FECHAR
FECHAR
25 de outubro de 2018
Voltar

Mobilidade

Número de passageiros na Chácara Klabin foi multiplicado por seis: de 8 mil para 48 mil em uma semana

Novas estações fazem linha da Paulista ter 50 mil viagens a mais por dia
Fonte: O Estado de São Paulo

A Linha 2-Verde da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) passou a ter 50 mil viagens diárias a mais após o início da operação em horário comercial das novas estações da Linha 5-Lilás. O número saltou de uma média de 701 mil, nos dias úteis de agosto, para de 750 mil a 753 mil, na semana passada.

O aumento de usuários no ramal já era esperado pelos engenheiros da empresa e por especialistas. O motivo é que a nova Linha 5 abriu mais opções de conexão para os passageiros que circulam pela rede, sobretudo da zona sul. Antes, muitos tinham como única forma de conexão um circuito de baldeações que incluía a Linha 5-Lilás até Santo Amaro, a Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e a Estação Pinheiros da Linha 4-Amarela.

Agora, há possibilidade de o usuário fazer conexões diretas entre a zona sul e as Linhas 1-Azul e 2-Verde, nas Estações Santa Cruz e Chácara Klabin. Essas paradas, pelos dados da companhia, tiveram aumento ainda maior do número de usuários. Na Santa Cruz, na semana passada, a média foi de 108 mil passageiros por dia, ante média anterior de 63 mil nos dias úteis.

Na Chácara Klabin, que até setembro era a estação mais vazia de toda a rede metroferroviária, o número foi multiplicado por seis: o total de usuários passou de 8 mil para 48 mil em uma semana. Segundo a ViaMobilidade, concessionária que administra a Linha 5-Lilás, na Estação Chácara Klabin embarcaram 42 mil pessoas, na média, nos dias 16 e 17 da semana passada. Na Santa Cruz, foram 60 mil pessoas, na média dos mesmos dias.

Os usuários já sentiram a diferença. “Antes da abertura da Linha 5-Lilás não tinha ninguém aqui na Chácara Klabin. Eu percebi que depois da inauguração aumentou o número de usuários, mas o trem não chega a ficar lotado”, diz a usuária Paola Couto Rennó, de 32 anos, que usa a Linha 2 diariamente.

“A baldeação reduz o fluxo de passageiros nas outras linhas”, afirma o usuário Antônio Souza, de 47 anos. “Era vazio. Quatro, cinco pessoas esperavam o trem na plataforma”, diz Aline Feitosa da Silva, de 32 anos.