FECHAR
FECHAR
02 de julho de 2020
Voltar

RESULTADO

Carga de energia cai 10,2% em maio

Segundo o ONS, pelo segundo mês consecutivo todos os subsistemas apresentaram queda de carga
Fonte: Estadão Conteúdo

A carga de energia caiu 10,2% no Brasil em maio na comparação com maio de 2019 e recuou 1,2% ante abril, informou o Operador Nacional de Sistema (ONS). No acumulado do ano, a carga de energia registra recuo de 1,7%.

“A interrupção das atividades dos mais variados setores da economia do país, provocadas pelas medidas restritivas contra a propagação da Covid-19, tem impactado negativamente o comportamento ao longo do período observado. A menor redução, em relação ao recorde de variação negativa observada em abril, sinaliza uma acomodação da situação atual em níveis muito baixos”, explicou o ONS em nota.

Segundo o operador, pelo segundo mês consecutivo todos os subsistemas apresentaram queda de carga.

O Estado mais afetado foi o Nordeste, com queda de 11,4% na comparação anual, seguido do subsistema Sudeste-Centro/Oeste, com retração de 11,3%, enquanto o subsistema Sul teve recuo de 7,7% e o Norte, de 5,9%.

...

A carga de energia caiu 10,2% no Brasil em maio na comparação com maio de 2019 e recuou 1,2% ante abril, informou o Operador Nacional de Sistema (ONS). No acumulado do ano, a carga de energia registra recuo de 1,7%.

“A interrupção das atividades dos mais variados setores da economia do país, provocadas pelas medidas restritivas contra a propagação da Covid-19, tem impactado negativamente o comportamento ao longo do período observado. A menor redução, em relação ao recorde de variação negativa observada em abril, sinaliza uma acomodação da situação atual em níveis muito baixos”, explicou o ONS em nota.

Segundo o operador, pelo segundo mês consecutivo todos os subsistemas apresentaram queda de carga.

O Estado mais afetado foi o Nordeste, com queda de 11,4% na comparação anual, seguido do subsistema Sudeste-Centro/Oeste, com retração de 11,3%, enquanto o subsistema Sul teve recuo de 7,7% e o Norte, de 5,9%.

Mais notícias sobre esse tema