FECHAR
FECHAR
24 de outubro de 2019
Voltar

CONFORMIDADE

Campanha busca conscientizar sobre a conformidade de esquadrias

Com novo modelo regulatório a ser implementado em breve pelo INMETRO para o setor, todos os tipos de portas e janelas serão alvos de fiscalização
Fonte: Assessoria de imprensa

Portas e janelas podem matar: nos últimos anos foram mais de 300 acidentes graves, incluindo 10 mortes, de acordo com o levantamento feito pela ABRAEsP (Associação Brasileira das Indústrias de Portas e Janelas Padronizadas) – entidade que encabeça o pleito de regulamentação das esquadrias junto ao INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

Para combater acidentes, danos ao patrimônio e práticas enganosas ao comércio e aos consumidores, o Estado brasileiro, por meio do Novo Modelo Regulatório do INMETRO, fará a regulamentação da fabricação geral de produtos e serviços.

No setor de esquadrias, sem exceções, todas as tipologias de portas e janelas fabricadas e comercializadas no país deverão atender obrigatoriamente aos requisitos da norma técnica ABNT NBR 10821 – que especifica os requisitos de desempenho do produto para edificações, independentemente do tipo de matéria-prima utilizada na produção. O Regulamento Técnico para Esquadrias deve ser publicado até o início de 2021.

Nesse quadro, uma campanha de conscientização foi iniciada pela ABRAEsP chama a atenção de fabricantes, revendedores e consumidores sobre a importância do atendimento à conformidade e certificação dos produtos. As publicações estão sendo divulgadas por meio de e-mails, sites, redes sociais e WhatsApp.

A Sasazaki é uma das fabricantes que apoiam a campanha da ABRAEsP. “A regulamentação técnica trará mais segurança para quem compra e quem vende, pois os fabricantes terão de comprovar que seguem os requisitos da norma”, comenta o presidente da empresa, Leonardo Kozo Sasazaki.

“A iniciativa trará um padrão mínimo de qualidade, ampliando a segurança para o usuário e a vida útil da esquadria, o que se traduz em mais respeito ao consumidor”, conclui.