FECHAR
27 de julho de 2014
Voltar
Qualificação de Mão de Obra

Um salto na evolução da produtividade e segurança nos canteiros de obras

Credenciamento de Terceira Parte garante parâmetros e padrões internacionais de operação dos equipamentos, elevando o nível do setor a um novo patamar

A partir do mês de julho, o Credenciamento de Terceira Parte já está disponível para operadores de guindastes, gruas, guindauto, pontes rolantes e pórticos

Construtoras, fabricantes de equipamentos e locadoras vêm realizando esforços para aumentar a produtividade, segurança e qualidade nos canteiros de obras em todo o país. Uma dessas ações é o investimento em capacitação de seus profissionais, por meio da implementação de programas internos de treinamento. Outra prática é a contratação de instituições especializadas para ministrar cursos direcionados à formação e reciclagem de operadores, engenheiros e outros profissionais que trabalham na gestão e operação de equipamentos.

O Credenciamento de Terceira Parte, baseado na ISO 17024 que normaliza o credenciamento de profissionais, elevará o patamar de qualidade, segurança e produtividade na construção brasileira. “Com isso, haverá uma quebra de paradigma no mercado. Será uma referência em termos de credenciamento e um padrão universal de treinamento e capacitação de pessoas no setor, como os existentes em âmbito internacional”, avalia Wilson de Mello Jr., diretor de Formação e Credenciamento da Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração.

De acordo com Mello Jr., os centros de credenciameto poderão ser credenciados e assim, os diferentes tipos de cursos disponíveis no Brasil, com métodos, cargas horárias e processos diversos, poderão ser padronizados, com metodologia estruturada, conteúdo programático abrangente e carga horária definida, o que garantirá a qualidade da formação e reciclagem dos profissionais do setor. “Atualmente, não é possível estabelecer um parâmetro de qualidade dos cursos oferecidos no mercado e, consequentemente a formação do profissional acaba sendo prejudicada, dependendo do local onde ele escolha realizar seu treinamento”, explica. “A capacitação inadequada oferece um risco maior em termos de acidentes no trabalho, além da ineficiência operacional que prejudica a produtividade da máquina, podendo inclusive, levar à quebra do equipamento”, alerta. Segundo dados do mercado, os trabalhadores da construção têm um risco três vezes maior de sofrer um acidente com óbito, do que trabalhadores de outros segmentos.

Wilson de Mello Jr., Diretor de Certificação e Desenvolvimento Humano da Sobratema