FECHAR
FECHAR
30 de abril de 2020
Voltar

RESULTADOS

Desempenho da indústria fabricante de máquinas e equipamentos

Em março de 2020, o setor de máquinas e equipamentos registrou faturamento de R$ 10,9 bilhões, crescimento de 10,6% sobre o mesmo mês de 2019
Fonte: Assessoria de Imprensa

No primeiro trimestre de 2020 a indústria brasileira de máquinas e equipamentos registrou queda de 5,2% na comparação com o último trimestre de 2019, mas crescimento de 2,3% sobre o primeiro trimestre de 2019 segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Na ponta, mesmo influenciado pela desaceleração dos investimentos no mercado global, o comportamento da indústria de máquinas e equipamentos manteve o crescimento sazonal do mês de março.

Em março de 2020, o setor de máquinas e equipamentos registrou faturamento de R$ 10,9 bilhões, crescimento de 10,6% sobre o mesmo mês de 2019, esse avanço da receita total foi sustentado pela melhora nas vendas internas que registraram crescimento de 15,7% no mesmo período, em contrapeso ao arrefecimento das vendas ao exterior medidas em dólar que recuaram -12,6%.

Todavia, vale lembrar de há desaceleração na ponta. O 4º trimestre de 2019 já havia dado sinais de atividade econômica mais lenta, no período a receita encolheu 9,8% contra o trimestre imediatamente anterior.

O resultado do primeiro trimestre de 2020 mostra continuidade dessa desaceleração (-5,2%). E em março, já há registro de queda na comparaç&a...


No primeiro trimestre de 2020 a indústria brasileira de máquinas e equipamentos registrou queda de 5,2% na comparação com o último trimestre de 2019, mas crescimento de 2,3% sobre o primeiro trimestre de 2019 segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Na ponta, mesmo influenciado pela desaceleração dos investimentos no mercado global, o comportamento da indústria de máquinas e equipamentos manteve o crescimento sazonal do mês de março.

Em março de 2020, o setor de máquinas e equipamentos registrou faturamento de R$ 10,9 bilhões, crescimento de 10,6% sobre o mesmo mês de 2019, esse avanço da receita total foi sustentado pela melhora nas vendas internas que registraram crescimento de 15,7% no mesmo período, em contrapeso ao arrefecimento das vendas ao exterior medidas em dólar que recuaram -12,6%.

Todavia, vale lembrar de há desaceleração na ponta. O 4º trimestre de 2019 já havia dado sinais de atividade econômica mais lenta, no período a receita encolheu 9,8% contra o trimestre imediatamente anterior.

O resultado do primeiro trimestre de 2020 mostra continuidade dessa desaceleração (-5,2%). E em março, já há registro de queda na comparação interanual (contra março 19) no nível de emprego (-1,2%), na carteira de pedidos (-13,4%) e no nível de utilização da capacidade instalada (-3,7%).

Diante dos desdobramentos da Covid-19 (Coronavirus) no mundo, o cenário interno é incerto no curto prazo. O natural esfriamento da demanda, a dificuldade de obter insumos tanto nacionais quanto importados, as dificuldades em obter capital de giro são algumas dessas preocupações dos fabricantes.