01 de agosto de 2019
Voltar

CONSTRUÇÃO

Levantamento da CNI aponta reação no setor de construção

Índice de evolução do nível de atividade alcançou 48,2 pontos, o melhor resultado desde novembro de 2013
Fonte: O Estado de S. Paulo

O setor da construção civil ainda enfrenta dificuldades, mas começa a apresentar uma tendência de melhora na atividade e na geração de empregos e mais otimismo em relação ao futuro.

É o que mostram os dados da Sondagem Indústria da Construção, divulgados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O índice de evolução do nível de atividade do setor aumentou 1,3 ponto em junho, para 48,2 pontos.

Trata-se do melhor resultado desde novembro de 2013, quando foi a 49,5 pontos. Mesmo ainda abaixo da linha divisória dos 50 pontos, ele cresceu pelo quinto mês consecutivo e acumula alta de 4,2 no período.

O indicador de atividade está 1,5 ponto acima do registrado em junho de 2018 e 2,7 pontos acima de sua média histórica.

"Ou seja, ainda que abaixo da linha divisória, o índice sugere um cenário bem mais benigno para o setor", informou a CNI.

O indicador de emprego também melhorou, com alta de 2,2 pontos, para 47,2 pontos. É quinto aumento consecutivo do índice, que acumula alta de 4,7 pontos no período.

O estudo revela ainda que a falta de demanda é apontada como um dos principais problemas enfrentados pelas empresas do setor.

Mas, os índices de condições financeiras, ainda que bem abaixo do observado antes da crise, voltaram a melhorar no segundo trimestre.

Otimismo

Na esperança de uma retomada, as expectativas da construção melhoraram pelo segundo mês consecutivo.

Todos os índices de expectativa se afastaram da linha divisória de 50 pontos, mostrando maior otimismo dos empresários da indústria da construção.

É o caso dos índices de nível da atividade (56,4 pontos), novos empreendimentos e serviços (56,4 pontos), compra de insumos e matérias-primas (55,1) e número de empregados (54,6).

A Sondagem Indústria da Construção consultou 488 empresas, sendo 172 de pequeno porte, 209 médio de porte e 107 de grande porte. Os dados foram coletados entre 1º e 11 de julho.