. Para Marin, com a redução dos impostos de importação, a energia fotovoltaica se torna cada vez mais competitiva no mercado e, além de produzir energia sustentável, proporciona economia em longo prazo.

“Com certeza o mercado vai ficar mais aquecido, ainda não podemos dizer o quanto, porque há muita incerteza econômica por causa da pandemia. Mas isso ...


Desde o dia 1º de agosto os equipamentos de energia solar não têm mais incidência do imposto de importação.

A decisão do governo brasileiro em zerar os impostos vale tanto para módulos fotovoltaicos quanto para alguns acessórios. Com isso, as placas solares ficam 12% mais baratas, conforme explica Sandro Marin, diretor da Tek Trade, empresa especializada na importação de painéis solares.

“As placas fotovoltaicas já tinham um benefício fiscal no âmbito do IPI e ICMS. Sem o imposto de importação aumenta ainda mais o incentivo e isso se traduz em uma redução do custo em 12%. Agora, a única incidência de imposto sobre o custo da placa solar importada é PIS e Cofins”, informa.

A medida, publicada no Diário Oficial da União em 22 de julho, tem validade até o final de 2021 e deve impulsionar a implantação de energia limpa no país. Para Marin, com a redução dos impostos de importação, a energia fotovoltaica se torna cada vez mais competitiva no mercado e, além de produzir energia sustentável, proporciona economia em longo prazo.

“Com certeza o mercado vai ficar mais aquecido, ainda não podemos dizer o quanto, porque há muita incerteza econômica por causa da pandemia. Mas isso vai impulsionar novos projetos tanto residenciais quanto empresariais. Mesmo quem não é do ramo vai ver que vale a pena investir em um sistema como esse”, afirma Marin.

Retorno para os próximos 30 anos
A instalação de um sistema fotovoltaico ainda gera muitas dúvidas, principalmente em termos de valores.

Marin explica que, atualmente, uma residência com até quatro pessoas consegue instalar placas solares ao custo de aproximadamente R$ 22 mil para suprir praticamente toda demanda de energia.

No entanto, esse valor pode ser financiado em até cinco anos com juros abaixo de 1% ao mês tanto por bancos públicos como privados que, segundo Marin, têm interesse neste tipo de investimento pelo tempo de geração de energia, com garantia real.

Quem gasta R$ 800 de luz por mês, por exemplo, consegue instalar um sistema que gera toda quase toda a energia do imóvel e durante quatro a cinco anos pode pagar o equipamento com prestações no mesmo valor. Ou seja, ao invés de pagar a conta de luz, paga apenas o financiamento.

“Após a quitação do equipamento os módulos fotovoltaicos continuam gerando energia por mais 25 anos praticamente de graça, e é aí que está o ganho, em longo prazo”, explica Marin.