FECHAR
FECHAR
22 de novembro de 2018
Voltar

Especial Infraestrutura

Cultura da Inovação

ENGENHARIA CRIATIVA: Após criar um programa de inovação na construção, a Andrade Gutierrez testa novas soluções em campo, que envolvem desde o uso de drones até inteligência artificial.
Fonte:

Produzido pelo McKinsey Global Institute (MGI) em 2017, o relatório "Reinventing construction: A route to higher productivity" apontou um problema persistente para o setor de engenharia e construção: a baixa produtividade em comparação a outros setores econômicos, associada ao atraso tecnológico.

Projeto da Construcode possibilita interação no canteiro em tempo real

Segundo o relatório, a construção ainda é um dos ambientes menos digitalizados do mundo, conforme o Índice de Digitalização do MGI. Nos EUA, o setor ocupa o penúltimo lugar, enquanto na Europa é o último do Índice. Como se vê, o cenário é de urgência. Afinal, há um potencial de o setor elevar seu valor agregado em US$ 1,6 trilhão, mas também um abismo a ser superado para se chegar lá, ligado principalmente à incapacidade de se introduzir e assimilar inovações em todo o conjunto da cadeia produtiva.

O relatório indica que será preciso enfrentar desafios globais e uma revisão de todo o processo construtivo, com ênfase em aspectos como redefinição da regulamentação, readequação do modelo contratual para redefinir a dinâmica da indústria, remodelação dos processos de projeto e engenharia e melhoria na gestão de compras, cadeia de suprimentos e execução das obras. Por fim, sugere o uso de tecnologia digital, novos materiais e técnicas avançadas de automação, além de, é claro, dispor de mão de obra mais capacitada.

DESAFIOS

No Brasil, a construtora Andrade Gutierrez é um exemplo de como esse desafio já começou a ser enfrentado. No início deste século, a construtora percebeu que havia um gap entre as práticas convencionais e as possibilidades abertas pelo desenvolvimento da tecnologia, em um momento em que as inovações já sacudiam empresas de vários setores. Todavia, o tema Inovação só seria introduzido definitivamente na estratégia da empresa no biênio 2014/2015, no caso, com a meta de fortalecer o processo de compliance, em um momento crítico para a construtora, quando seu nome já aparecia nos autos da Lava Jato.

Em seguida, a Inovação passou a ser vista como um diferencial competitivo para o mercado. Assim, a empresa começou a estruturar um modelo para materializar o que ainda eram somente ideias. O ponto inicial se deu com um grupo interno de Lean Construction, mostrando que o tema ainda era visto como prerrogativa da área de engenharia.

Produção editorial: Revista Grandes Construções – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral