FECHAR
21 de novembro de 2019
Voltar

RESULTADOS

A reconstrução do mercado imobiliário

Depois de cinco anos de dificuldades, setor da construção civil levanta bilhões na bolsa, desengaveta projetos e começa a transformar o país num canteiro de obras
Fonte: IstoÉ Dinheiro

Desde o começo do ano, o executivo Ricardo Paixão, diretor-executivo de finanças e relações com investidores da construtora mineira MRV, tem sido questionado por analistas, acionistas e jornalistas a razão pela qual sua companhia só divulga recordes em seus resultados, em meio às dificuldades do setor da construção civil.

A cada divulgação de balanço, a resposta é a mesma: “Não há crise. Nunca vimos uma situação tão favorável para o setor da construção civil.”

Os números da MRV endossam essa afirmação. A maior construtora da América Latina registrou o melhor resultado financeiro de sua história no terceiro trimestre de 2019, com aumento de 16,1% nas receitas, atingindo R$ 1,569 bilhão e renovando os recordes do primeiro e do segundo trimestres.

“O momento é excelente e o futuro, promissor. Do potencial de 10 milhões de imóveis ao ano entre 2020 e 2030, teremos cerca de 40% das vendas de todo o mercado”, afirmou.

O bom desempenho da MRV, que espelha a situação de praticamente todo o mercado da construção civil, se explica por uma inédita combinação de fatores: queda drástica no volume de distratos (quando o cliente desiste da compra durante a ...


Desde o começo do ano, o executivo Ricardo Paixão, diretor-executivo de finanças e relações com investidores da construtora mineira MRV, tem sido questionado por analistas, acionistas e jornalistas a razão pela qual sua companhia só divulga recordes em seus resultados, em meio às dificuldades do setor da construção civil.

A cada divulgação de balanço, a resposta é a mesma: “Não há crise. Nunca vimos uma situação tão favorável para o setor da construção civil.”

Os números da MRV endossam essa afirmação. A maior construtora da América Latina registrou o melhor resultado financeiro de sua história no terceiro trimestre de 2019, com aumento de 16,1% nas receitas, atingindo R$ 1,569 bilhão e renovando os recordes do primeiro e do segundo trimestres.

“O momento é excelente e o futuro, promissor. Do potencial de 10 milhões de imóveis ao ano entre 2020 e 2030, teremos cerca de 40% das vendas de todo o mercado”, afirmou.

O bom desempenho da MRV, que espelha a situação de praticamente todo o mercado da construção civil, se explica por uma inédita combinação de fatores: queda drástica no volume de distratos (quando o cliente desiste da compra durante a obra), redução das taxas de juros do financiamento imobiliário e acirramento da concorrência entre os bancos.

No caso da MRV, os distratos, por exemplo, despencaram de 66,1% no acumulado de julho a setembro frente ao trimestre anterior, e de 51,3% na comparação com o mesmo período do ano passado.

“Embora a economia ainda esteja em ritmo lento, crescendo na ordem de 1% ao ano, vários fatores estão contribuindo para impulsionar o mercado da construção”, garantiu Paixão.

Entre estes fatores se destaca a queda histórica nas taxas de juros. Com a Selic no menor patamar da história, o custo dos financiamentos está descendo a ladeira.

Na Caixa, banco que lidera o crédito voltado à compra da casa própria, a redução dos juros caiu 22,9% em 2019.

As novas taxas partem de 6,75% ao ano, o que representa uma economia de um carro zero quilômetro, de R$ 35 mil, para financiamento de R$ 250 mil em 30 anos. Além disso, a estatal lançou uma nova linha de crédito imobiliário indexado ao IPCA (o índice de inflação oficial), com taxas a partir de 2,95% ao ano, mais IPCA. Na prática, representa uma parcela 40% menor em relação ao financiamento indexado à TR.

“Os financiamentos imobiliários voltaram a ser atrativos para os bancos. Afinal, além de ser uma modalidade de baixíssimo risco, já que o banco tem como garantia 100% do bem que ele só financia 70%, os investidores estão tirando recursos da poupança e renda fixa para buscar investimentos em imóveis”, afirmou Valter Patriani, dono da incorporadora e construtora Patriani.

A empresa, aliás, está crescendo a um ritmo exponencial. Com 12 prédios entregues e 882 apartamentos, o faturamento vai fechar o ano com crescimento de 86% na comparação com 2018.

Para 2020, Patriani estima crescimento de 75%, com a entrega de 12 prédios, além da execução de outros 10 empreendimentos em obras, concentradas entre as cidades de Campinas, no interior de São Paulo, além de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, no ABC Paulista. O faturamento deve chegar a meio bilhão no ano que vem.