FECHAR
13 de agosto de 2020
Voltar

ICSK toma medidas no combate ao Coronavírus no setor de construção de linhas de transmissão de energia

Com obras em andamento na Bahia e no Pará, empresa obtém êxito na contenção da pandemia por meio de diversas ações coordenadas junto às equipes e aos municípios
Fonte: Assessoria de Imprensa

A ICSK, uma das principais empresas chilenas de engenharia e construção, que atua no Brasil desde 2016, não foi a única empresa do setor de construção a ser impactada pela pandemia de Covid-19.

Contudo, diversas medidas tomadas pela empresa a partir do início da pandemia – de ações internas, como a adoção de protocolos de segurança, a iniciativas coordenadas com autoridades dos municípios nos quais atua – fizeram com que a ICSK se tornasse um caso de sucesso no controle do avanço da doença em obras de grande porte, que contam com mais de 2.000 trabalhadores, grande rotatividade de pessoas em diferentes estágios da obra e elevadas distâncias entre os pontos de trabalho.

"O programa de contenção à Covid-19 se iniciou na Bahia, entre os municípios de Bom Jesus da Lapa a Gentio do Ouro, onde a empresa atua na construção de um projeto que envolve a instalação de 557 torres para a linha de transmissão da ETB, que está quase pronta, e agora, devido à sua eficácia, o programa está sendo reproduzido no projeto Novo Estado, recentemente iniciado, nos municípios de Pacajá e Vila Cruzeiro, no Pará", informa Tiago Benini, Superintendente de QSMS da ICSK.

Na Bahia, a ICSK investiu valores expressivos na dispon...


A ICSK, uma das principais empresas chilenas de engenharia e construção, que atua no Brasil desde 2016, não foi a única empresa do setor de construção a ser impactada pela pandemia de Covid-19.

Contudo, diversas medidas tomadas pela empresa a partir do início da pandemia – de ações internas, como a adoção de protocolos de segurança, a iniciativas coordenadas com autoridades dos municípios nos quais atua – fizeram com que a ICSK se tornasse um caso de sucesso no controle do avanço da doença em obras de grande porte, que contam com mais de 2.000 trabalhadores, grande rotatividade de pessoas em diferentes estágios da obra e elevadas distâncias entre os pontos de trabalho.

"O programa de contenção à Covid-19 se iniciou na Bahia, entre os municípios de Bom Jesus da Lapa a Gentio do Ouro, onde a empresa atua na construção de um projeto que envolve a instalação de 557 torres para a linha de transmissão da ETB, que está quase pronta, e agora, devido à sua eficácia, o programa está sendo reproduzido no projeto Novo Estado, recentemente iniciado, nos municípios de Pacajá e Vila Cruzeiro, no Pará", informa Tiago Benini, Superintendente de QSMS da ICSK.

Na Bahia, a ICSK investiu valores expressivos na disponibilização de testes e de equipamentos de prevenção como borrifadores de álcool gel para desinfecção diária dos ambientes da obra, dos refeitórios e veículos; pulseiras de identificação, na criação de áreas de contenção dentro dos canteiros e na sede administrativa; reestruturação de alojamentos e áreas comuns com instalação de totens "dispensers" de álcool, lixeiras acionadas por pedal e placas de sinalização e locação de imóveis exclusivos para abrigar grupos de colaboradores classificados como sintomáticos, recém chegados de outros estados ou municípios e colaboradores que testaram positivo pelo SARS CoV-2.

A ICSK também reforçou sua equipe de QSMS da obra, contando com a contratação de mais 15 profissionais da saúde, entre médicos, enfermeiros, psicólogos e motoristas de ambulância.

As ações da ICSK estão rendendo bons frutos. No início da pandemia, a obra contava com aproximadamente 1.300 profissionais e no decorrer dos primeiros meses foram constatados 274 casos suspeitos registrados que tiveram acompanhamento e destes, apenas 20 testaram positivos pelo método RT-PCR, que é considerado o padrão-ouro pela OMS, sendo, portanto, de maior eficiência, permitindo constatar a contaminação desde o primeiro dia de contágio, sem riscos de falsos positivos e negativos.

