FECHAR
FECHAR
21 de fevereiro de 2019
Voltar

AGRONEGÓCIO

Acesso a portos do Norte reduziria custo de transporte de alimentos em 40%

Maior escoamento da safra de grãos pelos terminais do Norte do país poderia reduzir custos de transporte em 40%, segundo a CNA. Para isso, porém, obras prometidas pelo governo teriam que sair do papel
Fonte: Correio Braziliense

A competitividade da produção agrícola brasileira, perdida da porteira para fora por conta da precariedade da infraestrutura logística do país, poderia dar um salto significativo se projetos prometidos pelo governo saírem do papel.

Estudo da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) aponta que o frete ficaria 40% mais barato com escoamento em direção aos portos do chamado Arco Norte. E os Terminais de Uso Privado (TUPs) da região estão preparados para receber, pelo menos, o dobro da atual carga de grãos.

Mapa elaborado pela CNA mostra o quanto os portos do Arco Norte são subaproveitados para a exportação de grãos, devido aos acessos precários.

Se o trecho da BR-163, que liga Mato Grosso ao Pará, fosse completamente pavimentado, em vez das atuais 6 milhões de toneladas que por ali são transportadas em direção ao Porto de Santarém, PA, poderiam passar 10 milhões de toneladas.

Quando estiver operando, a Ferrogrão, ferrovia cujo projeto tem traçado paralelo à rodovia e deve ser leiloada este ano, teria capacidade de transportar até 40 milhões de toneladas.

No entanto, a realidade é bem diferente e provoca congestionamentos de caminhões carregados de grãos nos portos de Santos (SP), Paranaguá (PR) e Rio Grande (RS). Segundo levantamento realizado pela Elisângela Lopes Pereira, assessora técnica da Comissão Nacional de Logística e Infraestrutura da CNA,, 62,3% da safra de 206,4 milhões de toneladas de soja e milho de 2018 foram produzidos acima do paralelo 16 (para o agronegócio significa a linha divisória de preferência de escoamento da safra de grão).

Porém, apenas 26,2% foram exportados pelos portos do Arco Norte — Porto Velho, Itacoatiara, Santarém, Santana, Belém/Barcarena, Itaqui e Salvador/Ilhéus.

“Enquanto em 2009 se exportavam 7 milhões de toneladas pelo Arco Norte, no ano passado foram 32,5 milhões de toneladas. Houve crescimento (de 364%) mesmo sem as condições ideais de acesso. Mas, ainda é pouco. Dá para crescer muito mais”, destaca Elisângela.

O excedente de 69,6 milhões de toneladas, depois do consumo interno estimado em 26,4 milhões de toneladas, viaja pelas estradas do país para ser embarcado nos portos do Sul e Sudeste, responsáveis por 73,8% das exportações de soja e milho do país.

“Dependendo da infraestrutura disponibilizada e do destino, é muito mais barato sair pelo Arco Norte. Por ali se vai para a Europa ou para China, pelo Canal do Panamá, por exemplo”, explica.