FECHAR
FECHAR
18 de novembro de 2020
Voltar

Mentalidade de experimentação

Evolução dos processos construtivos é uma tendência clara no Brasil, mas setor precisa de incentivos que facilitem a adoção de novas tecnologias para avançar mais rápido
Fonte: Assessoria de Imprensa

Na construção, a tecnologia sempre foi incorporada ao dia a dia das empresas dos diferentes setores que compõem sua cadeia produtiva, mas a velocidade com que esse processo ocorre atualmente é realmente vertiginosa. E no setor imobiliário isso não é diferente.
Impulsionadas por um momento desafiador e propício a mudanças, as tendências tecnológicas que envolvem processos construtivos, novos materiais e automação galgaram um patamar inédito, caracterizado essencialmente pelo foco em sustentabilidade e ganhos de eficiência.

Segundo o arquiteto e urbanista Marcelo Nudel, diretor da Ca2 Consultores, no mundo todo há movimentos incessantes nessas áreas, que vêm promovendo uma industrialização crescente da construção imobiliária. &l...


Na construção, a tecnologia sempre foi incorporada ao dia a dia das empresas dos diferentes setores que compõem sua cadeia produtiva, mas a velocidade com que esse processo ocorre atualmente é realmente vertiginosa. E no setor imobiliário isso não é diferente.
Impulsionadas por um momento desafiador e propício a mudanças, as tendências tecnológicas que envolvem processos construtivos, novos materiais e automação galgaram um patamar inédito, caracterizado essencialmente pelo foco em sustentabilidade e ganhos de eficiência.

Segundo o arquiteto e urbanista Marcelo Nudel, diretor da Ca2 Consultores, no mundo todo há movimentos incessantes nessas áreas, que vêm promovendo uma industrialização crescente da construção imobiliária. “O conceito de edifícios com energia zero, por exemplo, vem ganhando força globalmente”, ele aponta. “São estruturas que reduzem ao máximo seu consumo energético e compensam o consumo residual por meio da geração de energia limpa e renovável no próprio local.”

Nudel: eficiência como motor da inovação

Outro ponto observável, diz ele, é o avanço de construções em madeira engenheirada (Cross Laminated Timber – CLT, ou madeira lamelada cruzada, em português), inclusive na composição das estruturas, o que já é realidade em países como a Austrália, onde o sistema tem sido empregado até mesmo em grandes obras. “Isso mostra que a industrialização e a pré-fabricação são tendências cada vez mais presentes na construção, inclusive em obras de diversas tipologias”, comenta.

Para Nudel, o que impulsiona essas tendências não é meramente uma oportunidade de ocasião, mas justamente o fato de contribuírem de fato para o aumento da eficiência na construção. “Estamos falando de eficiência energética, no caso dos edifícios com energia zero, redução de resíduos, velocidade e qualidade das obras, no caso dos sistemas industrializados e pré-fabricados, e redução dos impactos ambientais e emissões, no caso das estruturas em madeira”, diz ele.

Esses exemplos, acentua o especialista, ilustram o avanço que é possível obter na produtividade e qualidade da construção. “Afirmo isso com base nas experiências de países que já adotam em maior escala esses conceitos”, completa.

EXPERIMENTAÇÃO

Na visão de Raphael Chelin, engenheiro civil e co-fundador da consultoria Celere, a evolução atualmente em marcha tem sido conduzida principalmente pelo movimento de startups que emergem no setor de construção – as chamadas ‘construtechs’ e ‘proptechs’ –, notadamente nos últimos anos. “Essa é uma onda que se iniciou em centros de inovação de outros países – incluindo Vale do Silício, China, Israel e alguns países da Europa – e que, mesmo com toda dificuldade de se empreender no Brasil, também vem se consolidando por aqui”, explica. “Hoje, são mais de 700 startups mapeadas no mercado, mas sem dúvida esse número deve ser maior.”

Chelin: startups alteram a maneira de pensar o negócio

Segundo Chelin, a mentalidade da startup tem como ponto central o problema a ser enfrentado. Ou seja, sua solução visa a resolver uma necessidade real da obra. Como exemplo, o especialista cita a baixa produtividade no canteiro, uma dificuldade bastante comum decorrente de processos artesanais e baixa qualificação da mão de obra. “Nesse caso, a solução é a industrialização, ou seja, a mudança de processo construtivo, diminuindo as etapas construtivas e, algumas vezes, transferindo parte do trabalho para uma fábrica, onde as condições são mais controladas”, diz ele.

Já quando o impasse provém de questões legais – como as morosas etapas para aprovação do projeto, elaboração de contrato ou contratação de seguro –, a solução consiste na desburocratização, o que pode ser obtido com o desenvolvimento e aplicação de softwares ou robôs para automação dos processos, eliminando parte do gargalo e trazendo maior segurança às operações.