Além disso, apenas um contaminado chegou a ficar em observação em ambiente hospitalar, mas teve alta após três dias. Nenhum caso de óbito foi registrado desde o início da pandemia em março.

“Presenciamos uma verdadeira quebra de paradigma na forma de realizar uma obra desse porte, com a realização de ações em diversas frentes, que asseguraram um excelente resultado em termos da contenção da contaminação pelo Covid-19”, destaca Brunno Cesar Silvestrini, Coordenador do QSMS da ICSK na Bahia.

Entre as medidas adotadas pela ICSK, destacam-se a triagem, a aferição diária de temperatura dos 1.300 profissionais e a aplicação de testes rápidos conforme critérios regulamentares e janela imunológica para detecção.

Em Paratinga, BA, a ICSK realizou duas etapas de testagem: inicialmente foi realizada a triagem por anamnese criteriosa, com auxílio médico para a identificação de casos suspeitos ou sintomáticos com aplicação dos testes rápidos, conforme período de incubação e janela imunológica ideal para resultados de maior assertividade, e após, a realização de testes RT-PCR, para confirmação do resultado.

“Por meio dos nossos protocolos internos, isolamos rapidamente os casos suspeitos e confirmados, baixando a curva e diminuindo a possibilidade de contágio na obra", explica Silvestrini.

Todos os casos suspeitos e confirmados foram monitorados diariamente pela equipe de saúde, em locais específicos para esta finalidade, para assegurar o isolamento. Todo o acompanhamento foi realizado por profissionais devidamente treinados e qualificados para as visitas “in loco” ou via teleatendimento.

Além disso, Silvestrini lembra que, no início, havia muita preocupação dos municípios quanto à segurança e disseminação do vírus pela empresa, por envolver um grande contingente de pessoas no projeto e pela circulação de equipes entre os municípios de Bom Jesus da Lapa a Brotas de Macaúbas.

“Nossa estratégia principal além de pôr em prática todo o plano de ação de prevenção, foi municiar as SMS (Secretarias Municipais de Saúde) e Prefeituras com todas informações sobre a atividade itinerante, cronogramas executivos, fluxo de pessoas e sua respectiva logística, bem como dados de monitoria e desenvolvimento de ações integradas junto às representadas de cada SMS”, acrescenta Silvestrini.

Este foi um trabalho importantíssimo para o ganho da confiança e transparência, com diversas reuniões com representantes das SMS, Prefeituras e líderes de comunidades. É importante ressaltar a forte mudança de cultura no dia-a-dia de uma obra convencional de Linha de Transmissão.

Como por exemplo: adiantar os horários de chegada nos canteiros de obras e, antes de qualquer atividade, passar por triagem médica; utilizar frequentemente as máscaras de proteção; manter o distanciamento social; ausência dos Diálogo Diário de Segurança (DDS) nos canteiros de obras; redistribuição de equipes em alojamentos; etc.

“Um trabalho de grande sucesso foi o envolvimento de colaboradores da empresa em ações comunitárias junto aos munícipes, para a doação de kits de prevenção, material para orientação e realização de triagens em cada região pois, além de despertar em nossos colaboradores o senso de participação, colaborou para a maior aproximação da comunidade local, demonstrando nosso compromisso no combate e na prevenção da temida pandemia”, acrescenta Silvestrini”.

Mudanças na rotina de obras foram necessárias, tais como implementação de DDS (Diálogo Diário de Segurança) somente com pequenos grupos em “campo”; reuniões com corpo técnico e administrativos somente via conferência; controles de aderência diária para acompanhamento de resultados das triagens; intensas campanhas de comunicação e treinamentos para elevar o conhecimento e melhorar o desempenho na prevenção e no combate à Covid-19.