FECHAR
01 de agosto de 2019
Voltar

INFRAESTRUTURA

Concessão de 1.273 kms de rodovias entre Piracicaba e Panorama prevê investimentos de R$ 14 bilhões

Edital aguarda mais de 600 kms de duplicação e implantação de novas pistas. Concessão terá um modelo inédito de desconto progressivo no pedágio conforme o uso, além de outras inovações
Fonte: Assessoria de Imprensa

O edital de concorrência internacional para concessão do Lote Piracicaba – Panorama, foi lançado na semana passada com previsão de investimentos de R$ 14 bilhões em obras a serem realizadas ao longo de 30 anos de contrato.

No total são 1.273 quilômetros de rodovias que serão modernizadas e ampliadas entre a cidade de Piracicaba, na região de Campinas, e o município de Panorama, no extremo Oeste do Estado, divisa com o Mato Grosso do Sul.

Os investimentos foram priorizados na modelagem, e grande parte das contribuições das seis audiências públicas e do processo de consulta pública foi acolhida. Dos R$ 14 bilhões, cerca de R$ 1,5 bilhão serão investidos nos dois primeiros anos de contrato.

O lote Piracicaba – Panorama é composto pela malha de 218 quilômetros, atualmente operada pela concessionária Centrovias, do Grupo Arteris, cujo contrato vence no início do ano que vem, além de 1.055 quilômetros operados pelo DER-SP, que passarão a receber todas as modernizações do Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo.

Receberão investimentos trechos das rodovias SP-304, SP-308, SP-191, SP-197, SP-310, SP-225, SP-261, SP-293, SP-331, SP-294, SP-284 e SP-425, beneficiando diretamente 62 municípios cortados por essa malha.

Entre as intervenções previstas estão 600 quilômetros de duplicações e novas pistas (os contornos urbanos). Também haverá faixas adicionais e vias marginais, entre outras, obras que melhoram a fluidez, o escoamento da produção regional e a segurança viária.

Serão implantados, ainda, acostamentos, novos acessos e retornos, recuperação de pavimento, passarelas e ciclovias.

O projeto prevê, ainda, que a cada quatro anos sejam realizadas revisões que possam adequar novos investimentos nas pistas. Assim, poderão ser antecipados ou feitos novos investimentos, como duplicações e faixas adicionais de acordo com a avaliação de novas demandas.

Nas audiências públicas realizadas pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) este ano nas cidades de São Paulo, Bauru, Rio Claro, Rancharia, Oswaldo Cruz e Marília e no processo de consulta pública foram registradas junto à sociedade civil quase 2.000 sugestões ao projeto.