Para o executivo, esses exemplos mostram como o movimento das startups do setor vem formatando um novo jeito de pensar o negócio. “A mentalidade da experimentação, de não ter medo de errar e aprender rápido com os erros é a grande mudança de mentalidade que esse movimento traz”, avalia Chelin. “E consolidar essa mentalidade em um setor tão tradicional é a verdadeira quebra de paradigma.”

Para muitos, um dos elementos-chave dessa nova mentalidade é a modelagem virtual BIM (Building Information Modeling), que vendo sendo implementada de forma mais efetiva no setor. De acordo com Clovis Sant’Anna Filho, diretor técnico da incorporadora RNI, a pandemia acelerou o processo de desenvolvimento de aplicativos para a construção, especialmente desenvolvimentos para BIM, mas também vem impulsionando o uso de smartphones, computadores e tablets no setor, pois permitem aperfeiçoar e organizar as informações referentes à obra. “Essas tecnologias permitem possibilidades de edição de maneira mais prática e em qualquer lugar, o que torna o trabalho menos burocrático inclusive”, ele comenta.

MATERIAIS

Também no uso de materiais é necessário experimentar, até para não perder o bonde. Citado anteriormente por Nudel, da Ca2, o uso de madeira engenheirada como sistema construtivo já integra os estudos prospectivos do Grupo HTB, especializado em serviços de engenharia e construção nos mercados de edificações, tanto industriais como de infraestrutura.

Para a coordenadora de projetos da empresa, Camila Chamati Fachim, o uso desse sistema pré-fabricado de fato impulsiona a industrialização do canteiro de obra, indo ao encontro de valores em ascensão como a sustentabilidade socioambiental. “Além de seu desempenho técnico, o uso da madeira como material renovável está vinculado à produção sustentada das florestas, assim como de certificações que garantem sua proveniência e manuseio”, ela ressalta, destacando que a madeira também promove a sustentabilidade nas construções pelo fato de armazenar CO2, enquanto outros materiais emitem esse gás – que desestabiliza o efeito estufa – na atmosfera.

Fachim: desempenho e sustentabilidade em novos materiais

A especialista explica que a madeira engenheirada é um material processado industrialmente, com o objetivo específico de aplicação na construção civil. Por meio de processos fabris, a madeira é transformada em insumo com propriedades adequadas ao uso em edificações. Além do CLT, também vem crescendo o uso do MLC (Madeira Lamelada Colada, da expressão em inglês Glued laminated timber – Glulam).

Além do aspecto sustentável, Fachim destaca que se trata de um sistema que agrega maior precisão, reduzindo a necessidade de mão de obra. “Quando combinado com outros sistemas pré-fabricados, esse material permite uma redução substancial no tempo de construção”, diz ela. “Outro ponto relevante é que o material apresenta um peso cinco vezes menor que o concreto, resultando em cargas menores na fundação e redução dos custos para execução desses serviços.”

As vantagens são tão evidentes que levaram o Grupo HTB a desenvolver o projeto ‘eWood’, uma edificação comercial modular de nove pavimentos e estrutura híbrida. O projeto faz uso de madeira engenheirada e pode se adaptar ao terreno, variando o número de pavimentos de acordo com o potencial construtivo. “Apesar de ser uma novidade no Brasil, essa tecnologia já vem sendo utilizada há mais de 20 anos na Europa”, ela destaca. “Mas na última década vem se difundindo no mundo com mais força, até em consequência dos avanços técnicos e das revisões normativas.”

Madeira engenheirada promete ganhos ambientais e econômicos

Ainda em fase de introdução no Brasil, o sistema austríaco de madeira engenheirada permite erigir obras de vários pavimentos, havendo inclusive fornecedores locais do material. “No exterior, já existem centenas de edificações de altura média, por volta de 10 a 12 pavimentos”, conta Fachim, que vê uma necessidade de formação de profissionais na área técnica no país, além de parcerias e maior colaboração entre os diversos agentes da cadeia produtiva. “Isso é importante para que a tecnologia da madeira engenheirada possa avançar no Brasil, assim como as revisões de legislações e normas pertinentes, que aliás já estão em andamento, como a ABNT NBR 7190, que tem foco em Projetos de Estrutura de Madeira”, diz ela.

SISTEMAS

Além da madeira pré-fabricada, a crescente industrialização do setor também pode ser observada no uso de sistemas diferenciados, como paredes de concreto combinadas com drywall, fôrmas modulares de alumínio e escoras reutilizáveis. Na incorporadora RNI, que atua no desenvolvimento de condomínios de casas e edifícios enquadrados nas faixas mais elevadas do programa Minha Casa Minha Vida, isso já é realidade.

