27 de julho de 2014
Voltar
Qualificação de Mão de Obra

Um salto na evolução da produtividade e segurança nos canteiros de obras

Credenciamento de Terceira Parte garante parâmetros e padrões internacionais de operação dos equipamentos, elevando o nível do setor a um novo patamar

A partir do mês de julho, o Credenciamento de Terceira Parte já está disponível para operadores de guindastes, gruas, guindauto, pontes rolantes e pórticos

Construtoras, fabricantes de equipamentos e locadoras vêm realizando esforços para aumentar a produtividade, segurança e qualidade nos canteiros de obras em todo o país. Uma dessas ações é o investimento em capacitação de seus profissionais, por meio da implementação de programas internos de treinamento. Outra prática é a contratação de instituições especializadas para ministrar cursos direcionados à formação e reciclagem de operadores, engenheiros e outros profissionais que trabalham na gestão e operação de equipamentos.

O Credenciamento de Terceira Parte, baseado na ISO 17024 que normaliza o credenciamento de profissionais, elevará o patamar de qualidade, segurança e produtividade na construção brasileira. “Com isso, haverá uma quebra de paradigma no mercado. Será uma referência em termos de credenciamento e um padrão universal de treinamento e capacitação de pessoas no setor, como os existentes em âmbito internacional”, avalia Wilson de Mello Jr., diretor de Formação e Credenciamento da Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração.

De acordo com Mello Jr., os centros de credenciameto poderão ser credenciados e assim, os diferentes tipos de cursos disponíveis no Brasil, com métodos, cargas horárias e processos diversos, poderão ser padronizados, com metodologia estruturada, conteúdo programático abrangente e carga horária definida, o que garantirá a qualidade da formação e reciclagem dos profissionais do setor. “Atualmente, não é possível estabelecer um parâmetro de qualidade dos cursos oferecidos no mercado e, consequentemente a formação do profissional acaba sendo prejudicada, dependendo do local onde ele escolha realizar seu treinamento”, explica. “A capacitação inadequada oferece um risco maior em termos de acidentes no trabalho, além da ineficiência operacional que prejudica a produtividade da máquina, podendo inclusive, levar à quebra do equipamento”, alerta. Segundo dados do mercado, os trabalhadores da construção têm um risco três vezes maior de sofrer um acidente com óbito, do que trabalhadores de outros segmentos.

Wilson de Mello Jr., Direto


A partir do mês de julho, o Credenciamento de Terceira Parte já está disponível para operadores de guindastes, gruas, guindauto, pontes rolantes e pórticos

Construtoras, fabricantes de equipamentos e locadoras vêm realizando esforços para aumentar a produtividade, segurança e qualidade nos canteiros de obras em todo o país. Uma dessas ações é o investimento em capacitação de seus profissionais, por meio da implementação de programas internos de treinamento. Outra prática é a contratação de instituições especializadas para ministrar cursos direcionados à formação e reciclagem de operadores, engenheiros e outros profissionais que trabalham na gestão e operação de equipamentos.

O Credenciamento de Terceira Parte, baseado na ISO 17024 que normaliza o credenciamento de profissionais, elevará o patamar de qualidade, segurança e produtividade na construção brasileira. “Com isso, haverá uma quebra de paradigma no mercado. Será uma referência em termos de credenciamento e um padrão universal de treinamento e capacitação de pessoas no setor, como os existentes em âmbito internacional”, avalia Wilson de Mello Jr., diretor de Formação e Credenciamento da Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração.

De acordo com Mello Jr., os centros de credenciameto poderão ser credenciados e assim, os diferentes tipos de cursos disponíveis no Brasil, com métodos, cargas horárias e processos diversos, poderão ser padronizados, com metodologia estruturada, conteúdo programático abrangente e carga horária definida, o que garantirá a qualidade da formação e reciclagem dos profissionais do setor. “Atualmente, não é possível estabelecer um parâmetro de qualidade dos cursos oferecidos no mercado e, consequentemente a formação do profissional acaba sendo prejudicada, dependendo do local onde ele escolha realizar seu treinamento”, explica. “A capacitação inadequada oferece um risco maior em termos de acidentes no trabalho, além da ineficiência operacional que prejudica a produtividade da máquina, podendo inclusive, levar à quebra do equipamento”, alerta. Segundo dados do mercado, os trabalhadores da construção têm um risco três vezes maior de sofrer um acidente com óbito, do que trabalhadores de outros segmentos.

Wilson de Mello Jr., Diretor de Certificação e Desenvolvimento Humano da Sobratema

O diretor de Formação e Credenciamento da Sobratema enfatiza ainda que o Credenciamento Acreditado com base na norma ISO 17024 é também uma tendência para quem está em busca de desenvolvimento nos processos produtivos e de seus profissionais. “É um caminho sem volta porque com o aumento da frota e a chegada de equipamentos com alta tecnologia, o mercado está cada vez mais competitivo e este é um diferencial que possibilita elevar a empresa para um novo patamar”, avalia. “O Credenciamento Acreditado será a garantia que aquele profissional está capacitado adequadamente para desenvolver o trabalho com mais produtividade e segurança, reduzindo as perdas humanas de nosso setor”, acrescenta.

Para atender a necessidade do mercado, a Sobratema, em parceria com a Abendi – Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção, desenvolveu e passou a disponibilizar o Credenciamento de Terceira Parte, estruturado através de um Conselho e um Bureau, formado pelas principais empresas e os maiores especialistas do setor, para garantir os rigorosos padrões e metodologias a serem aplicadas no processo de Credenciamento.

De acordo com Luis Aulicino, gerente de Relações Institucionais da Abendi, “o Credenciamento de Terceira Parte é um grande diferencial para o profissional, pois reforça seu comprometimento com o cumprimento das normas e dos padrões de qualidade e segurança estabelecidos”. Aulicino continua: “Já para as empresas, o credenciamento proporciona ganhos de competitividade com a melhoria dos serviços prestados, com a diminuição do retrabalho, com a redução de custos com seguros e com a redução de sinistros como danos, perdas de equipamentos e cargas e afastamento de operadores”. A Abendi é um organismo de credenciamento de pessoas acreditado pelo Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia e disponibiliza credenciamento em diversas áreas, incluindo o setor industrial, petróleo e gás, saneamento, entre outros.

Luis Aulicino, gerente de Relações Institucionais da Abendi

Inicialmente o Credenciamento de Terceira Parte foi desenvolvido para o segmento de içamento e movimentação de cargas. As primeiras funções escolhidas foram: Rigger, Supervisor de Rigging e Sinaleiro Amarrador. O primeiro profissional credenciado na função de Rigger foi o engenheiro Ricardo Sávio, profissional com 15 anos de experiência e uma sólida formação acadêmica.

No mês de julho, o Credenciamento de Terceira Parte já está disponível também para operadores de guindastes, gruas, guindauto, pontes rolantes e pórticos. “Na sequência o Credenciamento de Terceira Parte será desenvolvido para operadores de equipamentos da linha amarela – escavadeiras, tratores de esteira, motoniveladoras, pás carregadeiras, rolos compactadores e retroescavadeiras”, conta Mello Jr.

 

 

 

 

Mais materias sobre esse tema