FECHAR
08 de junho de 2011
Voltar
Editorial

Um brasileiro dedicado à construção de um novo Brasil

 

Um dos destaques desta edição da Grandes Construções é a entrevista com Siegbert Zanettini, um dos grandes mestres da arquitetura brasileira. Quando se fala no seu nome, é comum ouvir o comentário: “é o Niemeyer da construção com estrutura em aço”. Em se tratando de Oscar Niemeyer, o “papa” da construção em concreto, não deixa de ser uma comparação elogiosa. Mas Zanettini tem trajetória e personalidade próprias, expressas de maneira brilhante não só em sua obra, como também na sua luta pela difusão de métodos construtivos contemporâneos, comprometidos com a preservação do meio ambiente, conciliando esses conceitos com os de praticidade, durabilidade, rapidez e economia.

Com pouco mais de 50 anos de atividade profissional, muitos dos quais dedicados ao ensino, o professor e arquiteto paulista empenhou-se em multiplicar, entre estudantes e profissionais, valiosos conceitos que o estimularam a projetar com razão e sensibilidade. Para ele, o grande papel da arquitetura é valorizar o ser humano, permitindo que ele se desenvolva totalmente integrado com o meio em que vive. Obstinado, Zanettini assumiu a responsabilidade de repensar as cidades e os ambientes em benefício do homem.

Otimista inveterado, o arquiteto acredita que o Brasil tem todas as condições para se tornar um grande centro mundial. Para isso, basta que nos dediquemos à elaboração de um projeto de nação, de um novo projeto estruturador da sociedade brasileira. Em sua participação no Sobratema Fórum Brasil Infraestrutura, promovido pela Sobratema, no dia 14 de outubro de 2010, em São Paulo, Zanettini defendeu, de forma apaixonada – como faz com tudo o que acredita – a elaboração desse projeto de nação a partir de uma nova visão de mundo, que nos permita perceber, em todos os sentidos, a unicidade do homem em si mesmo e do todo que o cerca. Reafirmou a necessidade  de uma mudança de paradigmas, da criação de novos valores como contraponto a uma visão predadora da paisagem, pela reconquista do que considera os reais valores da vida: o conhecimento, o intelecto, a razão e a sensibilidade.

Neste momento em que entramos em novo ciclo de desenvolvimento, sustentável e de longo prazo, é importante também priorizarmos a construção de uma nova identidade cultural, baseada na autoestima elevada da nossa sociedade. Assim sendo, reconhecemos nosso dever de resgatar personagens importantes na construção das nossas cidades, da nossa identidade cultural, da nossa nação e do nosso futuro. E Zanettini é um desses personagens, um exemplo de brasileiro a ser seguido por esta e pelas futuras geraçõs.