FECHAR
08 de outubro de 2020
Voltar

Intermodal Xperience 2020 debate desburocratização

Assunto foi destacado pelas principais autoridades do setor, que marcaram presença na solenidade de abertura do evento digital
Fonte: Assessoria de Imprensa

Teve início na terça-feira (dia 7 de outubro) a primeira edição do Intermodal Xperience, evento digital da Intermodal South America que se propõe a conectar os profissionais do setores logístico, de transporte de cargas e de comércio exterior.

Entre os temas abordados, veio à tona o debate a respeito da urgência da desburocratização dos setores logístico e de infraestrutura brasileiro para garantir seu desenvolvimento. Foi o que disse, por exemplo, o diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Juliano Noman, que ressaltou algumas das ações da agência reguladora em prol deste objetivo.

"Estamos tomando uma série de medidas internas em nossa agência para garantir mais produtividade e diminuir a burocratização do setor", afirmou. “Isso inclui propostas para reduzir a morosidade destes mercados, proporcionando mais investimentos, flexibilidade, geração de empregos etc.”

A superintendente de serviços de transporte rodoviário e multimodal de cargas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Rosimeire Lima, também destacou as iniciativas da agência em busca da garantia de uma maior agilidade aos processos logísticos do setor.

"Também visamos adotar a política púb...


Teve início na terça-feira (dia 7 de outubro) a primeira edição do Intermodal Xperience, evento digital da Intermodal South America que se propõe a conectar os profissionais do setores logístico, de transporte de cargas e de comércio exterior.

Entre os temas abordados, veio à tona o debate a respeito da urgência da desburocratização dos setores logístico e de infraestrutura brasileiro para garantir seu desenvolvimento. Foi o que disse, por exemplo, o diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Juliano Noman, que ressaltou algumas das ações da agência reguladora em prol deste objetivo.

"Estamos tomando uma série de medidas internas em nossa agência para garantir mais produtividade e diminuir a burocratização do setor", afirmou. “Isso inclui propostas para reduzir a morosidade destes mercados, proporcionando mais investimentos, flexibilidade, geração de empregos etc.”

A superintendente de serviços de transporte rodoviário e multimodal de cargas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Rosimeire Lima, também destacou as iniciativas da agência em busca da garantia de uma maior agilidade aos processos logísticos do setor.

"Também visamos adotar a política pública do Governo Federal de desburocratização do setor, tanto no transporte rodoviário nacional de cargas quanto no internacional, em que muitos serviços foram inseridos no portal federal com o intuito de digitalizá-los e desburocratizá-los", pontuou.

Já o secretário executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, corroborou com a necessidade de mais investimentos no setor, para alavancar a competitividade do Brasil no cenário internacional e atrair novos aportes ao país. "Sabemos que um país competitivo atrai novos investimentos e gera empregos aos profissionais do mercado”, apontou. “Além disso, sabemos da importância de se investir em infraestrutura e que a plena retomada econômica do Brasil só ocorrerá a partir de aportes nesta área."

Para isso, Sampaio reconhece que é preciso apostar também em parcerias com a iniciativa privada. "Nossos investimentos na agenda de transportes vêm crescendo a cada dia e muito desse resultado se deve a seguirmos trabalhando forte na parceria com a iniciativa privada”, disse.

“Nosso intuito é continuar nessa toada, tanto é que pretendemos dobrar os investimentos conjuntos no setor nos próximos anos. A expectativa é receber, em média, aportes de até R$ 200 bilhões de reais vindos da iniciativa privada daqui em diante. Ou seja, nossa ideia é realizar investimentos na ordem de R$ 305 bilhões de reais na área de infraestrutura nos próximos anos e, desse total, cerca de 60% viria do âmbito privado", acrescentou.