FECHAR
FECHAR
28 de maio de 2020
Voltar

RESULTADOS

Indústria da construção civil registrou 50% de ociosidade em abril

Resultados da Sondagem da Industria da Construção, da CNI, mostram queda na atividade e no número de empregados entre março e abril. A utilização da capacidade operacional é a menor da série histórica
Fonte: Assessoria de Imprensa

A indústria da construção civil foi duramente afetada em abril. De acordo com a Sondagem Industria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a utilização da capacidade operacional foi de 50% no mês passado, o valor mais baixo da série histórica, iniciada em 2012.

“Essa queda reflete os efeitos da crise provocada pelo Coronavirus na atividade e não há dúvidas de que a alta ociosidade da indústria deve permanecer enquanto durar o isolamento social”, diz o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

A pesquisa mostra que os índices de evolução do nível de atividade e do número de empregados permanecem bem abaixo da linha de 50 pontos. O indicador de evolução do nível de atividade registrou 29,4 pontos e o índice de evolução do número de empregados recuou para 24,1 pontos. Esse dado varia entre 0 e 100 e todo valor abaixo de 50 é negativo.

Diante disso, o Índice de Confiança do Empresário Industrial da Construção (ICEI-Construção) registrou 37,6 pontos em maio, bem abaixo do ponto em que se inicia expectativas otimistas.

Os componentes do ICEI-construção mostram que a avaliação das condiç&o...


A indústria da construção civil foi duramente afetada em abril. De acordo com a Sondagem Industria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a utilização da capacidade operacional foi de 50% no mês passado, o valor mais baixo da série histórica, iniciada em 2012.

“Essa queda reflete os efeitos da crise provocada pelo Coronavirus na atividade e não há dúvidas de que a alta ociosidade da indústria deve permanecer enquanto durar o isolamento social”, diz o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

A pesquisa mostra que os índices de evolução do nível de atividade e do número de empregados permanecem bem abaixo da linha de 50 pontos. O indicador de evolução do nível de atividade registrou 29,4 pontos e o índice de evolução do número de empregados recuou para 24,1 pontos. Esse dado varia entre 0 e 100 e todo valor abaixo de 50 é negativo.

Diante disso, o Índice de Confiança do Empresário Industrial da Construção (ICEI-Construção) registrou 37,6 pontos em maio, bem abaixo do ponto em que se inicia expectativas otimistas.

Os componentes do ICEI-construção mostram que a avaliação das condições correntes se tornou mais negativa, embora o pessimismo com relação aos próximos seis meses tenha diminuído.