Segundo o diretor técnico da empresa, Clovis Sant’Anna Filho, a área de atuação da empresa demanda maior racionalidade produtiva dos sistemas construtivos, o que motivou suas escolhas. “A viabilidade das construções em parede de concreto para unidades residenciais está atrelada à velocidade de execução e à repetitividade dos projetos, evitando alterações nas fôrmas, para que os ativos sejam utilizados muitas vezes, sem necessidade de grandes reparos além da limpeza”, afirma o executivo. “E a reutilização dilui o custo inicial do sistema, principalmente considerando as fôrmas de alumínio, ao longo dos anos.”

Segundo Sant’Anna, na última década houve uma evolução significativa na gestão de fôrmas para a execução de paredes de concreto no Brasil. A montagem do sistema foi simplificada por meio de conjuntos maiores e significativamente mais leves, com fácil encaixe, enquanto o travamento entre as fôrmas tornou-se mais seguro, o que permite melhorar a geometria dos imóveis. “A trabalhabilidade do concreto também evoluiu”, diz ele.

Sistemas mistos e técnicas diferenciadas ganham espaço nos projetos

O diretor assegura que o sistema construtivo com paredes de concreto permite reduzir a necessidade de mão de obra, mantendo um processo veloz, durável, prático e confortável para os usuários. “O tempo construtivo é uma grande vantagem do sistema”, relata Sant’Anna. “A utilização de fôrmas de alumínio permite a execução de até um bloco de casas por dia, o que – no caso da RNI – resultou na conclusão das obras em até 18 meses.”

As paredes de concreto, afirma, também são menos suscetíveis às patologias comumente verificadas nas obras de alvenaria, que são mais artesanais, com maior variabilidade de processos. Além disso, o sistema melhora as condições de segurança na obra, eliminando o processo de assentamento de blocos e a necessidade de revestimentos. “Outro ponto importante é que a produção de entulho é mínima nas construções”, diz ele. “As estruturas têm grande durabilidade e podem ser recicladas, o que não apenas poupa material, como gera uma economia de matéria-prima e energia durante o processo de produção.”

Sant’anna: racionalidade produtiva em sistemas

Além desses novos sistemas, o especialista também vê um desenvolvimento interessante do setor energético, principalmente com o avanço dos parques fotovoltaicos, que vêm ganhando vulto com a busca incessante das construtoras por maior eficiência nas operações. “O Brasil possui um dos maiores potenciais de geração de energia fotovoltaica do mundo, chegando próximo dos 28 mil GW”, ele comenta. “E a incidência solar no território brasileiro varia de 4,25 kWh/m² a 6,30 kWh/m², o que é excelente para que esse tipo de tecnologia se desenvolva e seja mais adotado nas atividades da construção civil.”

‘Uma grande fatia do setor ainda não compra a briga da inovação’, dizem consultores

Por ser um setor arraigadamente conservador no que se refere à inovação, a construção brasileira entrou em defasagem na corrida de desenvolvimento via startups, o que explica seu descompasso em relação a outros países. “Além do tradicionalismo do setor, as nossas legislações não ajudam, de modo que ainda apresentamos muitas dificuldades de competir no mercado internacional”, pondera o diretor da Celere, Raphael Chelin.

Embora paguem o preço do aprendizado, diz ele, algumas construtoras e incorporadoras estão saindo à frente, colhendo os benefícios de posicionar-se alguns passos além das demais. “Contudo, a grande fatia do setor ainda não compra a briga da inovação, insistindo em gerenciar seus negócios e construindo suas obras como sempre fizeram, com medo do incerto”, observa o engenheiro, destacando que essas empresas dificilmente conseguirão alcançar as que estão inovando com mais consistência neste momento. “A distância se tornará muito grande”, antevê Chelin.

Essa é a mesma visão do diretor da Ca2 Consultores, Marcelo Nudel, para quem o emprego de novas tecnologias sempre traz riscos, mas também premia os pioneiros da inovação, que se tornam impulsionadores do mercado. “Mas se alguns poucos fazem antes e demonstram que pode dar certo, o mercado tende a seguir”, conjectura.

Para especialistas, incentivos e revisões normativas podem acelerar o avanço da construção brasileira

Para o arquiteto, a construção ainda é um setor muito ineficiente no Brasil, tanto do ponto de vista energético quanto de processos e uso de materiais. “A construção típica brasileira ainda tem muito a evoluir, inclusive quando comparada a alguns países em desenvolvimento da América Latina”, aponta Nudel, que todavia vê possibilidade de o país avançar mais rápido se houver incentivos do governo e legislações mais favoráveis. “Se isso ocorrer, as iniciativas inovadoras tendem a se tornar menos penosas e o acesso às informações e tecnologias pode se disseminar para todas as empresas do setor, seja qual for o seu tamanho”, finaliza.