FECHAR
14 de novembro de 2019
Voltar

SUSTENTABILIDADE

Construtora em Ribeirão Preto adota composteira em obras

Projeto ambiental começou a ser estudado em 2017 e agora reutiliza resíduos orgânicos gerados no canteiro de obra
Fonte: Assessoria de Imprensa

A Bild Desenvolvimento Imobiliário acaba de instalar uma composteira em uma de suas obras em Ribeirão Preto.

Trata-se de um equipamento utilizado como alternativa para a destinação ambiental adequada dos restos de alimentos gerados nos refeitórios dos canteiros de obras da empresa.

A composteira piloto está instalada no canteiro de obras do empreendimento Über Miró, que fica na Avenida Giuseppe Cilento, 1643, ao lado do Über Parque Sul Roberto Francói.

A ideia da compostagem partiu da analista de qualidade, Regina Pedroni, e foi desenvolvida pelo aprendiz Pedro Silva.

Durante o período de estudos foram levantadas informações sobre como é possível desenvolver uma composteira, seus custos, vantagens e desvantagens, além da pesagem da geração de restos de alimentos no canteiro.

“Na obra do Gaudí, por exemplo, em apenas um dia foi constatado que cada colaborador da obra gera cerca de 51,74 gramas de resíduos. Com isso, os mais de 170 colaboradores da obra geram o equivalente a aproximadamente 9 kg de resíduos”, explica Regina Pedroni, responsável pela área de sustentabilidade da Bild.

Após a pesquisa, a assistente de qualidade Tamirys Martineli, também integrante do projeto, confeccionou a composteira piloto com o aproveitamento...


A Bild Desenvolvimento Imobiliário acaba de instalar uma composteira em uma de suas obras em Ribeirão Preto.

Trata-se de um equipamento utilizado como alternativa para a destinação ambiental adequada dos restos de alimentos gerados nos refeitórios dos canteiros de obras da empresa.

A composteira piloto está instalada no canteiro de obras do empreendimento Über Miró, que fica na Avenida Giuseppe Cilento, 1643, ao lado do Über Parque Sul Roberto Francói.

A ideia da compostagem partiu da analista de qualidade, Regina Pedroni, e foi desenvolvida pelo aprendiz Pedro Silva.

Durante o período de estudos foram levantadas informações sobre como é possível desenvolver uma composteira, seus custos, vantagens e desvantagens, além da pesagem da geração de restos de alimentos no canteiro.

“Na obra do Gaudí, por exemplo, em apenas um dia foi constatado que cada colaborador da obra gera cerca de 51,74 gramas de resíduos. Com isso, os mais de 170 colaboradores da obra geram o equivalente a aproximadamente 9 kg de resíduos”, explica Regina Pedroni, responsável pela área de sustentabilidade da Bild.

Após a pesquisa, a assistente de qualidade Tamirys Martineli, também integrante do projeto, confeccionou a composteira piloto com o aproveitamento de baldes de tinta que seriam descartados.

A composteira foi alocada no canteiro de obras do empreendimento Über Miró por possuir uma horta comunitária adequada.

“Trata-se de uma composteira artesanal que ainda está em fase de testes, pois são necessários meses para obtermos o resultado do composto orgânico”, explica Regina.

Funcionamento
O processo doméstico contém minhocas e microrganismos que transformam restos de comidas em adubo e biofertilizante (um líquido nutritivo para as plantas).

Segundo Tamirys, não gera odor e é totalmente higiênico. “Além de diminuir a quantidade de resíduos em aterros, reduzindo mais da metade da quantidade de lixo, a vantagem de fazer este tipo de compostagem impede a emissão de gases do efeito estufa, como o gás metano”, completa e ressalta ainda que não é todo tipo de comida que pode ser colocada na composteira.

“Carnes, caldos, limão e alimentos com muitos temperos estão proibidos. Frutas cítricas, alimentos cozidos e laticínios podem ser colocados moderadamente. Já os legumes, verduras, borras e filtros de café podem ser usados à vontade, sem restrições”, explica.